Fotografia, Patrimônio e Mundialização da Cultura: um relato de experiência da exposição “Barco de Fogo”

Autores

  • Rosana Eduardo da Silva Leal Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.558

Palavras-chave:

Exposições, fotografia, patrimônio, mundialização, cultura.

Resumo

As exposições fotográficas constituem importantes ferramentas de difusão artística, educativa e cultural. Quando realizadas no exterior, atuam como mecanismos de promoção e mundialização das culturas, servindo como instrumentos importantes de valorização do patrimônio e das identidades de povos e sociedades.  É nesta vertente que se situa o presente trabalho, que tem por objetivo analisar a relação entre fotografia, patrimônio e mundialização da cultura, por meio da exposição fotográfica “Barco de Fogo”, do artista sergipano Márcio Garcez. O barco de fogo constitui uma das manifestações culturais mais significativas do estado de Sergipe, fazendo parte do ciclo junino do estado. Sua produção envolve um considerado número de pessoas presentes desde o processo de confecção, passando pela soltura e chegando à apresentação. Sua confecção se dá nos barracões existentes no município, estando embasada em um trabalho coletivo que está associado a uma mistura de carpintaria, engenharia e artesanato. Tal manifestação cultural resulta de um saber-fazer construído por meio de sensibilidade, criatividade e engenhosidade de seus artesãos, conhecidos como fogueteiros. Para refletir sobre tais temas, trataremos do papel da fotografia como registro documental, etnográfico e histórico, considerando sua importância como fonte de pesquisa sobre o patrimônio dos povos e comportamentos culturais. Posteriormente apresentaremos a cultura dos barcos de fogo, tema principal da exposição aqui apresentada, bem como seu autor. E em seguida, trataremos das edições da referida mostra artística. 

Biografia do Autor

Rosana Eduardo da Silva Leal, Universidade Federal de Sergipe

Professora e Chefe do Departamento de Turismo da Universidade Federal de Sergipe, bem como docente do Programa de Pós-Graduação em Culturas Populares (PPGCULT/UFS). Realizou Pós-Doutorado no Programa Interuniversitario de Antropología de Iberoamérica pela Universidad de Salamanca-USAL (Espanha) como bolsista da CAPES. Doutora em Antropologia (PPGA-UFPE), Mestre em Comunicação (PPGCOM/UFPE) e Especialista em Ensino de História das Artes e das Religiões (UFRPE). É Bacharel em Turismo pela Universidade Federal de Pernambuco e Técnica em Turismo pelo Instituto Federal de Pernambuco. Desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em áreas que envolvem a relação entre Turismo, Cultura e Sociedade; Estudos Antropológicos do Turismo; Turismo, Cultura e Alimentação, bem como Turismo e Comunidade. É líder do Grupo de Pesquisa em Antropologia e Turismo ANTUR/UFS/CNPQ e afiliada à Associação Brasileira de Antropologia - ABA.

Referências

BONI, C.; MORESCHI, B. M.. Fotoetnografia: a importância da fotografia para o resgate etnográfico. In: Doc On-line, n.03, Dezembro 2007, pp. 137-157. Disponível em: www.doc.ubi.pt. Acesso em 20.jul.2017.

Barco de Fogo. Catalogo de la exposición fotográfica “Barco de Fogo”. Residência Artística 2015. Centro de Estudios Brasileños de la Universidad de Salamanca. Salamanca: junho, 2015. Disponível em: https://issuu.com/cebusal/docs/catalogo_barco_de_fogo. Acesso em 01.jul.2017.

BRASIL. Decreto Federal, nº 3.551, de 04 de agosto de 2000. Institui o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, cria o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3551.htm. Acesso em: 02. jul. 2017.

CERQUEIRA, F. V. Patrimônio cultural, escola, cidadania e desenvolvimento sustentável. Diálogos, v. 9, n. 1, p. 91-99, 2005. Disponível em: http://www.dialogos.uem.br. Acesso em: 02. abril. 2017.

IPHAN. A fotografia na preservação do patrimônio cultural: uma abordagem preliminar. Rio de Janeiro: IPHAN, COPEDOC, 2008.

MARTINS, J. S. Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto, 2013.

NOVAES, S. C., “O uso da imagem na antropologia”. In: SAMAIN, E. (org). O Fotográfico. São Paulo: Hucitec, 1998, pp.113-119.

Portal Expressão Sergipana. Fotógrafo Sergipano Apresentou Exposição “Barco de Fogo” em Foz do Iguaçu. Disponível em: http://expressaosergipana.com.br/. Acesso em 15 de julho 2017.

RIBEIRO, E. T. Diplomacia Cultural: seu papel na política externa brasileira. Brasília: FUNAG, 1989.

SILVA, P.S. Mestres do Fogo: a fabricação dos fogos de artifício em Estância-SE. In: V REUNIÃO EQUATORIAL DE ANTROPOLOGIA, XIV REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO NORTE E NORDESTE – REA, ABANNE. Anais. Maceió/AL, 2015.

__________ “Fogo no beco que o beco está escuro!” A confecção dos fogos de artifício em Estância – SE. IN: 30ª REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA – RBA. Anais. João Pessoa/PB, 2016.

SONTAG, S. Sobre a fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SOUZA, M.S. O Barco de Fogo como Patrimônio Imaterial: subsídios para o registro. Disponível em: http://www.ufs.br/conteudo/2294. Acesso em 20.jul.2017.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Leal, R. E. da S. (2017). Fotografia, Patrimônio e Mundialização da Cultura: um relato de experiência da exposição “Barco de Fogo”. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.558

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo