Imagens, livros didáticos e colonialidade

Autores

  • Daniel Gordillo Sánchez Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós Graduação em Antropologia Social PPGAS/UFSC.

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.535

Palavras-chave:

colonialidade, ensino de história, indígenas Guarani, livros didáticos, violência epistêmica.

Resumo

O pensamento moderno europeu, sustentado no projeto intelectual do Iluminismo, acabou por instaurar as suas epistemologias nas colônias. Nesse processo, ainda vigente, fabricou-se uma concepção de conhecimento que se reclamava a si mesmo o direito de ser universal, válido e demonstrado. De tal forma, a subalternização e violência física dos impérios contra os povos originários, devia, inexoravelmente, apoiar-se em processos de violência epistémica, de “epistemicídios”, ou na imposição de certas racionalidades em detrimento das formas locais de produção de conhecimento. Assim, este trabalho parte da premissa que a violência também se mostra como um espaço de poder onde se reproduzem representações hegemónicas sobre o Outro indígena, desvalorizado, estereotipado e invisibilizado sistematicamente conforme os interesses das elites econômico-políticas. Da mesma forma, acreditamos que os legados epistêmicos da colonialidade são palpáveis na escola e, principalmente, nos livros didáticos, espaços etnográficos férteis para problematizar os efeitos do projeto colonizador e capitalista de ocidente. Destacamos a utilidade teórico-metodológica destes documentos para analisar a conformação de imaginários sobre os índios e a produção de uma versão da história que busca sedimentar uma identidade nacional determinada. Apresentaremos os resultados preliminares de uma pesquisa de mestrado, concentrada nas formas como é representado o indígena nos livros didáticos de História das escolas municipais da cidade de Foz do Iguaçu. A partir da seleção de algumas imagens obtidas nos livros buscamos problematizar estereótipos e equívocos sobre a questão indígena, e sua relação com os processos de violência contemporânea que sofre o povo indígena Guarani. 

Biografia do Autor

Daniel Gordillo Sánchez, Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós Graduação em Antropologia Social PPGAS/UFSC.

Mestrando em Antropologia Social; Universidade Federal de Santa Catarina; Florianópolis, Santa Catarina, Brasil; Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq.

Referências

ALBERNAZ, Adriana. Antropologia, histórias e temporalidades entre os Ava-guarani de Oco’y (PR). 404 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

ALVES, A.; OLIVEIRA, L.; BORELLA, R. Ligados.com: História, 5º ano: ensino fundamental: anos iniciais. São Paulo: Saraiva, 2014. 160 p.

ALVES, A.; OLIVEIRA, L.; BORELLA, R. Ligados.com: História, 4º ano: ensino fundamental: anos iniciais. São Paulo: Saraiva, 2014(a). 144p.

AMAN, R. 2010. El indígena “latinoamericano” en la enseñanza: representación de la comunidad indígena en manuales escolares europeos y latino-americanos. Estudios Pedagógicos, vol. 36, nº 2, p. 41-50, 2010. Disponível em: http://www.scielo.cl/pdf/estped/v36n2/art02.pdf. Acesso em: 31 nov. 2016.

ATIENZA, E.; VAN DIJK, T.A. Identidad social e ideología en libros de texto españoles de Ciencias Sociales. Revista de Educación, nº 353, p. 67-106, 2010. Disponível em: http://servidormanes.uned.es/mciud/bibliografia/documentos/articulo%20revista%20de%20educacion.pdf. Acesso em: 07 mar. 2017.

BARROS, D.; MARQUES, M.; PIZZATO, M.; LAGEMANN, T. Paraná povo e chão: história e geografia regional, 4º ou 5º ano. Curitiba: Base editorial, 2011. 200p.

BOURDIEU, P. A identidade e representação: elementos para uma reflexão crítica sobre a ideia de região. In: _____________. O poder simbólico, Lisboa, Difel, 1989. p. 107-132.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 março de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 26 julho 2017.

BURKE, Peter. Visto y no visto: El uso de la imagen como documento histórico. Barcelona: Crítica, 2005. 272 p.

BRIGHENTI, C. A colonialidade e decolonialidade no ensino da história e cultura indígena. In: SOUZA, F. de; WITTMANN, L. Protagonismo indígena na História. Tubarão, Erechim: Copiart, UFFS, 2016. p. 231-254.

BRIGHENTI, C. Estrangeiros na própria terra: presença Guarani e Estados Nacionais. Florianópolis: EdUFSC; Chapecó: Argos, 2010. 282 p.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEl, R. (Org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores: Universidad Central: Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos: Pontificia Universidad Javeriana: Instituto Pensar, 2007. 308 p.

CASTRO-GÓMEZ, S. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciencias sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Coleccion Sur Sur, CLACSO, 2005. p. 80-87.

CHARTIER, R. O mundo como representação. Estudos Avançados, vol.5, nº.11, p. 172-191, 1991. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v5n11/v5n11a10.pdf. Acesso em: 14 jan. 2017.

CHARTIER, R. A história cultural entre práticas e representações. Trad. de Maria Manuela Galhardo. Lisboa: Difusão Editora, 1988, 244 p.

CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa. São Paulo, vol. 30, nº. 3, sep./dez., p. 549-566, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n3/a12v30n3.pdf. Acesso em: 15 out. 2016.

CUSICANQUI, Silvia. Ch’ixinakax utxiwa : una reflexión sobre prácticas y discursos. Buenos Aires: Tinta Limón, 2010. 80 p.

DE SOUZA SANTOS, B. Descolonizar el saber, reinventar el poder. Montevideo: Trilce, 2010. 111 p.

ESPINOSA, M. Ese indiscreto asunto de la violencia: modernidad, colonialidad y genocidio en Colombia. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEl, R. (Org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores: Universidad Central: Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos: Pontificia Universidad Javeriana: Instituto Pensar, 2007. p, 267-288.

GOBBI, I. O que os livros didáticos dizem sobre os povos indígenas?. In: TASSSINARI, A.; ALBUQUERQUE, M.; GRANDO, B. (Orgs). Educação indígena: reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: Editora da UFSC, 2012, p. 223-242.

GONZALEZ CASANOVA, P. El colonialismo interno. In: ________. De la sociologia del poder a la sociologia de la explotación: pensar América Latina en el siglo XXI. Bogotá: Siglo del Hombre Editores y Clacso, 2009, p.129-156.

GUANAES, S. O Estado Nacional e as políticas desenvolvimentistas: o “cerco articulado” contra os Guarani na Tríplice Fronteira Sul. Tessituras: Revista de Antropologia e Arqueologia, Pelotas, vol. 3, nº 1, jan./jun, p. 307-336, 2005. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/tessituras/article/view/5553/4155. Acesso em: 11 set. 2016.

GRUPIONI, L. Imagens contraditórias e fragmentadas: sobre o lugar dos índios nos livros didáticos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, vol. 77, nº 186, p. 422-437, 1996. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/1088/1062. Acesso em: 06 jul. 2016.

KOPENAWA, D.; ALBERT, B. A queda do céu : palavras de um xamã Yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. 729 p.

MIGNOLO, W. Capitalismo y geopolítica del conocimiento. In: DUBE, S.; DUBE, I.; MIGNOLO, W. (Eds.). Modernidades coloniales. México: Colegio de México, 2004. p. 227-255.

MONTEIRO, J. 1999. Armas e armadilhas: história e resistência dos índios. In: NOVAES, A. (Org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 238-248.

MUNAKATA, K. 2013. O livro didático: alguns temas de pesquisa. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, vol. 12, nº.3, set./dez., 2013, p. 179-197, 2013. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/1088/1062. Acesso em: 06 jul. 2016.

OLIVEIRA, T. Olhares que fazem a “diferença”: o índio em livros didáticos e outros artefatos culturais. Revista Brasileira de Educação, nº 22, jan./abr., 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n22/n22a04. Acesso em: 07 ago. 2016.

PACKER, Ian. Violações dos direitos humanos e territoriais dos Guarani no Oeste do Paraná (1946-1988): subsídios para a Comissão Nacional da Verdade. Centro de Trabalho Indigenista, 2013.

PRATT, M. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Bauru: Edusc, 1999. 394 p.

PREFEITURA DE FOZ DO IGUAÇU. Coletânea do Município de História e Geografia – 2016. Foz do Iguaçu, 2016. 80 p.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder y clasificación social. CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEl, R. (Org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores: Universidad Central: Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos: Pontificia Universidad Javeriana: Instituto Pensar, 2007. p 93-126.

RESTREPO, E.; ROJAS, A. Inflexión decolonial: fuentes, conceptos y cuestionamientos. Popayán, Colombia: Editorial Universidad del Cauca, 2010. 235 p.

SANTOS, K.; PAIVA, L.; BRAIT, R. Culturas e regiões do Brasil 4º e 5º anos. São Paulo: Global, 2014. 217 p.

SANTOS, S. C. dos. Índios e brancos no sul do Brasil: A dramática experiência dos Xokleng. Florianópolis: Edeme, 1973. 313 p.

SILVA, E. Ensino e sociodiversidades indígenas: possibilidades, desafios e impasses a partir da Lei 11.645 de 2008. Mneme: Revista de humanidades, vol.15, nº 35, jul./dez., p.21-37, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/7485/5816. Acesso em: 07 ago. 2016.

SILVA, A. Implantação da Lei 11.645/2008 no Brasil: um histórico de mobilizações e conquistas. In: SILVA, Edson; SILVA, Maria da Penha da, (orgs.). A temática indígena na sala de aula: reflexões para o ensino a partir da Lei 11.645/2008. Recife: Editora Universitária da UFPE, v. 1, 2013, p. 101-136.

SILVA, E; SILVA, M. As diversidades étnicas no Brasil: desafios às práticas escolares. In _______. A temática indígena na sala de aula: reflexões para o ensino a partir da Lei 11.645/2008. Recife: Editora Universitária da UFPE, v. 1, 2013, p. 181-209.

SPIVAK, G. Can the Subaltern Speak?. In: NELSON, C; GROSSBERG, L. (Eds.). Marxism and the Interpretation of Culture. Urbana: U of Illinois, 1988. p. 271-313.

TODOROV, T. A Conquista da América A questão do Outro. São Paulo: Martins Fontes, 2010. 387 p.

YAÑES, C. Representaciones sociales de las identidades en los textos escolares de ciencias sociales en Colombia. Cadernos de Educação, nº 37, set./dic., p. 15 - 38, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/view/1578/1464. Acesso em: 07 jul. 2017.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Gordillo Sánchez, D. (2017). Imagens, livros didáticos e colonialidade. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.535

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo