“Amutuy, soledad”: um estudo das estratégias identitárias na canção de Marcel Berbel

Autores

  • Nathan Bastos de Souza Universidade Federal de São Carlos/ Doutorando em Linguística

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i2.924

Palavras-chave:

tempo grande, discurso identitário, (pós)modernidade (líquida), mitos fundacionais.

Resumo

O objetivo deste texto é analisar o discurso identitário da canção “Amutuy, soledad”, letra de Marcel Berbel, que constitui uma forte relação com o folclore argentino. A canção é seccionada em três elementos que compõe o gênero discursivo: forma, estilo e tema. O último é o objeto de estudos aqui, sob o qual se incidirá a análise amparada metodologicamente no paradigma indiciário (Ginzburg, 1989). A discussão teórica avança para além das fronteiras da linguística, portanto, além de teóricos da linguagem (Voloshinov / Bakhtin, 1976; Bakhtin, 1997; Bakhtin 2011), trabalhamos com estudiosos da cultura (Hall, 2011), da sociologia (Bauman, 2005; Canclini, 2008) e da história (Duarte e Gonzalez, 2012). Os resultados apontam para os mitos fundacionais do povo latinoamericano, relacionando três tempos cíclicos: o primeiro é o tempo da conquista/invasão da América Latina, o segundo, tempo da “Campanha do deserto” e por fim, o tempo presente, das comemorações dos 500 anos da chegada dos europeus. As considerações finais estabelecem uma analogia entre as relações líquidas que vivemos hoje em dia e as questões da identidade x alteridade.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nathan Bastos de Souza, Universidade Federal de São Carlos/ Doutorando em Linguística

Graduado em Letras Espanhol e Português pela Universidade Federal do Pampa. Mestre e Doutorando em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos.

Referências

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2009.

BAKHTIN, M. M. No tempo grande. In. BOUKHARAEVA, L. M. Começando o diálogo com Mikhailovitch Bakhtin. Ijuí: Ed. Unijuí, 1997.

BRANDÃO, C. O que é folclore? São Paulo: Brasiliense, 1984.

BAUMAN, Z. Identidade. Entrevista a Benedeto Vechi. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

CANCLINI, N. La globalización imaginada. Buenos Aires: Paidós, 2008.

CHULLIVER, R. Folklore. Buenos Aires: Centro de estudios folklóricos, 2012.

DIAS, A. B. F. A amorosidade entre humanismo da identidade e humanismo da alteridade: alguns desafios no fazer científico. In. Grupos Atos e outros. III EEBA – Encontro de Estudos Bakhtinianos – Amorização: porque falar de amor é um ato revolucionário. São Carlos: Pedro & João Editores, 2015.

DUARTE, G. R. ; GONZALEZ, E. Visões sobre a conquista da América hispânica pela música popular. In. Texto e argumento – Revista do programa de pós-graduação em história. Florianópolis: v.4 n. 2, 2012.

GERALDI, J. W. A diferença identifica. A desigualdade deforma. Percursos bakhtinianos de construção ética e estética. In: FREITAS, M. T. (Org.). Ciências humanas e pesquisa. São Paulo: Cortez editora, 2003.

GERALDI, J. W. Ancoragens – Estudos Bakhtinianos. São Paulo: Pedro & João Editores, 2010.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In. GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais, morfologia e história. São Paulo: Companhia das letras, 1989.

GIOVANI, F. e SOUZA, N.B. Lugar da filosofia - heterociência nas ciências humanas: cotejando textos - convite para caminhada metodológica. In. GIOVANI, F. e SOUZA, N.B. Bakhtin e a educação: a ética, a estética e a cognição. São Carlos : Pedro & João Editores, 2014.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e guaracira Lopes Louro. Rio Janeiro: DP&A, 2011.

MELLO, M. B.; MIOTELLO, V. Questões bakhtinianas para uma heterociência humana. In. Revista Teias. V. 14. N.31. Culturas, linguagens e a pesquisa em educação, 2013.

MIOTELLO, V. MOURA, M. I. de. Apresentação – alargando os limites da identidade. In. Grupo de estudos dos gêneros do discurso GEGe/UFSCAR (orgs.). A escuta como lugar do diálogo – alargando os limites da identidade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012.

PONZIO, A. A revolução bakhtiniana. São Paulo: Contexto, 2012.

RAMA, A. La ciudad letrada. Montevideo: Arca, 1998.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes, Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2012.

SOUZA, N. B. A construção contraditória do discurso identitário no cancioneiro de Soledad Pastorutti no contexto do folclore argentino. Dissertação (Mestrado em linguística). Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). São Carlos: Brasil, 2017.

SOUZA, N.B. Poética, mas solitária e triste: a América Latina na vida e na poesia - metáforas do caminhar como utopia. In: GRUPO DE ESTUDOS DOS GENEROS DO DISCURSO - GEGe. (Org.). V CÍRCULO Rodas de Conversa bakhtiniana: praça pública, multidão, revolução, utopia. 1ed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2014.

SOUZA, N.B. Uma leitura da heterociência/ciência outra de Bakhtin: quando a cientificidade não cabe nos tubos de ensaio. In: Grupo de Estudos dos Gêneros do Discurso - GEGe-UFSCar. (Org.). Palavras e contrapalavras: lendo pedaços singulares do mundo com Bakhtin. 1ed.São Carlos: Pedro & João Editores, 2016, v. 1, p. 219-230.

TODOROV, T. A conquista da América – a questão do outro. Tradução de Beatriz Perroni Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

VOLOSHINOV, V. N./BAKHTIN, M. M. Discourse in life and discourse in art: concerning sociological poetics. Tradução para fins didáticos de Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza. New York: Academic Press, 1976.

Downloads

Publicado

01/11/2018

Como Citar

Souza, N. B. de. (2018). “Amutuy, soledad”: um estudo das estratégias identitárias na canção de Marcel Berbel. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v4i2.924

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo