Memória e identidade: a musealidade no Museu Gruppelli, Pelotas/RS

José Paulo Siefert Brahm, Diego Lemos Ribeiro, Davi Kiermes Tavares

Resumo


O presente artigo tem como referência uma pesquisa empírica que está sendo realizada no Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural, na Universidade Federal de Pelotas. O estudo busca identificar e analisar a percepção museal do público que visita as exposições do Museu Gruppelli, situado na zona rural de Pelotas, Rio Grande do Sul. Do mesmo modo, problematiza seu potencial de evocar memórias e forjar identidades, além de identificar que possíveis conexões o público cria ao flertar semanticamente com os objetos expostos. Como procedimento metodológico utiliza-se sobretudo a entrevista (presencial) e, igualmente, a observação do pesquisador. O roteiro da entrevista é semiestruturada, por meio de uma conversa com finalidade. Cumpre mencionar que as entrevistas estão sendo aplicadas ao público frequentador do Museu, sejam eles moradores da zona rural ou urbana, durante a visitação. De modo geral, a pesquisa aponta para o fato de que os objetos são responsáveis por ajudarem os entrevistados, pelo prisma da musealidade, a afirmarem identidades e evocarem memórias individuais e/ou coletivas, tanto pelo contato direto ou indireto que tiveram com os mesmos.


Palavras-chave


Coleção, Lugares de memória, Identidade, Musealidade, Museu Gruppelli.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. São Paulo: Editora da Unicamp, 2011.

BERTOTTO, Márica. Sistema museológico – contributo para as políticas públicas. In: GUIMARÃENS, Cêça; RANGEL, Vera; BERTOTTO, Márcia (Org.). Museologia social e cultural. Rio de Janeiro: Rio Book´s, 2015.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Museus e Pedagogia Museológica: os caminhos para a administração dos indicadores da memória. As várias faces do Patrimônio, por LEPA. Santa Maria: LEPA/UFSM, 2006.

_______. Museologia: algumas ideias para a sua organização disciplinar. Centro de Estudos de sociomuseologia. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Cadernos de Sociomuseologia, n. 9. 1996.

CANDAU, Joel. Memória e Identidade. São Paulo: Contexto, 2014.

_______. Conflits de mémoire: pertinence d’une métaphore? In: BONNET, V’Wronique (sous la direction de) Conflits de mémoire. Paris: Éditions Karthala, 2004.

CONNERTON, Paul. Seven types of forgetting. Memory Studies, 2008, p. 1- 59.

CRUZ NETO, Otávio. Trabalho de campo como descoberta e criação. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CHAGAS, Mario de Souza. Memória e Poder: dois movimentos. Cadernos de Sociomuseologia, n.19, p. 35 –67, 2002.

FERREIRA, Maria Leticia; GASTAUD, Carla; RIBEIRO, Diego Lemos. Memória e emoção patrimonial: Objetos e vozes num museu rural. Museologia e Patrimônio, v. 6, p. 57-74, 2013.

FLEURY, Beatrice; WALTER, Jacques. De los lugares de sofrimiento a su memoria In: FLEUR y Béatrice; WALTER, Jacques (comps) Memorias de la piedra. Ensayos en torno a lugares de detención y masacre. Ed. Ejercitar la memoria, 2011.

HALBWACHS, Maurice. Les cadres sociaux de la mémoire. Paris: Mouton, 1976.

_______. A memória coletiva. Rio de Janeiro, Vertice, 1990.

Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2014.

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. España: Siglo Veintiuno editores, 2001.

LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à teoria do Ator-rede. Salvador: Edufba, 2012, São Paulo: Edusc, 2012.

LAW, John. Ordering and obduracy. Centre for Science Studies. Lancaster University, 2001. Disponível em: Acesso em: 26 dez. 2015.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 1999.

MENSCH, Peter Van. O objeto de estudo da museologia. Rio de Janeiro: UNI-RlO/UGF,1994.

MERLO, Márcia; RAHME, Anna Maria. A moda e o museu: uma experiência no espaço digital. In: MERLO, Márcia (Org.). Memórias e museus. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.

NASCIMENTO JÚNIOR, José do; TOSTES, Vera Lúcia Bottrel. A democratização da memória: a função social dos museus ibero – americanos. In: CHAGAS, Mário de Souza; BEZERRA, Rafael Zamorano; BENCHETRIT, Sarah Fassa. (Org). A democratização da memória: a função social dos museus ibero – americanos. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2008, p. 7-8.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, n. 10, p. 7-28, 1993.

POULOT, Dominique. Museu e Museologia. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2013.

POMIAN, Krzysztof. Coleção. In: VV. AA. Enciclopédia Einaudi 1: Memória-História. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1997. p. 51-86.

RIBEIRO, Diego Lemos. A musealização da Arqueologia: um estudo dos museus de arqueologia do Xingó e do sambaqui de Joinville. 2012, p. 376. Tese. (Doutorado em Arqueologia) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: Acesso em: 20 abr. 2015.

RICOEUR, Paul. A Memória, a História e o Esquecimento. Campinas : Edunicamp, 2007.

SCHEINER, Tereza. Museologia e pesquisa: perspectivas na atualidade. In: Museu de Astronomia e Ciências Afins (Brasil). MAST Colloquia – Museu: Instituição de Pesquisa. Rio de Janeiro, 2005, p. 85 -100.

SILVEIRA, Flávio Leonel Abreu da; LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Por uma antropologia do objeto documental: entre a “alma nas coisas” e a coisificação do objeto. Revista; Horizonte Antropológico, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 37-50, jan/jun 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v2i4.270

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 José Paulo Siefert Brahm, Diego Lemos Ribeiro, Davi Kiermes Tavares

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Qualis CAPES (2013-2016):

B2 - Ensino; B4 - Interdisciplinar; B5 - Ciência Política e Relações Internacionais; B5 - Comunicação e Informação; B5 - Letras/Linguística; B5 - Ciências Agrárias I; C - Ciências Biológicas II; C - Direito; C - História e C - Sociologia.

 

e-ISSN 2016/Atual: 2525-7870 | e-ISSN 2015/2016: 2447-018X

Facebook - Twitter - Instagram

Realização:

Editora CLAEC - Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura

Endereço Eletrônico: relacult@claec.org


Contador disponível desde 05/2016.

universidades e ensino superior
contador de visitas