A educação fora do espaço prisional: um olhar dos professores do curso popular Cultura da Paz

Autores

  • Peterson Fernando Kepps Silva Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
  • Cristiane Da Cunha Alves FURG
  • Samanta Costa Calcagno FURG

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1330

Palavras-chave:

professores, cultura da paz, pessoas presas, educação.

Resumo

O aumento da população presidiária no Brasil é alarmante, em números totais o país ocupa a terceira colocação com maior população presidiária. Além disso, a conjuntura precária e deficiente que o sistema prisional brasileiro apresenta, como superlotação, que unida à estrutura precária das instalações e a falta de profissionais no espaço prisional, dificultam a ressocialização dos indivíduos. Em meio a este cenário, emerge o curso popular pré-universitário Cultura da Paz. O curso é vinculado a um projeto de extensão da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Este trabalho visa investigar as percepções dos educadores que atuaram nos anos de 2016 e 2017 no curso Educacional Cultura da Paz. Para tanto, realizamos um questionário com três perguntas: 1) Como foi sua experiência enquanto Educador do contexto Cultura da Paz?; 2) Descreva alguma experiência, momento e/ou atividade, junto aos estudantes, que lhe marcou; 3) Por que você escolheu dar aula no contexto Cultura da Paz?. Cinco professores responderam ao questionário. Objetivamos tencionar as discussões no que concerne à educação escolar no sistema prisional e o quanto pode ser produtiva estas ações para a construção de uma sociedade mais igualitária. Informamos que o questionário foi aplicado no segundo semestre de 2018 e, posteriormente analisado de acordo com cada questão. Podemos concluir que os educadores têm preocupação, dedicação e compreensão de que a educação é uma possibilidade de crescimento pessoal, e social das pessoas que estão cumprindo pena prisional. Dessa forma, as aulas do curso Cultura da Paz proporcionou um amadurecimento como ser humano e como profissional para os educadores. As trocas entre educadores e estudantes foram intensas demonstrando o quão positivo foi o envolvimento desses com as atividades propostas. E por fim, os momentos em coletivo proporcionaram um espaço para o diálogo e para que expusessem sua bagagem pessoal sobre os temas trabalhados.

Biografia do Autor

Peterson Fernando Kepps Silva, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Professor de Ciências e Biologia licenciado pela Universidade Federal do Rio Grande, Especialização em Educação com Ênfase nos Ensinos Fundamental II e Médio, Mestre em Educação em Ciências, pesquisando o ensino de Ciências e as radiações solares (especificamente a ultravioleta) no viés da Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS). Atualmente participa do projeto Ciência Contemporânea no Sul, divulgando a temática das radiações solares nas escolas da região; é professor de Ciências da rede municipal de Pelotas e aluno de doutorado do PPG em Educação em Ciências da FURG, atuando no Grupo de Pesquisa em Educação em Ciência (PEmCie). Participou do projeto de extensão da FURG: Curso pré-universitário popular Quinta Superação e Cultura da Paz como professor da disciplina de Biologia, sendo neste último coordenador do curso.

Cristiane Da Cunha Alves, FURG

Mestre em educação em ciências.

Samanta Costa Calcagno, FURG

Mestre em Educação em Ciências

Referências

AGUIAR, A. Educação de Jovens e Adultos privados de liberdade: perspectivas e desafios. Paidéia r. do cur. de ped. da Fac. de Ci. Hum. e Soc. v. 1, n. 6, p. 101-121, jul./dez. 2009. Disponível em: http://www.fumec.br/revistas/paideia/article/view/953/725. Acesso em: 08 out. 2017.

BRASIL; Lei N° 7.210, de 11 de Julho de 1984. Lei das Execuções Penais-LEP. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210.htm. Acesso em: 14 setembro 2018.

BRASIL, Portal Brasil. 2012. Levantamento mostra escolaridade dos presidiários no País. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/educacao/2012/04/levantamento mostraescolaridade-dos-presidiarios-no-pais. Acesso em: 14 setembro 2018.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

BRASILIA, Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional, 2014 Levantamento de Informações penitenciárias (INFOPEN). Disponível em: http://www.justica.gov.br/news/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf. Acessado em: 14 setembro 2018.

BRASILIA, Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional, 2017 Levantamento de Informações penitenciárias (INFOPEN). Disponível em: http://www.justica.gov.br/news/ha-726-712-pessoas-presas-no-brasil/relatorio_2016_junho.pdf. Acesso em: 14 setembro 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2007. 144 p.

SARTRE, J.P. O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril, 1978. 88 p.

SILVA, L. H. A. & Zanon, L. B. A experimentação no ensino de ciências. In Aragão, R. M. R. & Schnetzler, R. P. (Org.). Ensino de ciências: fundamentos e abordagens. Piracicaba: UNIMEP/CAPES, 2000. p.120-153.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Silva, P. F. K., Alves, C. D. C., & Calcagno, S. C. (2019). A educação fora do espaço prisional: um olhar dos professores do curso popular Cultura da Paz. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1330

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar