Variação semântico-lexical na fala de Tucuruí e suas contribuições para o ensino de Língua Portuguesa

Autores

  • Cecilia Maria Tavares Dias SEDUC-PA SECRETARIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E CULTURA - PA)
  • Eliane Pereira Machado Soares Unifesspa ( Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i2.1635

Palavras-chave:

cultura, artes, Ciências Humanas

Resumo

Este artigo apresenta um estudo realizado em uma escola pública da cidade de Tucuruí, município do sudeste paraense, sobre a variação lexical na fala de moradores dessa localidade.  Para a realização do trabalho, desenvolveu-se um projeto de pesquisa a partir de um projeto de intervenção pedagógica , utilizando-se a metodologia da  pesquisa-ação, em que alunos participaram ativamente da coleta  de  dados com  a aplicação de questões  do ALiB, com o objetivo de identificar as variações lexicais existentes na fala de antigos moradores.  O embasamento teórico remete aos postulados da Sociolinguística. Os resultados obtidos registram a riqueza semântico-lexical da região, a qual é apresentada num glossário, que é o produto  do processo da intervenção.  Dessa forma, espera-se contribuir para o o reconhecimento da variação linguística no ensino de língua, bem como para o conhecimento e o fortalecimento da formação da identidade cultural do povo dessa região.

Biografia do Autor

Cecilia Maria Tavares Dias, SEDUC-PA SECRETARIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO E CULTURA - PA)

Mestra em Letras pela UNIFESSPA (Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará); doutoranda em Estudos linguísticos pela UFPA (Universidade Federal do Pará). Professora de Língua Portuguesa na 16ª Unidade Regional de Ensino (URE- SEDUC/PA) End.: Rua A, 30-9, Bairro: Matinha. Tucuruí - Pará. CEP.: 68.458.640. E-mail: ceciliatavaresdias@gmail.com

 

Eliane Pereira Machado Soares, Unifesspa ( Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará)

 Doutorado em Lingüística pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora de Linguística da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa). End.: Folha 31 Quadra 07, Lote especial, s/n-Bairro: Nova Marabá – Marabá-Pará. CEP 68507590. Email: eliane@unifesspa.edu.br

Referências

ALKMIM, T. M. Sociolinguística. In: MUSSALIM, F., BENTES, A. B. (Org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001ª. p. 23-50.

___________________. Sociolinguística. In: In: MUSSALIM, F., BENTES, A. B. (Org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. volume 1. 9.ed.rev. São Paulo: Cortez, 2012b. p. 23-50.

BAGNO. M. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola, 2007. 240 p.

______________. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 49. ed. São Paulo: Loyola, 2007. 352 p.

BORTONI-RICARDO, S. M. Manual de sociolinguística. São Paulo: Editora Contexto, 2014. 192 p.

COMITÊ Nacional do Projeto ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: questionários 2001. Londrina: UEL, 2001. 47 p.

DIAS, C. M. T. Aplicação do Questionário Piloto de Base Semântico-Lexical do Estado do Pará/1997 . 2001. 71 f. Trabalho de Conclusão ( Graduação em Letras) -Universidade Federal do Pará. Disponível em: http://www.ufpa.br/alipa/tcc/tcc_cecilia.PDF. Acesso em: 05 fev. 16.

_______________. Variação lexical na sala de aula: uma proposta sociolinguística. 2016. Curitiba: Appris, 2018. 119 p.

_______________. Variação semântico-lexical de Tucuruí e suas contribuições para o ensino de língua portuguesa. 2016. 244 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras) - Instituto de Letras e Artes, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, Marabá. 2016.

FAULSTICH, E.L. de J. Como ler, dissertação de Mestrado entender e redigir um texto. Petropólis, Vozes , 2003. 68 p.

KOCK, I. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2001. 124p.

LEFFA, V. J. Aspectos Externos e Internos da Aquisição Lexical. In: ¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬__________ (Org.) As Palavras e sua Companhia: o léxico na aprendizagem das línguas. Pelotas: Educat, 2000. p. 15-44.

NIDA, Eugene. Morphology. 2. ed. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1949. 360 p.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1996. 96 p.

VALADARES, F. B.; BERTOZZI, A. L. G. Estrangeirismos em propagandas de revistas brasileiras: usos/abusos?! Revista DOMÍNIOS DE LINGU@GEM, v. 9, n. 5, p. 247-265, dez. 2015. ISSN 1980-5799. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem. Acesso em: 10 out. 2016.

Downloads

Publicado

26/09/2019

Como Citar

Tavares Dias, C. M., & Pereira Machado Soares, E. (2019). Variação semântico-lexical na fala de Tucuruí e suas contribuições para o ensino de Língua Portuguesa. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i2.1635

Edição

Seção

Dossiê - Léxico, cultura e identidade