A narrativa-encruzilhada de Dona Jovita:

"água que não para, de longas beiradas"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i1.2115

Resumo

O artigo em questão conduz a uma discussão sobre o papel insurgente das micronarrativas frente a uma história monumental e linear, de onde foram excluídas as histórias dos povos indígenas, como a dos Pataxó do território Comexatibá. Para materializar essa tarefa, será feita uma análise da narrativa de vida de Jovita Maria de Oliveira, anciã e pajé pataxó, abordando aspectos importantes sobre as multiplicidades presentes nesse contar, resultado de um longo histórico de relações interculturais necessárias ao processo de sobrevivência e resistência aos projetos de extermínio postos em prática por variados agentes, ou com o apoio ou com a conivência do Estado. Terá especial relevância no processo de análise, a capacidade dessa narrativa de congregar temporalidades distintas, ao passo que reúne passado e futuro em um presente atento e ativo, resultando disso a abertura para pensar a relação com os outros e o mundo sob outras racionalidades, que não a ocidental. Para isso, comparecerão como aporte teórico: Walter Benjamin (2012); Joel Candau (2018); Michel Foucault (2010); Leda Maria Martins (1997); Daniel Munduruku (2012), Jean Bazin (2008), Aníbal Quijano (2005), entre outras inspirações.

Biografia do Autor

Vera Lúcia da Silva, Universidade Federal do Sul da Bahia

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estado e Sociedade da Universidade Federal do sul da Bahia e integrante do Coletivo Dandaras. Teixeira de Freitas, Bahia, Brasil. Email: vsilva.lucia@hotmail.com

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAZIN, J. Des clous dans la Joconde: l’anthropologie autrement. Toulouse: Anacharsis, 2008.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. 8ª Ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

CANDAU, J. Antropologia da memória. Tradução Miriam Lopes. Rio de Janeiro: Instituto Piaget: 2005

DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia (vol. 1). Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. 2ª Ed.São Paulo: Martins Fontes, 2010.

HANNERZ, U. Fluxos, Fronteiras, Híbridos: Palavras-chave da Antropologia Transnacional. Mana, vol.3, nº1. Rio de Janeiro: 1997.

MARTINS, L. M. Afrografias da Memória: O Reinado do rosário no Jatobá. São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Mazza Edições, 1997.

MUNDURUKU, D. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

OLIVEIRA, J. M. de. O movimento de retomada do território pataxó. Entrevista concedida a Vera Lúcia da Silva, em 03 de fevereiro de 2021.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

Downloads

Publicado

04/07/2021

Como Citar

Silva, V. L. da. (2021). A narrativa-encruzilhada de Dona Jovita: : "água que não para, de longas beiradas". RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i1.2115

Edição

Seção

Dossiê: - Povos e comunidades tradicionais, ancestralidade e decolonialidade