Os Huni Kuin entre o regime do seringal e o regime tutelar

Autores

  • Maria Ariádina Cidade Almeida Universidade Federal do Acre
  • Teresa Almeida Cruz Universidade Federal do Acre

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.638

Palavras-chave:

Acre, Agência Indígena, Huni Kuin.

Resumo

Desde fins do século XIX as populações indígenas do Acre foram tratadas como empecilho na extração da borracha, ou “ouro negro” como ficou conhecida. Os exploradores visando expulsar para longe os indígenas de seus próprios territórios e tornar estas terras colocações de seringais, organizavam expedições punitivas chamadas correrias, que consistia na matança de indígenas, com a captura de mulheres e crianças. As populações que sobreviveram a este morticínio permaneceram nos seringais como trabalhadores de um sistema que não apenas explorava a sua mão de obra, como também censurava toda forma de expressão cultural. Assim os indígenas atravessaram dois regimes o seringal, e o regime de tutela das políticas indigenistas, inicialmente como Serviço de Proteção ao Índio (SPI) e depois como Fundação Nacional do Índio (Funai). Na perspectiva do pensamento decolonial este trabalho procura evidenciar a agência indígena na superação da tutela no seringal e nas negociações políticas com a Funai que os Huni Kuin utilizaram para conquistar seu território. As fontes utilizadas são arquivos do Serviço Nacional de Informação (SNI) que pertencem ao projeto Memórias Reveladas.

Biografia do Autor

Maria Ariádina Cidade Almeida, Universidade Federal do Acre

Doutoranda em História pela Universidade Federal Fluminense e Professora de História

Os Huni Kuin entre o regime do seringal e o regime tutelar

da Universidade Federal do Acre

Teresa Almeida Cruz, Universidade Federal do Acre

Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Catarina e Professora Adjunta da Área de História na Universidade Federal do Acre

Referências

BALESTRIN, Luciana. América Latina e o giro descolonial. In: Revista Brasileira de Ciência Política, nº11. Brasília, maio - agosto de 2013, pp. 89-117.

BRAUDEL, Fernand. História e Ciências Sociais: a longa duração. In: Escritos sobre a História. São Paulo: Perspectiva, 1978.

DUSSEL, Henrique. Oito Ensaios Sobre Cultura Latino Americana e Libertação: Cultura

Imperial, Cultura ilustrada e libertação da Cultura Popular. São Paulo, Paulinas. 1997.

IGLESIA, Marcelo Manuel Piedrafita. Os Kaxinawás de Felizardo: correrias, trabalho e

civilização no Alto Juruá. Brasília: Paralelo: 2010.

KAXINAWÁ, Joaquim Paulo Maná, et al. Índios no Acre: História e organização. 2ª ed. Rio Branco: Comissão Pró-Índio do Acre, 2002.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Argentina, Ediciones del signo, 2010.

OLIVEIRA, João Pacheco. O nascimento do Brasil e outros ensaios: pacificação, regime

tutelar e formação de alteridades. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2016.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER,

Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino

Downloads

Publicado

19/02/2018

Como Citar

Almeida, M. A. C., & Cruz, T. A. (2018). Os Huni Kuin entre o regime do seringal e o regime tutelar. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.638

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo