Stress na docência na educação básica

fatores e manifestações

Autores

  • Alessandra Nery Obelar da Silva Universidade Federal de Rio Grande- FURG
  • Gionara Tauchen Universidade Federal do Rio Grande - FURG https://orcid.org/0000-0002-3952-0017

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v8i1.2232

Palavras-chave:

Stress, Docência, Educação Básica

Resumo

Os processos e as condições de trabalho do professor extrapolam a mediação das possibilidades de aprendizagem em sala de aula. A docência envolve a participação na gestão escolar, as interações comunidade e escola, a intensificação da jornada de trabalho, entre outros aspectos, que impactam na saúde do professor. Esta pesquisa tem como objetivos, investigar, por meio de um estudo tipo Estado da Arte, a incidência de pesquisas sobre o stress na docência na Educação Básica e analisar a tipologia e as manifestações de stress na docência, bem como os fatores que o potencializam neste nível de ensino. A pesquisa, de natureza qualitativa e bibliográfica, foi realizada na base de dados SciELO e artigos selecionados foram analisados por meio da Análise de Conteúdo. Concluímos que são muitos os fatores que levam os professores ao stress, seja de forma positiva ou negativa, sendo necessária a implementação de políticas de apoio aos professores voltadas para a sua saúde física, psíquica e emocional, para que possam exercer sua profissão pautada na colaboração, no coletivo, impulsionados pela esperança, pela coragem e pela satisfação no trabalho que realizam.

Biografia do Autor

Alessandra Nery Obelar da Silva, Universidade Federal de Rio Grande- FURG

Mestre em Educação, Universidade Federal do Rio Grande- FURG, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil, ale.obelar@hotmail.com

Gionara Tauchen, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutora em Educação, Universidade Federal do Rio Grande- FURG, Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil, giotauchen@gmail.com

Referências

BATISTA, J. B. V. Síndrome de Burnout em professores do ensino fundamental: um problema de saúde pública não percebido. Tese (doutorado), Fundação Osvaldo Cruz. Recife: J. B. V. Batista, 2010.

BIAZZI, S. Estresse, burnout e estratégias de enfrentamento: um estudo com professores de uma instituição privada de São Paulo. Dissertação (mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 2013, 138f.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BORGES DOS REIS, E. J. F.; ARAUJO, T. M.; CARVALHO, F. M.; BARBALHO, L.

SLIVEIRA E SILVA, M. Docência e exaustão emocional. Educ. Soc. Campinas, v. 27, n. 27, p. 229-253, jan./abr. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/sbzFLvJbZLg69wmdVx7Ppkm/?format=pdf&lang=pt. Acesso em:12 ago. 2021

CAPELO, R.; POCINHO, M. Estratégias de coping: contributos para a diminuição do stress docente. Psicologia, Saúde & Doenças, p.282-294, 2016. Disponível em: https://scielo.pt/pdf/psd/v17n2/v17n2a13.pdf. Acesso em: 24 maio 2021.

CARLOTTO, Mary Sandra. Síndrome de Burnout em professores: prevalência e fatores associados. Psicologia: Teoria e Pesquisa [online]. 2011, v. 27, n. 4, 403–410 Disponível em: https://www.scielo.br/j/ptp/a/B6dwZJD6LLTM5QBYJYfM6gB/?lang=pt. Acesso em: 15 jun.2021.

CATALDI, M. J. G. A saúde mental e o meio ambiente de trabalho. Revista de

Direito do Trabalho. vol. 166. p. 159-170. São Paulo: Ed. RT, nov.- dez. 2015. Disponível em: http://www.ltr.com.br/loja/folheie/6139.pdf. Acesso em: 14 jun.2021.

CORREIA, J.A.; MATOS, M. Solidões e solidariedades nos quotidianos dos professores. PORTO: Edições ASA, 2001.

COSME, A.; TRINDADE, R.E. A atividade curricular e pedagógica dos professores como fonte de tensões e dilemas profissionais contributo para uma interpelação sobre a profissão docente. Revista Brasileira de educação, v.22, n.69, p. 565-587, abr./jun. 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/275/27553036013.pdf. Acesso em: 09 ago. 2021.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1992.

DEJOURS, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola de jouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

FERREIRA, E. C; PEZUK, J. A. Síndrome de Burnout: um olhar para o esgotamento profissional do docente universitário. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v.26, n.02, p.483-482, jul. 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/aval/a/tyRLWxv9pLPf6RcBFxqmgDk/?format=pdf&lang=pt. Acesso em:18 set. 2021.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, São Paulo, ano 23, n.79, p. 257-272, ago. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/vPsyhSBW4xJT48FfrdCtqfp/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 4 mar. 2021.

