O Bem Viver como uma Alternativa de Reconfiguração de Cidades Brasileiras

Autores

  • Fernanda Rodrigues Lagares Universidade Federal do Tocantins
  • Cassyo Lima Santos Universidade Federal do Tocantins
  • Katiúcia da Silva Nardes Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.553

Palavras-chave:

Bem Viver, Desenvolvimento, Reconfiguração da Cidade.

Resumo

O objetivo deste trabalho é contribuir para a reflexão acerca da possibilidade de se reconfigurar cidades brasileiras a partir do Bem Viver, filosofia que questiona o conceito eurocêntrico de bem-estar e que pode ser entendida como verdadeiro enfretamento à colonialidade do poder ao regressar a valores de uso, se opor ao conceito de acumulação perpétua e propor harmonia com a natureza, relacionalidade, reciprocidade, solidariedade e complementariedade entre indivíduos e comunidades. Diante da atual crise civilizatória e ambiental provocada pelo capitalismo e seu suporte ideológico calcado no individualismo e no racionalismo, além do espaço que a mesma possibilitou à concepções de desenvolvimento distintas das do capitalistmo e às experiências ecossocioeconômicas, se faz necessário discutir as configurações do maior símbolo de desenvolvimento, na concepção capitalista do termo: das cidades.  No caso do Brasil, essa discussão se torna ainda mais urgente, pois o processo de fundação das primeiras cidades brasileiras, ocorrido a partir da geração de colônias, marcado por invasões e despossessão das populações locais e de exploração de seus territórios,  trouxe sérias consequências às configurações de muitas das cidades atuais, condenando-as a reproduzirem os modos de vida dominantes, coloniais, modernos e capitalistas, e as fazendo incapazes de abrigar  modos de vida adequados aos interesses das diferentes comunidades que compõem o povo brasileiro e as habitam. 

Referências

ACOSTA, Alberto. O Bem Viver, São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo; Autonomia Literária; Elefante, 2016.

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paul: Companhia das Letras, 3ª edição, 1996.

COULANGES, Fustel de. A Cidade Antiga. São Paulo; Editora das Américas S.A. – EDAMERIS, 1961

DEL NEGRI, André. A Divisão no Espaço Urbano. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2012.

DILGER, Gerhard; PEREIRA, Jorge.Apresentação à edição brasileira. Ousar pensar “fora da caixa”. In: LANG, Miriam; DILGER, Gerhard; PEREIRA NETO, Jorge (Org.). Descolonizar o Imaginário. Fundação Rosa Luxemburgo; Autonomia Literária; Elefante, 2016.

FANI, Ana O Espaço Urbano: Novos Escritos sobre a Cidade, São Paulo: FFLCH, 2007.

HARVEY, David. Cidades Rebeldes do Direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014

_________. Alternativas ao neoliberalismo e o direito à cidade. Novos Cadernos NAEA, v. 12, n 12, 2009. Disponível em:

http://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/viewFile/327/513. Acesso em: 13 de abril de 2016.

IBANEZ, Mario Rodriguez. Ressignificando a cidade colonial e extrativista. In: LANG, Miriam; DILGER, Gerhard; PEREIRA NETO, Jorge (Org.). Descolonizar o Imaginário. Fundação Rosa Luxemburgo; Autonomia Literária; Elefante, 2016.

LANG, Miriam. Introdução. Alternativas ao desenvolvimento. In: LANG, Miriam; DILGER, Gerhard; PEREIRA NETO, Jorge (Org.). Descolonizar o Imaginário. Fundação Rosa Luxemburgo; Autonomia Literária; Elefante, 2016.

LEFEBVRE, Henry. O direito à cidade. São Paulo: Centauro. [1968] 2008.

PONTES JUNIOR, Felício de Araújo; BARROS, Lucivaldo Vasconcelos. A natureza como sujeito de direitos. In: LANG, Miriam; DILGER, Gerhard; PEREIRA NETO, Jorge (Org.). Descolonizar o Imaginário. Fundação Rosa Luxemburgo; Autonomia Literária; Elefante, 2016.

Portal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/default_regioes_rurais.shtm

Acesso em: 22 de abril de 2017.

WILLIAMS, Raymond. O campo e a cidade. Na história e na literatura; São Paulo: Companhia das Letras [1973] 1990.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Lagares, F. R., Santos, C. L., & Nardes, K. da S. (2017). O Bem Viver como uma Alternativa de Reconfiguração de Cidades Brasileiras. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.553

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo