Argentina em fins do século XIX e início do século XX: o campo intelectual na revista Criminalogia Moderna e sua relação com o projeto positivista

Autores

  • Hugo de Carvalho Quinta Universidade Federal da Integração Latino-americana (UNILA) http://orcid.org/0000-0002-6107-5861
  • Andrea Ciacchi Universidade Federal da Integração Latino-americana

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i02.234

Palavras-chave:

cultura, políticas culturais, intelectualidade

Resumo

Este artigo propõe-se a discutir o início da criminologia na Argentina de finais do século XIX e início do século XX, para compreender de que modo ela foi articulada durante o processo de consolidação do Estado-nação. Para atingir esse intento, faz-se uma reflexão do projeto de Estado desdobrado na perspectiva criminológica que está alicerçada no positivismo jurídico do período. O país foi vanguarda no interesse pela criminologia na medida em que alguns intelectuais-juristas publicaram inúmeros artigos sobre os estudos do crime no primeiro periódico de criminologia da Argentina, a revista Criminalogia Moderna, fundada, em 1898, e dirigida pelo professor, advogado e intelectual italiano, Pietro Gori. A partir de uma análise bibliográfica, vislumbra-se a influência de uma perspectiva sociológica europeia na criminologia argentina. O exame de alguns artigos publicados na revista indica como a criminologia fecundada na Europa fundamenta a intelectualidade bonaerense. Alguns autores vincularam a criminologia aos fenômenos sociais de uma nação cada vez mais industrializada, proletarizada, politizada e urbanizada.

Biografia do Autor

Hugo de Carvalho Quinta, Universidade Federal da Integração Latino-americana (UNILA)

Bacharel em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Especialização em Estudos Literários pela Universidade Nova de Lisboa (UNINOVA) e Mestrando do programa de Pós-graudação Interdisciplinar em Estudos Latino-americanos na Universidade Federal da Integração Latino-americana (UNILA).

Andrea Ciacchi, Universidade Federal da Integração Latino-americana

Sou professor da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), depois de ter sido docente na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Pará e professor de Antropologia no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal da Paraíba de 2000 a 2010. Antes (1994-1999), fui docente e pesquisador no Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da UFPB. Formado em Antropologia na Universidade de Roma "La Sapienza" (1984), conclui Mestrado em Letras na UFPB (1988), Doutorado em Estudos Ibéricos na Universidade de Bolonha (1993) e Pós-Doutorado no Departamento de Antropologia da UNICAMP (2005-2007). A minha formação "dupla" (Literatura e Antropologia) tem me levado ao estudo de várias formas de cultura e literatura popular, à pesquisa de histórias e narrativas locais e orais de grupos subalternos do Nordeste brasileiro, de memórias e narrativas e, mais tarde, ao campo da antropologia das populações tradicionais, sobretudo das que moram e trabalham em áreas úmidas. A partir da experiência acumulada em projetos de pesquisa e de extensão desenvolvidos em comunidades pesqueiras do litoral da Paraíba, do Rio Grande do Norte e de Pernambuco, participei também de projetos em parceria com colegas de outras áreas de conhecimento (ecologia e biologia marinha) e com o IBAMA, que visaram a implementação de áreas de preservação social e ambiental. Atualmente, após a conclusão do pós-doutorado no Depto. de Antropologia da Unicamp, tendo conduzindo uma pesquisa voltada para o campo da antropologia da pesca no Brasil, estou concluindo um trabalho sobre a trajetória intelectual de Gioconda Mussolini. Nessa perspectiva, estou atuando agora no campo da história intelectual e do pensamento antropológico em particular. Meus interesses atuais de pesquisa voltam-se para trajetórias de intelectuais e artistas e perfis de instituições culturais latino-americanas (revistas, museus, academias, universidades etc.). Tenho lecionado e orientado mestres e doutores nos Programas de PG em Letras e em Sociologia da UFPB, em linhas de pesquisas como "Memória e Produção Cultural" e "Sociologia da Cultura". Entre 2011 e 2013 fui docente do Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia (PPGLS), no campus de Bragança da UFPA. Desde 2013 sou docente permanente do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos (IELA), sendo atualmente o seu Coordenador, e, desde 2015, do Programa de Pós-Graduação em Literatura Comparada, aqui na UNILA. Fui membro da Comissão de Direitos Humanos da UFPB e da Comissão de Direitos Humanos da Associação Brasileira de Antropologia.

Referências

ALTAMIRANO, Carlos (org.). Historia de los intelectuales en América Latina. II. Los juristas como intelectuales y el nacimiento de los estados naciones en América Latina. Buenos Aires: Katz, 2010.

BOURDIEU, Pierre. “Campo intelectual e projeto criador”. In: POUILLON, J. et. al. (orgs.). Problemas do estruturalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1968. pp. 105-145.

CHATTERJEE, Partha. “Nacion y Nacionalismo”. La nación en tiempo heterogéneo. Lima: EEP, 2007. p. 60.

CODES, Rosa María Martínez de. “El positivismo argentino: una mentalidad en tránsito en la Argentina del Centenario”. Quinto centenario, n. 14, Editora Universidad Complutense: Madrid, 1988.

CRIMINALOGIA MODERNA, “Guerra al delito”, “Crónica Judicial: el proceso Etchegaray” e “Pro Scientia”, Buenos Aires, 1, 1898.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a Organização da Cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do Poder, eurocentrismo e América Latina”. Red de bibliotecas virtuales de ciencias sociales de América Latina y el Caribe, de la red de cientros miembros de CLASCO. Disponível em: <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/lander/pt/Quijan.rtf>. Acesso em 10 de ago. de 2015.

SCHWARCZ, Lilian Mortiz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SURIANO, Juan. Anarquistas: cultura y política libertaria en Buenos Aires – 1890-1910. Buenos Aires: Ediciones Manantial SRL, 2001.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

ZARAGOZA, Gonzalo. Anarquismo Argentino (1876 – 1902). Madrid: Ediciones de la Torre, 1996.

Downloads

Publicado

21/10/2016

Como Citar

Quinta, H. de C., & Ciacchi, A. (2016). Argentina em fins do século XIX e início do século XX: o campo intelectual na revista Criminalogia Moderna e sua relação com o projeto positivista. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(02), 57–67. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i02.234

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo