Educação e prática decolonial

uma ferramenta político-pedagógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i2.2128

Palavras-chave:

Pedagogia Decolonial, Educação Histórica, Educação

Resumo

Este trabalho pretende pensar e coadunar uma prática educativa emancipatória com a Educação Histórica e com o pensamento decolonial, com auxílio da pedagogia freiriana. Sendo assim, intenta-se objetivar novos rumos curriculares, pedagógicos e didáticos por meio da revisão bibliográfica. Nesse sentido, atentando-se às insurgências existentes, desde os movimentos sociais ou de grupos que buscam ocupar espaços, nota-se que a problemática é trazer sujeitos subalternizados aos espaços hegemônicos possibilitando a transformação social, o que perpassa o âmbito acadêmico e escolar. Pensar no currículo enquanto construção social envolta e construída por perspectivas dos grupos hegemônicos, permite pensá-lo como projeto de poder e domínio, apresentando sujeitos que fazem parte da pesquisa, não sendo apenas objeto das mesmas, possibilitando ampliar a margem de acesso aos espaços historicamente excludentes e hegemônicos. Portanto, é nessa perspectiva que se pretende vislumbrar o parâmetro da desobediência epistêmica, desconstruindo saberes e pensando a partir da colonialidade do poder, do saber e do ser, tendo em mente uma genealogia que é pluriversal, e não universal, como a “racionalidade” eurocêntrica pretendera e fingira ser. Em suma, trata-se de se engajar na desconstrução paralelamente a uma construção curricular que inclua e pense de forma “multiperspectivada”. Isto posto, evidencia-se que o universalismo ocidental, proposto como única solução para os desafios, mostra-se excludente; a perspectiva aqui exposta resiste à busca de formas holísticas de explicação social.

Biografia do Autor

Kelvin Oliveira do Prado, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Mestrando em Literatura e Cultura (PPGLitCult) pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Membro do grupo de pesquisa: "Ensino de História - Sujeitos, Práticas e Livro Didático" no Laboratório de Estudo e Pesquisa em Ensino de História (LAPEH/UESB). E-mail: kelvinprado5@hotmail.com

Referências

ABREU, WALDIR F. de; DIAS, Alder. Por uma didática decolonial: aproximações teóricas e elementos categoriais. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 19, n. 62, p. 1216-1233, jul./set. 2019.

ABUD, Kátia Maria. Processos de construção do saber histórico escolar. História & Ensino. Londrina, v. 11, jul. 2005.

AMIN, Samir. El eurocentrismo: crítica de una ideología. Mexico, Siglo Veintiuno Editores, 1989.

APPLE, Michael. Ideologia e Currículo. São Paulo: Brasiliense, 1982.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, nº11. Brasília, pp. 89-117, maio - agosto de 2013.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996. BRASIL.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução: Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves; Belo Horizonte, Editora: UFMG, 1998.

CANDAU, Vera Maria. Diferenças, educação intercultural e decolonialidade: temas insurgentes. Rev. Espaço do Currículo (online), João Pessoa, v.13, n. Especial, p. 678-686, dez., 2020.

CEREZER, Osvaldo Mariotto. Desafios do tempo presente: educação e diversidade cultural. In: Ensino de História: memória e identidade / Mairon Escorsi Valério; Halferd Carlos Ribeiro Júnior (Orgs.) Jundiaí, Paco Editorial: 2016.

DEL ROIO, Marcos. Gramsci e a emancipação do subalterno. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, 29, p. 63-78, nov. 2007.

DERRIDA, Jacques. O olho da universidade. Introdução de Michel Peterson, tradução de Ricardo Iuri Canko e Ignacio Antonio Neis. São Paulo: Estação Liberdade, 1999.

DURKHEIM, Emile. Educação e Sociologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17º. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

____________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo crítico. Tradução: Bedel Orofino Schaefer, 3. ed, São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 1997.

MIGNOLO, Walter. História locais, projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte, Brasil: UFMG, 2003.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. Tradução do francês: Eliane Lisboa - Porto Alegre: Ed. Sulina, 2005.

NERY, Vitor S. C.; NERY, Cristiane do S.; DIAS, Alder de S. Decolonizar a História da Educação: contribuições teóricas dos estudos subalternos e do pensamento decolonial. History of Education in Latin America - HistELA, v. 3, p. 1-17, 2020.

SAID, Edward W. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, descolonización del Estado y del conocimiento. Catherine Walsh: García Linera: Walter Mignolo - In ed. Buenos Aires: Del Signo. 2006.

Arquivos adicionais

Publicado

09/10/2021

Como Citar

Prado, K. O. do . (2021). Educação e prática decolonial: uma ferramenta político-pedagógica. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i2.2128

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo