Dois países, três Estados: a experiência dos palestinos nas fronteiras do sul do Brasil

Autores

  • Letícia Núñez Almeida Docente de Sociologia e Direito da Universidade Federal do Pampa e Coordenadora de Pesquisa do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira - Lepif.
  • Agnes Félix Gonçalves Discente de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa, Pesquisadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira - Lepif.
  • Jennifer da Silva Pereira Discente de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa, Pesquisadora e Tradutora do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira - Lepif.
  • Rafael Augusto Masson Rocha Discente de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa, Pesquisador e Assessor de Comunicação do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira - Lepif. http://orcid.org/0000-0003-4631-1181

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v1i02.63

Palavras-chave:

Brasil, Cidades Gêmeas, Fronteiras, Palestinos, Uruguai

Resumo

As fronteiras brasileiras vêm sendo observadas com mais atenção por pesquisadores das ciências sociais e, especialmente, pelas políticas de segurança pública brasileiras. Esse interesse é recente e inédito, ainda sabe-se pouco sobre os cerca de dezessete mil quilômetros que separam e aproximam o Brasil dos seus países vizinhos. Entretanto, muitos conceitos vêm sendo discutidos no intuito de tornar a temática das fronteiras menos “romântica” e mais acadêmica, ao menos em tese. Como por exemplo o de Cidades-gêmeas, de Zona de Fronteira etc. Nesse contexto, a região sul do país, a que faz fronteira com a República Oriental do Uruguai e com a Argentina, torna-se um espaço frutífero para análises empíricas, tendo em vista que é a que possui mais municípios conurbados, cento e noventa e sete só no estado do Rio Grande do Sul. Dessa forma, o presente estudo visa compreender um pouco das dinâmicas urbanas dessas cidades-gêmeas, analisando alguns processos de socialização como é o caso dos Palestinos, especialmente na fronteira de Sant’Ana do Livramento (BR) e Rivera (ROU), utilizando-se dos conceitos de Pórtico e de Cidade para pensar esses espaços que não são nem brasileiros nem uruguaios. 

Biografia do Autor

Letícia Núñez Almeida, Docente de Sociologia e Direito da Universidade Federal do Pampa e Coordenadora de Pesquisa do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira - Lepif.

Doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), Docente de Sociologia e Direito da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) e Coordenadora de Pesquisa do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira (Lepif). Possui interesse nas áreas de Fronteiras Internacionais, Políticas de Segurança Pública e América Latina.

Agnes Félix Gonçalves, Discente de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa, Pesquisadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira - Lepif.

Bacharelanda no curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), Pesquisadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira (Lepif). Possui interesse nas áreas de América Latina, Política Brasileira e Gênero no Brasil.

Jennifer da Silva Pereira, Discente de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa, Pesquisadora e Tradutora do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira - Lepif.

Bacharelanda no curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), Pesquisadora e Tradutora de Coreano do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira (Lepif). Possui interesse nas áreas de Comércio Exterior, Indústrias Culturais, Sistema Quinquenal Sul-Coreano de Desenvolvimento, Confucionismo e a Esfera Cultural do Leste Asiátic.

Rafael Augusto Masson Rocha, Discente de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa, Pesquisador e Assessor de Comunicação do Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira - Lepif.

Bacharelando no curso de Relações Internacionais na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Pesquisador e Assessor de Comunicação no Laboratório de Estudos e Pesquisas Internacionais e de Fronteira (Lepif). Possui interesse nas áreas de Relações Internacionais, Política Externa, Políticas Públicas, Igualdade Social e Relações de Gênero.

Referências

ALBORNOZ, Vera do Prado. Armour: uma aposta no pampa. Santa Maria: Pallotti, 2000.

ALBUQUERQUE, José Lindomar. A dinâmica das fronteiras: os brasiguaios na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. São Paulo: Annablume, 2010.

ALMEIDA, Letícia N. Les frontières comme territoires de l’attente: l’expérience des Palestiniens dans le sud du Brésil. Colloque international Sociétés, mobilités, déplacements: les territoires de l’attente d’hier à aujourd’hui.Université de La Rochelle, France. Décembre, 2014.

_________. El contrabando y la ilegalidad em la frontera Brasil-Uruguay: el caso de Rivera y Sant’Ana do Livramento. In: CARRIÓN, Fernando (Org.). Seguridad, planificación y desarrollo en las regiones transfronterizas. Quito: FLACSO, Sede Ecuador: Centro Internacional de Investigaciones para el Desarrollo (IDRC-CRDI), 2013.

ALVAREZ, Marcos César; SALLA, Fernando; ALMEIDA, Letícia Núñez. Violência e fronteiras: uma análise das políticas públicas nos espaços fronteiriços no Brasil contemporâneo. In: Coloque International Analyserles Politiques Publiques Brésiliennes. Paris, 2011. No prelo.

ASSEF, Marlon. Retratos do exílio: solidariedade e resistência na fronteira. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2009.

BACHIO, Henrique Machado. Praça Flores da Cunha será inaugurada dia 2. A Plateia: Santana do Livramento. 30 dez. 2014. Disponível em: <http://www.aplateia.com.br/VisualizarNoticia/6161/praca-flores-da-cunha-sera-inaugurada-dia-2.aspx>. Acesso em: 15 julho 2015.

BRASIL. Lei Nº 12.095, de 19 de novembro de 2009. Declara Sant’Anna do Livramento, estado do Rio Grande do Sul, cidade símbolo da integração brasileira com os países membros do MERCOSUL. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei /l12095.htm. Acesso em: 20 julho 2012.

CANABARRO, J. N. 2009. Disponível em: <http://ducana.zip.net/arch2009-11-01_2009-11-07.html>. Acesso: 22 julho 2015.

CARRIÓN, Fernando; ESPÍN, Johanna. Relaciones fronteizas: encuentros y conflitos. Quito: FLACSO, IDRC, 2011.

CASSANEGO, Paulo; BARDESIO, Geovana; HUEZO, Mario. Accountability em órgão binacionais: estudo na Fronteira da Paz. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 18, n. 61, Jul./Dez. 2012. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cgpc/article/view/3848/5732>. Acesso em: 22 julho 2015.

CLICRBS, Livramento. Prefeitos reivindicam critérios específicos para área de fronteira no Censo. Santana do Livramento. 21 ago. 2010. Disponível em: <http://wp.clicrbs.com.br/livramento/2010/08/21/prefeitos-reivindicam-criterios-especificos-para-area-de-fronteira-no-censo/>. Acesso em: 25 julho 2015.

DORFMAN, Adriana. O legal e o legítimo no contrabando em Santana do Livramento (BR) e Rivera (UY). In: 25 RBA, 11 a 14 de junho, Goiânia, 2006.

ESPÍN, Johanna. Lo internacional sobre lo local en el tratamiento de la frontera norte. Revista Fronteras, n.1. Flacso Sede Ecuador, Quito, Octubre, 2009.

GEERTZ, Clifford. O saber local. Petrópolis: Vozes, 2001.

GOOGLE MAPS. Santana do Livramento. 2015. Disponível em: <https://www.google.com.br/maps/place/Santana+do+Livramento,+RS/@-31.0859814,-55.3158712,6z/data=!4m2!3m1!1s0x95a9ffb202eac28f:0xe25fcf314b630218>. Acesso em: 15 julho 2015.

MACHADO, Lia. Limites e fronteiras: da alta diplomacia aos circuitos da ilegalidade. Revista Território. Rio de Janeiro, v. 8, p. 9-29, 2000.

MAGNANI, José Guilherme. De perto e de dentro: notas para uma antropologia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.17, n. 49, jun. 2002.

MAGNOLI, Demétrio. O que é Geopolítica ? São Paulo : Editora Brasiliense, 1986.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto, 2009.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de; Stephen G. Baines (Orgs.). Nacionalidade e etnicidade em fronteiras. Brasília: Ed. UNB, 2005.

RIBEIRO, L. Interações espaciais na fronteira Brasil-Paraguai: as cidades-gêmeas Foz do Iguaçu e Ciudad del Este. Dissertação de Mestrado. PPGG/UFRJ, Rio de Janeiro: 2001.

RUIZ, Olívia. Una reflexión sobre dos fronteras: los casos de Livramento-Rivera y Tijuana-San Diego. Frontera Norte, v. 10, n. 19, Tijuana, enero-junio 1998.

SILVA, Maurício Pinto da. Ações de cooperação em saúde na fronteira Brasil/Uruguai: um estudo sobre o Comitê Binacional de Integração em Saúde de Santana do Livramento-Rivera. Dissertação de Mestrado. PPGPS, UCPEL, Pelotas, dez. 2009.

SILVA, Tomás. Terráqueo sem Terra. 2011. Disponível em: <http://terraqueosemterra.blogspot.com.br/2011/03/localizacao-regionalizacao-e-questoes.html>. Acesso em: 09 agosto 2015.

SIMMEL, Georg. As grandes cidades e a vida do espírito (1903). Mana, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, oct. 2005.

_______. Sociología – estudios sobre las formas de socialización. Buenos Aires: ESPASA-CALPE, 1939.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: Ed. UnB, 2009. v. 2.

Downloads

Publicado

31/12/2015

Como Citar

Almeida, L. N., Gonçalves, A. F., Pereira, J. da S., & Masson Rocha, R. A. (2015). Dois países, três Estados: a experiência dos palestinos nas fronteiras do sul do Brasil. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 1(02), 333–351. https://doi.org/10.23899/relacult.v1i02.63

Edição

Seção

Dossiê - Cultura, Fronteira e Relações Internacionais