Empoderamento de crianças negras com o brinquedo-infográfico “Pretinhos do Poder!”

Autores

  • Raphael Henrique do Rosário Gonçalves Graduando em Design Gráfico (Bacharel); Universidade Federal de Pelotas – UFPEL; Pelotas, Rio Grande do Sul
  • Ana da Rosa Bandeira Doutora em Comunicação e Informação; Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS; Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1301

Palavras-chave:

Brinquedo, infográfico, empoderamento, crianças negras, design da informação

Resumo

Este trabalho tem como intuito demonstrar o processo e as escolhas de técnicas adequadas para o desenvolvimento do brinquedo-infográfico “Pretinhos do poder!”, desenvolvido como proposta de trabalho final para a disciplina de Design da Informação do curso de Design Gráfico. Em busca de referências de infográficos voltados para o público negro na internet, os principais resultados encontrados versaram sobre a violência contra a população negra, número de negros no mercado de trabalho, índice de escolaridade de negros, etc. Na busca de um viés diferenciado, surgiu a proposta de trabalhar o empoderamento de crianças negras e a aceitação de seus respectivos cabelos. Com base nos dados estatísticos levantados, foi confirmada a ideia de que o projeto do brinquedo-infográfico deveria ser focado para crianças, com o intuito das mesmas se identificarem com os personagens, mas também com informações para os pais educarem seus filhos. Então, com um tema estabelecido, uma pesquisa mais elaborada foi realizada além de um briefing, buscando traçar quais as necessidades primordiais do projeto. A consulta ao público foi realizada na Escola Municipal de Ensino Fundamental Santa Irene, Pelotas - RS, com uma amostragem definida por acessibilidade. Foram consultados 13 alunos, com idades entre 8 e 11 anos. Foi possível observar, com o projeto deste infográfico, a importância de aplicar um conteúdo de grande relevância em um material com potencial didático.

Biografia do Autor

Raphael Henrique do Rosário Gonçalves, Graduando em Design Gráfico (Bacharel); Universidade Federal de Pelotas – UFPEL; Pelotas, Rio Grande do Sul

Graduando em Design Gráfico (Bacharelado) na Universidade Federal de Pelotas (UFPEL); Técnico em Web Design pela Fundação de Ensino de Contagem (FUNEC); Bolsista em Programa de Educação Tutorial - Grupo de Ação e Pesquisa em Educação Popular (PET - GAPE).

Ana da Rosa Bandeira, Doutora em Comunicação e Informação; Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS; Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Doutora em Comunicação e Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCom/UFRGS), na linha Mediações e Representações Culturais e Políticas, sob orientação da Profa. Dra. Ana Claudia Gruszynski. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (2007). Graduada em Artes Visuais - hab. Design Gráfico pela Universidade Federal de Pelotas (1999-2002), e graduada em Comunicação Social - hab. Publicidade e Propaganda pela Universidade Católica de Pelotas (2000-2005). Técnica em Desenho Industrial pela Escola Técnica Federal de Pelotas (1994-1997). Foi professora substituta do curso de Artes Visuais - hab. Design Gráfico da UFPel, de 2004 a 2005. Trabalhou durante 2 anos e meio (de julho de 2007 a novembro de 2009) como diagramadora no Jornal Diário Popular (Gráfica Diário Popular Ltda.), fazendo parte da Editoria de Arte do jornal. Neste período (de setembro de 2008 a agosto de 2009) foi uma das responsáveis pelo redesign do projeto gráfico do Diário Popular de Pelotas. Tem experiência na área de Design Gráfico, com ênfase em Design Editorial (área em que atua há mais de 20 anos). É professora adjunta dos cursos de Design Gráfico e Design Digital, no Centro de Artes da UFPel desde dezembro de 2009, onde atua nas áreas de Ensino, Extensão e Pesquisa, com ênfase em Design Editorial, Design da Informação e Teoria e Crítica do Design. Entre 2011 e 2013 atuou também como Coordenadora dos Cursos de Design Gráfico e Digital.

Referências

GIL, Antonio Carlos. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GROSSENBACHER, Peter G.; Mechanisms of synesthesia: cognitive and physiological constraints. Disponível em: http://www.daysyn.com/GrossenbacherLovelace2001.pdf. Acesso em: 29/08/2018

LUPTON, Ellen; PHILLIPS, Jennifer. Novos fundamentos do design. São Paulo:Cosac Naify, 2008.

VISOCKY O'GRADY, Jennifer; VISOCKY O'GRADY, Kenneth. The information design handbook. Ohio: How Books, c2008. 223 p. ISBN 160061048X.

Dicionário Michaelis. Brienfing. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/busca?id=RKxd>. Acesso em: 08/2018

L’oréal Brasil. Especialista em tipos de pele e cabelos do mundo inteiro. Disponível em: <http://www.loreal.com.br/pesquisa-,-a-,-inova%C3%A7%C3%A3o/diversidade-que-inspira-a-ci%C3%AAncia/especialista-em-tipos-de-pele-e-cabelos-do-mundo-inteiro>. Acesso em: 06/2018

O Globo. O Globo: Os detalhes dos oito tipos de cabelo do mundo. Disponível em: <https://infograficos.oglobo.globo.com/economia/os-tipos-de-cabelo-no-mundo/tipos-7-e-8-6815.html#description_text>. Acesso em: 06/2018

ONU BR. Uso do cabelo afro é ato político, dizem blogueiras e especialistas em beleza. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/uso-do-cabelo-afro-e-ato-politico-dizem-blogueiras-e-especialistas-em-beleza/>

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Gonçalves, R. H. do R., & Bandeira, A. da R. (2019). Empoderamento de crianças negras com o brinquedo-infográfico “Pretinhos do Poder!”. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1301

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar