O Processo de medicalização da natureza

Transtorno do Déficit de Natureza e governo de condutas

Autores

  • Thaís Presa Martins Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Nádia Geisa Silveira de Souza Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v8i2.2251

Palavras-chave:

Transtorno do Déficit de Natureza, Medicalização da natureza, Relação humano e natureza, biopoder, Estudos culturais

Resumo

Os sujeitos e a “natureza” são tomados enquanto produções culturais, imbricadas a relações de saber/poder, ancoradas em regimes de verdade, que, ao nos interpelarem, constroem as nossas subjetividades. Olha-se para a produtividade da criação e da circulação do “Transtorno do Déficit de Natureza” (TDN). Esse termo/objeto foi cunhado no livro “Last Child in the Woods” (2005) ou “A Última Criança na Natureza” (2016) –, referindo-se a problemas de saúde decorrentes da falta de contato com a “natureza”. Analisam-se prescrições médicas, ditos tomados como “verdades”, acerca da recomendação de condutas para médicos pediatras e para famílias, com a finalidade de produzir sujeitos “saudáveis” através de mais quantidade/qualidade de contato com a “natureza”; veiculadas pelo manual “Benefícios da Natureza no Desenvolvimento de Crianças e Adolescentes” (2019). O embasamento teórico-metodológico do estudo pautou-se pelo campo dos Estudos Culturais, em suas vertentes pós-estruturalistas, com inspiração nos estudos foucaultianos. Atentaram-se para as ferramentas analíticas – subjetividade, relações de saber/poder, regime de verdade, disciplina, biopolítica, biopoder, governo de condutas, dispositivo , produtivas para pensar sobre “natureza” e saúde/doença. O livro e o manual citados integram o “Dispositivo do TDN”, utilizando-se da “natureza” como estratégia de prevenção/promoção de saúde para governar condutas individuais e populacionais; como objeto de medicalização dos sujeitos, e como tática contemporânea do biopoder. 

Biografia do Autor

Thaís Presa Martins, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora e Mestra em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil; tpmmartins@gmail.com

Nádia Geisa Silveira de Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora e Mestra em Ciências Biológicas (Bioquímica) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil; nadiagssouza@gmail.com

Referências

ALANA. Sobre Nós. 2021a. Disponível em: https://alana.org.br/saiba-mais/. Acesso em: 04 mai. 2022.

ALANA. Criança e Natureza. 2021b. Disponível em: https://alana.org.br/project/crianca-e-natureza/. Acesso em: 04 mai. 2022.

BECKER, D.; SOLÉ, D.; TING, E.; EISENSTEIN, E.; MARTINS FILHO, J.; FLEURY, L.; SILVA, L. R.; BARROS, M. I. A.; GHELMAN, R.; WEFFORT, V. R. S. Benefícios da Natureza no Desenvolvimento de Crianças e Adolescentes – manual de orientação: grupo de trabalho em saúde e natureza. 2019. 26p. Disponível em: https://criancaenatureza.org.br/acervo/beneficios-da-natureza-no-desenvolvimento-de-criancas-e-adolescentes/. Acesso em: 04 mai. 2022.

CZERESNIA, D. O conceito de saúde e diferença entre prevenção e promoção. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. (Org.). Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2003, p. 39-53.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica – para além do estruturalismo e da hermenêutica. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. MACHADO, R. (Org., Trad., Rev. Tec.). 3 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015, 431p.

FOUCAULT, M. Ditos e Escritos, volume V: ética, sexualidade, política. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2017, 325p.

LOUV, R. A Última Criança na Natureza: resgatando nossas crianças do transtorno do déficit de natureza. AZUMA, A.; BELHASSOF, C. (Trad.). 1 ed. São Paulo: Aquariana, 2016, 412p.

MARTINS, T. P. As Naturezas de Natura Ekos: vídeos publicitários constituindo consumidores “sustentáveis”. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências) – Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/143381. Acesso em: 04 mai. 2022.

MARTINS, T. P. O Dispositivo do Transtorno do Déficit de Natureza: um estudo sobre a importância do contato com a “natureza” para a saúde dos sujeitos. 2022. Tese (Doutorado em Educação em Ciências) – Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2022.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Histórico. 2021. Disponível em: https://www.sbp.com.br/capa-teste/institucional/a-sbp/. Acesso em: 04 mai. 2022.

VEIGA-NETO, A. Michel Foucault e os Estudos Culturais. In: COSTA, M. V. (Org.). Estudos Culturais em Educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema... Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 2000.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

Martins, T. P., & Souza, N. G. S. de. (2022). O Processo de medicalização da natureza: Transtorno do Déficit de Natureza e governo de condutas. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 8(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v8i2.2251

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo