Corpos diaspóricos e masculinidades negras: Uma leitura de Todo mundo odeia o Chris a partir da decolonialidade

Autores

  • Ludmila Pereira de Almeida Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.631

Palavras-chave:

Corpos negros, masculinidades negras, Todo mundo odeia o Chris, mídia, colonialidade/decolonialidade.

Resumo

Nosso principal objetivo é discutir como os efeitos de língua/linguagem dizem/fazem(AUSTIN, 1998) corpos subalternizados e de como isso pode nos fornecer traços para uma leitura crítica que vise o pensamento decolonial(WALSH, 2009) e o não extermínio, físico e simbólico, de vidas e outras masculinidades. Para fins de problematizar, especialmente, a visibilidade/invisibilidade dos corpos negros e a construção de prefigurações sobre tal corpo denominado de masculino, trazemos o seriado sitcom Todo mundo odeia o Chris(2005) traduzido-dublado como índice de como as narrativas midiáticas reiteram as experiências sociais e performam atos de linguagem constituindo espaços e formas de opressão. Isso tendo como perspectiva a crítica à trajetória histórica imperial nas américas que se funda a partir da colonialidade do poder e do saber, juntamente com a ideia de hierarquização de raça(QUIJANO, 2005). Nossa discussão se pauta na construção das masculinidades negra e dos atos metapragmáticos evocados, o situando dentro de um duplo narcisismo(FANON, 2008), de um corpo desejado, viril, exótico ao mesmo tempo que é visto como ameaça, concorrência que precisa ser controlado. O seriado norte-americano ao ser dublado é reentextualizando ao contexto local brasileiro e se insere em diálogo dentro do percurso da diáspora dos corpos negros e da luta transacional antirracista e de re-existência desses corpos. Performando e retomando atos de fala que exercem ações reais sobre os sujeitos negros em contexto opressor, ditando vidas que importam ao configurar, como uma das consequências, a neurose racial brasileira(GONZALEZ, 1984) que apenas lê T.M.O.C como um entretenimento sendo que a todo instante ele traz a denúncia da violência racial.

Referências

AUSTIN, John L. Performativo-constativo. Tradução: Paulo Ottoni. In: OTTONI, Paulo Roberto. Visão Performativa da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp, 1998. 107-144.

BUTLER, Judith P. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro: 2003.

FANON, Frantz. Racismo e Cultura. In:____. Em defesa da revolução africana. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1969.

______. Pele negra, máscaras brancas. Trad.: Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência, São Paulo, Rio de Janeiro, 34/Universidade Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2004.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244, 1984.

NKOSI, Devid Faustino. O pênis sem o falo: algumas reflexões sobre homens negros, masculinidades e racismo in: Feminismos e masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher / organização Eva Alterman Blay. – 1. ed. – São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. Pp. 75

PEIRANO, Mariza. Apontamentos sobre rituais, eventos e política. ANPOCS/2002. Disponível em: http://www.anpocs.org/portal/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=4502&Itemid=317. Acessado em: 7 jan. 2016.

PINHO, Osmundo. Qual é a identidade do homem negro? Democracia viva, nº 22, Espaço aberto, JUN/JUL 2004. P. 64-69.

PINTO, Joana P. O percurso do performativo. Revista Cult, São Paulo, p. 35 - 36, 01 nov. 2013a.

________. Prefigurações identitária e hierarquias linguísticas na invenção do português. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org.). Português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola, 2013b.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Trad.: Julio Cesar Casarin Barroso Silva. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociais – Clacso, 2005.

RIBEIRO, Alan A. Moraes. Blackness: identidades, racismo e masculinidades em bell hooks. Seminário Internacional Fazendo Gênero 10 (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2012. ISSN 2179-510X.

ROCK, Chris; LEROI, Ali; MICHAELS, Jim. (BR). Todo mundo odeia o Chris. [seriado]. Criação de Chris Rock e Ali LeRoi, produção de Jim Michaels. Nº de temporadas 4, Nº de episódios 88. Estados Unidos, 2005.

SALES JR., Ronaldo L. Democracia racial: o não-dito racista. Tempo Social, revista de sociologia da USP, 2006, v. 18, n. 2.

SEGATO, Rita Laura. Raça é signo. Série Antropológica. Brasília: UnB, n. 372, 2005.

SILVERSTONE, Roger. Por que estudar a mídia? São Paulo: Editora Loyola, 2002.

SOUZA, Rolf Ribeiro de. As representações do homem negro e suas consequências. Revista Fórum Identidades. Ano 3, Volume 6 | jul-dez de 2009.

SPIVAK, Gayatry. C. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, Estado, Sociedad: Luchas (de)coloniales de nuestra época. Universidad Andina Simón Bolivar, Ediciones AbyaYala: Quito, 2009.

WERNECK, Jurema. Da Diáspora Globalizada: Notas sobre os afrodescendentes no Brasil e o início do século XXI. 2003. Disponível em: http://www.criola.org.br/artigos/Da%20 Diaspora%20Globalizada.pdf.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

de Almeida, L. P. (2017). Corpos diaspóricos e masculinidades negras: Uma leitura de Todo mundo odeia o Chris a partir da decolonialidade. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.631

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo