A aprendizagem através do Funk nas medidas socioeducativas: Relato de experiência realizada no Centro de Atendimento Socioeducativo (CASE) Santa Maria/RS

Autores

  • Alícia de Oliveira Gonçalves Universidade Federal de Santa Maria
  • Jane Schumacher Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1258

Palavras-chave:

Cultura, Educação Emancipadora, Funk, Juventude, Medidas Socioeducativas.

Resumo

O Funk é uma das maiores expressões culturais dos estilos de vida e realidade da juventude das periferias brasileiras. Esta juventude na maioria das vezes enfrenta realidades de vulnerabilidade social e violência, o que muitas vezes contribui para o envolvimento desses jovens com o crime. Este artigo discorre sobre o estudo do Funk como processo emancipatório nas medidas socioeducativas do CASE-Santa Maria/RS, e tem como objetivos compreender a importância do Funk como ferramenta de aprendizagem, entender os processos de expressão cultural, política e social dos jovens e contribuir para a eficácia das medidas socioeducativas. Trata-se de uma Pesquisa Qualitativa, utilizando Método de Abordagem Dialético, e como técnica a observação participante através das oficinas do Projeto Leitura, Ação: Dramatização, realizadas no ano de 2018 com jovens em medidas socioeducativa no CASE Santa Maria/RS, no âmbito do convênio entre Universidade Federal de Santa Maria, Ministério Público Estadual e Fundação de Atendimento Socioeducativo. Os resultados observados no desenvolvimento das oficinas foram de reconhecimento dos jovens como sujeitos políticos e sociais e protagonistas da sua história, melhora dos níveis de leitura e construção do conhecimento e reconhecimento do Funk como expressão cultural das suas realidades.

Biografia do Autor

Alícia de Oliveira Gonçalves, Universidade Federal de Santa Maria

Graduanda em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Maria.

Jane Schumacher, Universidade Federal de Santa Maria

Professora Doutora do Centro de Educação do Departamento de Metodologia do Ensino  trabalha com componentes curriculares de Estágios Supervisionados nos Anos Iniciais  e Coordena o Projeto de Apoio Pedagógico a Crianças com Câncer do Centro de Tratamento das Crianças e Adolescentes HUSM atualmente Coordenadora do Curso de  Licenciatura Plena Pedagogia Diurno. 

Referências

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente, Câmera dos Deputados, Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. DOU de 16/07/1990 – ECA. Brasília, DF.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Presidência da República. 5 de outubro de 1988. Brasília, DF

FASE. Dados estatísticos. 2018 Disponível em < http://www.fase.rs.gov.br/wp/dados_estatisticos/> Acesso em 12 de dezembro de 2018

FREIRE, Paulo. A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 23 ed. São Paulo: Editora Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo; BETTTO, Frei. Essa Escola Chamada Vida: Depoimentos ao repórter Ricardo Kotscho. 9 ed. São Paulo: Editora Ática, 1998. 95 p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 39ª. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HEIN, A. Factores de riesgo y deincuencia juvenil: revision de la literatura nacional e internacional. Santiago. Fundação Paz e Cidadania. Acesso: 15 dez. 2018. Disponível em <https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/34713405/FACTORES_DE_RIESGO_DE_LA_DELINCUENCIA_JUVENIL Factores_de_riesgo_y_deincuencia_juvenil.pdf.> Acesso em 08 de Janeiro de 2018

LAIGNIER, Pablo. Do funk fluminense ao funk nacional: o grito comunicacional das favelas e subúrbios do Rio de Janeiro. 2013. Tese (Programa de Pós-graduação em Comunicação) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MARTINS, J. B. Observação Participante: uma abordagem metodológica para a Psicologia Escolar. Seminário Ciências Sociais / Humana. 1996.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Metodologia Científica. 5. ed. 2. São Paulo: Atlas, 2008.

PAPALIA, E. D; OLDS, W. S. Desenvolvimento Humano. 7 ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

ROLIM, Marcos. A formação de jovens violentos: para uma etiologia da disposicionalidade violenta. 2014. Tese (Programa de Pós-graduação em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

TORRES, R. M. Educação Popular, um encontro com Paulo Freire. São Paulo. Edições Loyola, 1987.

VOLPI, Mário (org.). O adolescente e o ato infracional. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Gonçalves, A. de O., & Schumacher, J. (2019). A aprendizagem através do Funk nas medidas socioeducativas: Relato de experiência realizada no Centro de Atendimento Socioeducativo (CASE) Santa Maria/RS. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1258

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar