Educação Ambiental para a Saúde – Atividades Interdisciplinares entre o Ensino de Ciências e o de Línguas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v8i1.2229

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Educação para a saúde, Ensino de Ciências

Resumo

A interdisciplinaridade aprofunda a compreensão das Ciências, bem como dos processos de ensino e aprendizagem na Educação Ambiental formal. A interação entre as áreas é pertinente ao desenvolvimento de todos os campos do conhecimento científico e acadêmico. Uma das funções da Educação é a de preparar o indivíduo para a vida em sociedade. A sociedade relaciona-se com o ambiente, retirando do mesmo a sua subsistência por meio da apropriação dos recursos naturais materiais e energéticos, degradando as condições de equilíbrio ambiental, em função da produção contínua de bens de consumo e energia em grande escala. Tais desequilíbrios constituem-se em impactos ambientais que resultam ser deletérios aos ecossistemas, inclusive no atinente à saúde humana. É incontestável a importância de concatenar os saberes acadêmicos com as questões ambientais. A sustentação das sociedades depende da manutenção adequada das condições vitais da biodiversidade e dos ecossistemas naturais, pois as comunidades humanas são dependentes dos seus ambientes ecológicos de entorno. Assim, uma das iniciativas possíveis para o Ensino de Ciências em direção à sustentabilidade é correlacionar às questões ambientais e de saúde ao ensino de línguas. Tais ações poderiam incrementar a interdisciplinaridade, por meio da integração com a Educação Ambiental e Educação para a saúde, considerando-se que a Educação para a saúde, em sentido amplo, pode ser compreendida como um ramo da Educação Ambiental.

Biografia do Autor

Ronualdo Marques, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Mestre em Ensino de Ciências no Programa de Mestrado em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (PPGFECT-UTFPR); Especialização em Educação Especial pela Faculdades Integradas do Vale do Ivaí (UNIVALE); Especialização em Educação e Gestão Ambiental pela Faculdades Integradas do Vale do Ivaí (UNIVALE); Especialização em Gestão Pública Municipal pela UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR); Especialização em Filosofia Contemporânea pela Faculdade de Administração, Ciências, Educação e Letras (FACEL). Graduando em Pedagogia no Centro Universitário Internacional (UNINTER). Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO).

Carlos Eduardo Fortes Gonzalez, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutor em Educação pela Universidad de la Empresa, Montevideo, com título reconhecido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Tem Pós-doutorado pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Referências

ADLONG, W.; DIESTSCH, E. Environmental education and the health professions: framing climate change as a health issue. 2014. Disponível em

<http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13504622.2014.930727>. Acesso em 30 de agosto de 2021.

BASTOS, N. B. Perspectivas interculturais no ensino de línguas no Brasil. In: LUNA, J. M. F. Educação e linguística: ensino de línguas. Itajaí – SC: UNIVALI, 2007.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei n.  9795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre Educação Ambiental, institui a política nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília: Imprensa Nacional, 1999.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Subsídios para construção da Política Nacional de Saúde Ambiental. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

FOUREZ, G. Crise no Ensino de Ciências? Investigações no Ensino de Ciências. Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 109-123, 2003.

HERNÁNDEZ, J. C. C. La educación ambiental como factor determinante para mejorar programas de prevención y promoción de la Infección respiratoria aguda (IRA). 2011.

Disponível em <https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/3801141.pdf>. Acesso em 3 de setembro de 2021.

MARTÍNEZ, S. Reducionismo em biologia: uma tomografia da relação biologia-sociedade, in ABRANTES, P. (org.) Filosofia da Biologia. Porto Alegre: Artmed, 2011.

MILLER, G. T. Ciência ambiental. São Paulo: Thompson Learning, 2007.

PAVIANI, J. Interdisciplinaridade: conceitos e distinções. Caxias do Sul: EDUCS, 2008.

PEREIRA, C. A. R., MELO, J. V., FERNANDES, A. L. T. A educação ambiental como estratégia da Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 7, n. 23, p. 108-116, 2012.

PHILIPPI JR., A. Saneamento, saúde e ambiente: fundamentos para um desenvolvimento sustentável. São Paulo: Manole, 2005.

SOUZA, I. P.; JACOBINA, R. R. Educação em saúde e suas versões na história brasileira. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 33, n. 4, p. 618-627, 2009.

VASCONCELOS, E. M. Redefinindo as práticas de Saúde a partir de experiências de Educação Popular nos serviços de saúde. Interface (Botucatu-SP), v. 5, n. 8, p. 121-126, 2001.

VILCHES, M. L. C. Language and literature: the inseparable interface, The English Teacher, Vol. 4, n. 2, p. 136-145, 2001.

Downloads

Publicado

15/04/2022

Como Citar

Marques, R., & Gonzalez, C. E. F. (2022). Educação Ambiental para a Saúde – Atividades Interdisciplinares entre o Ensino de Ciências e o de Línguas . RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 8(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v8i1.2229

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo