Políticas compensatórias e a relevância da história:

uma reflexão com dados empíricos de jovens brasileiros, mexicanos e argentinos

Autores

  • Matheus Mendanha Cruz Universidade Estadual de Ponta Grossa

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2103

Palavras-chave:

Políticas compensatórias, Cotas na universidade para indígenas, Geração de sentido, Relevância da História;, Didática da História

Resumo

O texto a seguir tem como principais objetivos perceber o posicionamento de jovens, entre 15 e 18 anos, mexicanos, brasileiros e argentinos acerca de políticas compensatório acerca dos povos indígenas de seus respectivos países e discutir a influência do conhecimento sobre o passado nesse posicionamento. Utilizamos dados quantitativos, estatística descritiva, para fazer a discussão e foi possível perceber que há relação entre posicionamento político e saberes históricos. Também foi possível identificar que os respondentes que mais demonstraram apoio às políticas compensatórias são também aqueles que demonstraram maior interesse pelo pensamento histórico científico.

Biografia do Autor

Matheus Mendanha Cruz, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Mestre em História pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG; Especialista em Ensino de História e Geografia pela Faculdades São Braz; Licenciado em História pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG, com experiência de trabalho na Rede Estadual de Ensino de Santa Catarina, na rede Estadual de Ensino do Paraná e na rede particular da cidade de Ponta Grossa. Integra também o Grupo de Estudo em Didática da História (GEDHI) da UEPG.

Referências

BORRIES, B. V. Competência do pensamento histórico, domínio de um panorama histórico ou conhecimento do cânone histórico. Educar em Revista, Curitiba, v. 60, p. 171-196, abr./jun 2016.

CEPAL. Panorama Social da América Latina. ONU. [S.l.], p. 28. 2018.

LEE, P. "Nós fabricamos carros e eles tinham que andar a pé": compreensão das pessoas do passado. In: BARCA, I. Educação Histórica e Museu. Bragal: Universidade do Minho , 2003.

QUIJANO, A. olonialidad del poder, cultura, y conocimiento en América Latina. Ecuador Debate, Quito, v. 44, p. 227-238, Agosto 1998.

RÜSEN, J. Explicação narrativa e o problema dos construtos teóricos de narração. Revista da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica, São Paulo, v. 3, p. 97-104, 1987.

RÜSEN, J. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba: Editora UFPR, 2015.

SALLES, R. Nostalgia Imperial: escravidão e formação da identidade nacional no Brasil do Segundo Reinado. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Ponteio, 2013.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

Cruz, M. M. (2021). Políticas compensatórias e a relevância da história: : uma reflexão com dados empíricos de jovens brasileiros, mexicanos e argentinos. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2103

Edição

Seção

II - Congresso Internacional Online de Estudos sobre Culturas