FREITAS, A. P.; ANDRADE, L. F. M. O estresse e sua interrelação no contexto laboral. Intercursos Revista Científica, [S. l.], v. 13, n. 2, 2017. Disponível em: https://revista.uemg.br/index.php/intercursosrevistacientifica/article/view/246. Acesso em: 19 mar. 2022.

GOULART JUNIOR, E.; LIPP, M. E. N. Estresse entre professoras do ensino fundamental de escolas públicas estaduais. Psicologia em estudo, 2008, 13(4), 847-857. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pe/a/QBScTyq8L8bqRnbMydKYNDJ/?lang=pt. Acesso em:24 maio 2021.

JESUS, S. N. de; ABREU, M. V.; SANTOS, E. J. R. dos; PEREIRA, A. M. S. Estudos dos factores de mal-estar na profissão docente. Psychologia, 1992. p.51-60. Disponível em: https://eg.uc.pt/bitstream/10316/12998/1/Estudo%20de%20factores%20de%20mal-estar%20na%20profiss%C3%A3o%20docente.pdf. Acesso em: 10 abr. 2021.

KOGA, Gustavo Kendy Camargo et al. Fatores associados a piores níveis na escala de Burnout em professores da educação básica. Cadernos Saúde Coletiva [online]. 2015, v. 23, n. 3, pp. 268-275.Disponível em: https://www.scielo.br/j/cadsc/a/Nnf4Rp6zfprzYLVhdw7Xmch/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 24 maio 2021.

MARTINS, M. G. T. Sintomas de stress em professores brasileiros. Revista Lusófona de Educação, 2007, 10, 109 - 128. Disponível em: https://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/637. Acesso em:24 maio 2021.

OLIVEIRA, J. R. A síndrome de Burnout nos cirurgiões-dentistas de Porto Alegre. Dissertação Mestrado em Odontologia - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

PENTEADO, R. Z.; NETO, S. S. Mal-estar, sofrimento e adoecimento do professor: de narrativa de trabalho e da cultura docente à docência como profissão. Saúde e Sociedade [online]. 2019, v. 28, n. 1, pp. 135-153. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sausoc/a/Y9Wfn6NphgsptvZBMpZcsSJ/?lang=pt. Acesso em 5 abr. 2021.

PEREIRA, M. R. De que padecem os professores da Educação Básica. Educar em Revista [online]. 2017, v. 00, n. 64, pp. 71-87. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/tHSHmjdZKsdbGgnBBkPYyfJ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 17 abr. 2021.

REBOLO, Flavinês; CONSTANTINO, Michel. Escala de Bem-Estar Docente (Ebed): desenvolvimento e validação. Cadernos de Pesquisa [online]. 2020, v. 50, n. 176, pp. 444-460. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/CDzHNy4PjD3Kp94BnKpHVds/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 24 maio 2021.

REIS, A. L. P. P.; FERNANDES, S. R. P.; GOMES, A. F. Estresse e Fatores Psicossociais. Psicologia: Ciência e Profissão [online]. 2010, v. 30, n. 4, pp. 712-725. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000400004.

SELYE, H. The General Adaptation Syndrome. Annual Review of Medicine, 1951,2 (1). 327-342. Disponível em: https://doi.org/10.1146/annurev.me.02.020151.001551.

SELYE, H. Stress without distress. Philadelphia, PA: J. B. Lippincott Company, 1974.

SELYE, H. Selye's guide to stress research. V. I. New York: Van Nostrand Reinhold, 1980.

SILVA, R. M.; GOULART, C. T.; GUIDO, L. A. Evolução histórica do conceito de estresse. Rev. Cient. Sena Aires. 2018; 7(2): 148-56. Disponível em: http://revistafacesa.senaaires.com.br/index.php/revisa/article/view/316.

SOUZA DE, E. M. R.; COUTINHO, D. J. G. Adoecimento das professoras das primeiras letras em Olinda: Sintomas, queixas e diagnósticos. EDUR. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.34, p. 1-29, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/vDPfn7YJRxr4NBK5Cw7kxqc/?lang=pt. Acesso em: 24 maio 2021.

STEINHARDT, M. A.; SMITH JAGGARS, S. E., FAULK, K. E.; GLORIA, C. T. Chronic work stress and depressive symptoms: Assessing the mediating role of teacher burnout. Stress and Health, 2011, 27(5), 420–429. Disponível em: https://doi.org/10.1002/smi.1394.

ZIBETTI, M. L. T.; PEREIRA, S. R. Mulheres e professoras: repercussões da dupla jornada nas condições de vida e no trabalho docente. Educar em Revista, Curitiba, 2010, v. 2, p. 259-276. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/K7cJTTmXvLT3ZFKpCkdJ7BL/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 26 maio 2021.

Downloads

Publicado

15/04/2022

Como Citar

Silva, A. N. O. da, & Tauchen, G. (2022). Stress na docência na educação básica: fatores e manifestações. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 8(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v8i1.2232

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo