Aprendendo sobre Ditadura Civil-Militar de Segurança Nacional e Terrorismo de Estado argentina através do Jogo de Cartas

Autores

  • Rafael Barbosa de Jesus Santana Universidade Federal do Pampa
  • Raicilane Barbosa de Jesus Santana Universidade Federal do Pampa

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1088

Palavras-chave:

Consciência Histórica, Ditadura Argentina, Jogos de Cartas, Terrorismo de Estado, Trauma Histórico

Resumo

Na segunda metade do século XX, a América Latina foi assombrada por governos militares autoritários. Sob o pretexto de evitar revoluções comunistas, os Estados Unidos apoiaram militares contra a democracia em muitas nações latinas. Mesmo tendo fatores comuns que caracterizam esses governos ditatoriais, não podemos desatentar para as especificidades das ações desses regimes em cada país. Abordando a questão específica da ditadura na Argentina (1976 – 1983), buscando oportunizar aos alunos do ensino fundamental momentos de reflexão sobre a abordagem de temáticas de História da América Latina nas aulas de História, bem como desenvolvendo habilidades para a confecção de materiais pedagógicos pertinentes para o ensino de tais temáticas, propõe-se um jogo de cartas com o assunto “Argentina: ditadura de Segurança Nacional e Terrorismo de Estado”. O grande objetivo desse jogo é construir uma ideia da ditadura argentina como um evento potencialmente traumático, o qual os viventes daquele período experienciaram, imergindo os jogadores na sensação de vulnerabilidade. O jogo, neste sentido, é um material de apoio para o professor utilizar após outras aulas sobre as ditaduras na América Latina.

Biografia do Autor

Rafael Barbosa de Jesus Santana, Universidade Federal do Pampa

Graduando em História - Licenciatura; interessa-se pela área de Ensino de História; relações entre História e Literatura; História e Patrimônio; História e Trauma.

Raicilane Barbosa de Jesus Santana, Universidade Federal do Pampa

Bacharel em Produção e Política Cultural - UNIPAMPA

Referências

ALVES, Maria Helena Moreira. “A doutrina de Segurança Nacional e Desenvolvimento”. In: __________. Estado e Oposição no Brasil. Petrópolis; Ed. Vozes, 1989.

BARROS, José D’Assunção. História, região e espacialidade. Revista de História Regional 10(1): 95-129, Verão, 2005, pp. 95-129.

BAUER, Caroline Silveira. Brasil e Argentina: ditaduras, desaparecimentos e políticas de memória. Porto Alegre: Medianiz, 2012.

BITTECOURT, Circe. Livro didático / Usos didáticos de documentos. In: BITTENCOURT, Circe. Ensino de História – fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2009.

BORDA BOHIGAS, Juan Pablo; CARRILLO, Juan O.; GARZÓN, Daniel F.; RAMÍREZ, María P.; RODRÍGUEZ, Nicolás. Trauma histórico. Revisión sistemática de un abordaje diferente alconflicto armado Revista Colombiana de Psiquiatría, vol. 44, núm. 1, 2015, pp. 41-49.

CERRI, Luis Fernando. O que é consciência histórica? In: CERRI, Luis Fernando. Ensino de História e consciência histórica: implicações didáticas de uma discussão contemporânea. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2011.

FERREIRA, A. B. H. Aurélio Júnior: dicionário escolar de língua portuguesa. Curitiba: Positivo, 2011.

FREIRE, Paulo. A concepção “bancária” da educação como instrumento de opressão / Seus pressupostos, sua crítica. In: FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2005.

GRANDO, R. C. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. Tese de Doutoramento em Educação – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000. Disponível em: < https://pedagogiaaopedaletra.com/wp‐content/uploads/2012/10/O‐CONHECIMENTOMATEM%C3%81TICO‐E‐O‐USO‐DE.pdf >. Acesso em: 10 de Novembro de 2018.

GRANDO, R. C. O jogo e suas possibilidades metodológicas no processo ensino‐aprendizagem da matemática. Campinas, SP, 1995. 175p. Dissertação de Mestrado - Faculdade de Educação, UNICAMP. Disponível em: < http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253786/ >. Acesso em: 10 de Novembro de 2018.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Depois de 1945: latência como origem do presente. Ed. Unesp; Edição 1, 2014.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2017.

O GLOBO. Jogos online movimentam 49 bilhões e Brasil lidera o setor na América Latina. Disponível em < https://oglobo.globo.com/economia/jogos-on-line-movimentam-49-bilhoes-brasil-lidera-setor-na-america-latina-21014736 >. Acesso: 01 de Julho de 2018.

PADRÓS, Enrique Serra. Introdução. In: Como el Uruguay no hay... Terror de Estado e Segurança Nacional. Uruguai (1968-1985): do Pachecato à Ditadura civilmilitar. Tomo I. Porto Alegre. Tese de Doutoramento apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da UFRGS, 2005.

PEREIRA, Nilton Mullet. GIACOMONI, Marcelo. Flertando com o Caos: os jogos no Ensino de História. In: PEREIRA, Nilton Mullet. GIACOMONI, Marcelo. Jogos e Ensino de História. Porto Alegre: Evangraf, 2013.

QUEIROZ, Paulo Pires. A pesquisa e ensino de História: espaços/processos de construção de identidade profissional. In: NIKITUK, Sônia. Repensando o Ensino de História. São Paulo: Cortez Editora, 2012.

SEFFNER, Fernando. Saberes da docência, saberes da disciplina e muitos imprevistos: atravessamentos no território do ensino de História. In: BARROSO, Vera Lucia Maciel (org.). Ensino de História: desafios contemporâneos. Porto Alegre: EST, Exclamação, ANPUH-RS, 2010.

TODOROV, Tzvetan. “Narrar, julgar, compreender”. In: _________. Em face do extremo . Campinas: Papirus, 1995.

VÁZQUÉZ DE PARGA, María José Martínez. Juego, figuración, símbolo: El Tablero de la Oca. Madri: 451 editores, 2008.

Downloads

Publicado

05/05/2019

Como Citar

Santana, R. B. de J., & Santana, R. B. de J. (2019). Aprendendo sobre Ditadura Civil-Militar de Segurança Nacional e Terrorismo de Estado argentina através do Jogo de Cartas. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i4.1088

Edição

Seção

IV - Encontro Humanístico Multidisciplinar