Investigando alguns modos de subjetivação do corpo jovem na mídia contemporânea

Autores

  • Guilherme Rego Rockembach Instituto Federal Sul-rio-grandense/Campus Pelotas
  • Suélem do Sacramento Costa de Moraes Instituto Federal Sul-rio-grandense/Campus Pelotas
  • Bárbara Hees Garré Instituto Federal Sul-rio-grandense/Campus Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.724

Palavras-chave:

Educação, Juventude, Mídia, Modos de Subjetivação, Pedagogias Culturais.

Resumo

Este estudo objetiva compreender alguns processos de subjetivação que fabricam uma população dita Jovem na atualidade. Destaca-se que ao estudar um modo de ser jovem múltiplos atravessamentos se produzem, entre eles questões relacionadas ao corpo, já que esse corpo é também fabricado culturalmente e conduzido através dos discursos que por ele perpassam. Assim, este trabalho situa-se em problematizar principalmente uma produção discursiva acerca dessas questões relacionadas com cuidados com o corpo e com a saúde, que reverberam nas mídias digitais, constituindo alguns discursos hegemônicos que subjetivam uma população dita jovem. Nessa correnteza, compreende-se a mídia como uma pedagogia cultural, que ensina, educa e fabrica sujeitos e subjetividades para além dos muros escolares. Recorrentemente, nas mídias, celebridades expõem suas rotinas, como uma forma de incitar seus seguidores a adotarem práticas semelhantes às suas e algumas dessas versam sobre cuidados com o corpo e com a saúde. Desse modo, há uma incitação ao consumo, através de uma forte interpelação, de comportamentos, hábitos e atitudes que atingem de modo potente os sujeitos jovens. Compreende-se há uma visibilidade cada vez maior dessas celebridades midiáticas, sejam elas youtubers, blogueiros, gamers, diferentes influenciadores digitais, que se tornam, de algum modo, vozes autorizadas a proferir um discurso tomado como verdadeiro, e, como promessa de uma vida feliz. Aqui se pretende questionar a hegemonia de tais discursividades e do quanto elas são subjetivantes a partir da teorização foucaultiana

Biografia do Autor

Guilherme Rego Rockembach, Instituto Federal Sul-rio-grandense/Campus Pelotas

Licenciado em Computação; Mestrando em Educação e Tecnologia; Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense IFSul; Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil; guirrock@gmail.com

Suélem do Sacramento Costa de Moraes, Instituto Federal Sul-rio-grandense/Campus Pelotas

Bacharel em Economia; Mestranda em Educação e Tecnologia; Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense IFSul; Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil; suelemcosta@gmail.com.

Bárbara Hees Garré, Instituto Federal Sul-rio-grandense/Campus Pelotas

Doutora em Educação Ambiental; Professora do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense IFSul; Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil; barbaragarre@gmail.com.

Referências

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2001.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

COSTA, M. V.; ANDRADE, P. D. Na produtiva confluência entre educação e comunicação, as pedagogias culturais contemporâneas, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/32242 Acesso em 22 ago 2017.

GOMES, M. R. Poder no jornalismo. São Paulo: Edusp, 2003.

FOUCAULT, M. A Governamentalidade. in: Microfísica do Poder. Tradução e organização de Roberto Machado, 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.¬¬¬¬

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

FOUCAULT, M. Ditos e Escritos III: Estética, Literatura e Pintura, Música e Cinema. São Paulo: Editora Forense, 2001.

FOUCAULT, M. Em Defesa da Sociedade: curso no Collège de France (1975- 1976); tradução Maria Ermantina Galvão. - São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica. Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo. Editora: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. O Sujeito e o Poder. Apêndice da 2ª edição. Michel Foucault entrevistado por Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow. In.: DREYFUS, Hubert e RABINOW, Paul. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

FOCUCAULT, M. Vigiar e punir. Rio de Janeiro, Editora Vozes, 2012.

FRANCO, A. C. F. et al. Algumas interrogações acerca das produções midiáticas sobre a juventude. Fractal, Rev. Psicol. [online]. 2014, vol.26, n.2, pp.415-428. ISSN 1984-0292. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1984-0292/872 Acesso em: 28 mai 2017.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. Educação & Realidade. v. 22, n. 2, jul/dez, 1997. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71361/40514 Acesso em 11 Set 2017.

LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 5a. Ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

MEYER, D. E. Corpo, gênero e maternidade: algumas relações e implicações no cuidado em saúde, 2010. Disponível em: http://revista.portalcofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/68/55 Acesso em 11 Set 17.

VEIGA-NETO, A. Foucault e a Educação. 3 edição; 1 reimpressão, Editora Autêntica, 2014.

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

Rockembach, G. R., de Moraes, S. do S. C., & Garré, B. H. (2018). Investigando alguns modos de subjetivação do corpo jovem na mídia contemporânea. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 4. https://doi.org/10.23899/relacult.v4i0.724

Edição

Seção

Dossiê: COMUNICAÇÃO, CULTURA E CONHECIMENTO CIENTÍFICO