A Educação Ambiental Crítica e suas relações com as Ações Afirmativas

Autores

  • Daniele Barros Jardim Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Humberto Calloni Universidade Federal do Rio Grande - FURG

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i0.1682

Palavras-chave:

Educação Ambiental Crítica, Ações Afirmativas, Transformação Social

Resumo

Esta escrita possui como objetivo refletir sobre o que é Educação Ambiental Crítica e suas relações com as Ações Afirmativas, pois entendemos que a Educação Ambiental - EA é uma das vias para ocorrer o desenvolvimento de uma transformação social. Para tanto realizamos uma revisão bibliográfica a fim de interpretar estas relações, utilizando autores como Sauvé (2005), Loureiro (2004) e Fonseca (2009). Dessa forma, as Ações Afirmativas encontra-se intrinsicamente relacionadas à proposta de Política Nacional de Educação Ambiental (1999), uma vez que suas ações destinam-se a assegurar, mediante a educação, a integração das múltiplas dimensões da sustentabilidade como: ambiental, ética, cultural, econômica, espacial e política.

Biografia do Autor

Daniele Barros Jardim, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Mestra em Educação Ambiental. Doutoranda em Educação Ambiental (PPGEA/FURG) e Técnica em Educação/ Pedagoga (FURG)

Humberto Calloni, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutor em Educação. Docente do Instituto de Educação-IE e do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental – PPGEA (FURG)

Referências

BOBBIO, Norberto. Elogio da Serenidade e outros escritos morais. Tradução Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

BRASIL. Rio 92: Tratado de EA para sociedades sustentáveis e responsabilidade global. Rio de Janeiro, 1992. Disponível em https://www.pensamentoverde.com.br/sustentabilidade/tratado-educacao-ambiental-sociedades-sustentaveis-responsabilidade-global/ , acesso em 10 de dezembro de 2017.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental. Lei nº 9795/1999, de 27 de abril de 1999, que dispõe sobre a educação ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF. Disponível em http://www.planalto.gov.br/CCIVil_03/LEIS/L9795.htm , acesso em 01 de outubro de 2017.

BRASIL. Diretrizes curriculares da Educação Ambiental. Resolução Nº 2, de 15 de Junho de 2012. Disponível em: http://conferenciainfanto.mec.gov.br/images/conteudo/iv-cnijma/diretrizes.pdf , acesso em 05 de dezembro de 2017.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2012/lei-12711-29-agosto-2012-774113-publicacaooriginal-137498-pl.html, acesso em 01 de dezembro de 2015.

CARSON, Rachel. Primavera silenciosa. São Paulo: Melho¬ramentos, 1969.

ESTOCOLMO. Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano – 1972. Disponível em: https://www.apambiente.pt/_zdata/Politicas/DesenvolvimentoSustentavel/1972_Declaracao_Estocolmo.pdf, acesso em acesso em 10 de dezembro de 2017.

FONSECA, Dagoberto José da. Políticas públicas e Ações afirmativas. São Paulo: Selo Negro, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GADOTTI, Moacir. Educação e poder: Introdução à Pedagogia do Conflito. São Paulo: Ed. Cortez. 9 ed, 1989.

GUIMARÃES, Mauro. A formação de educadores ambientais. Campinas, SP: Papirus (Coleção Papirus Educação) 2004, 171 p.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. Educação Ambiental com compromisso social: o desafio da superação das desigualdades. In: Repensar a Educação Ambiental: um olhar crítico. São Paulo: Cortez, 2009.

LEFF, Enrique. Epistemologia Ambiental. 5ed. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

LEFF, Enrique. Racionalidade Ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LEFF, Enrique. Discursos sustentáveis. São Paulo: Cortez, 2010.

LOUREIRO, Carlos Frederico. Trajetórias e Fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

LOUREIRO, Carlos Fraderico; LAYRARGUES, Philippe Pomier. A Educação Ambiental nos anos 90: mudou, mas nem tanto. Políticas Ambientais. Vol 9, n 25. Rio de Janeiro, 2000.

MINAYO, Marília Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde.(12ª edição). São Paulo: Hucitec-Abrasco, 2010.

PEREIRA, Vilmar Alves. Ecologia Cosmocena: a redefinição do espaço humano no cosmos. 1 ed. Juiz de Fora, MG: GARCIA Edizioni, 2016.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em Educação Ambiental. In: SATO, Michele; CARVALHO, Isabel (orgs.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005, p. 18 - 44.

TBILIZI. Recomendações da Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental aos Países Membros (Tbilisi, CEI, de 14 a 26 de outubro de 1977). Disponível em: http://www.meioambiente.pr.gov.br/arquivos/File/coea/Tbilisi.pdf

VASCONCELLOS, H. S. R. A pesquisa-ação em projetos de Educação Ambiental. In: PEDRINI, A.G. (org.). Educação Ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. 5ed. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 260-289.

Downloads

Publicado

28/05/2020

Como Citar

Jardim, D. B., & Calloni, H. (2020). A Educação Ambiental Crítica e suas relações com as Ações Afirmativas. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6. https://doi.org/10.23899/relacult.v6i0.1682

Edição

Seção

Dossiê: X Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental (EDEA)