Narrativas Guaranis de José de Melo e Silva (1939) na Fronteira Brasil/Paraguai

Autores

  • Wagner Henrique Neres Fiuza Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) e Secretaria Estadual da Educação do Paraná (SEED)
  • Beatriz Anselmo Olinto Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)
  • Tiago Vicente Penteado Bomfim Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.529

Palavras-chave:

José de Melo e Silva, Fronteiras Guaranis, Mato Grosso do Sul, Guaranis, Paraguai.

Resumo

Neste trabalho, entende-se que a produção de conhecimento veiculada por meio de textos e autores foi um alicerce de expansão do modelo de estado nacional brasileiro denominado Estado Novo (1937-1945). Tal produção visava estabelecer limites de atuação do estado, legitimando uma política de valorização do nacional em relação ao elemento estrangeiro. Neste contexto, o trabalho objetiva discutir a visão do outro no texto Fronteiras Guaranis (1939), obra de José de Melo e Silva, à época profundamente engajado com o projeto político de Getúlio Vargas denominado Marcha para Oeste. Em seu trabalho, Melo e Silva constrói a brasilidade em oposição ao “guaranizado” paraguaio, elemento fronteiriço que estaria ameaçando culturalmente a fronteira brasileira. O autor trabalha argumentos eugênicos para caracterizar aquela população, condicionando suas ações por sua etnia, e propondo soluções para integrar aquelas pessoas ao que chamava de civilização brasileira. Entende-se que ao buscar narrar uma história e constituir uma geografia humana na fronteira, Melo e Silva instituiu identidades, (re)criando aquele espaço e com isso delimitando os lugares sociais que deveriam ser ocupados pelos indígenas paraguaios, no geral como mão-de-obra barata para a extração da erva-mate e o treinamento para o trabalho agrícola em escolas profissionais. Tais ideias integram elementos materiais e imateriais do discurso, demarcam e legitimam projetos políticos e processos de classificação e controle estatal de povos indígenas em prol de um modelo de sociedade baseado na agropecuária.

Referências

ALBUQUERQUE JR, Durval Muñiz. A Invenção do Nordeste e outra artes. São Paulo: Cortez, 2011.

CALONGA, Dantielly. A Marcha para Oeste e os intelectuais em Mato Grosso: política e identidade. Revista Espaço Acadêmico. Maringá, n. 168, p. 126-132, Mai. 2015.

CHARTIER, Roger. A Mão do Autor e a Mente do Editor. Assis: Editora UNESP, 2014.

DÁVILA, Jerry. Diploma de Brancura: política racial e social no Brasil (1917-1945). São Paulo: Editora Unesp, 2005.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

________. O que é um autor? In:________. Ditos e Escritos: Estética – literatura e pintura, música e cinema (vol. III). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 264-298.

FIUZA, Wagner Henrique Neres. Do Sul de Mato Grosso ao Mato Grosso do Sul: região e historiografia em torno da obra de José de Melo e Silva. Dissertação [Mestrado em História]. Irati: UNICENTRO, 2017.

FREITAG, Liliane. Extremo-Oeste Paranaense: História Territorial, Região, Identidade e (Re)Ocupação. Tese [Doutorado em História]. Franca: UNESP, 2007.

GARFIELD, Seth. A Luta Indígena no Coração do Brasil. Política Indigenista, a Marcha para o Oeste e os Índios Xavante (1937-1988). São Paulo: Editora Unesp, 2011.

SILVA, José de Melo e. Fronteiras Guaranis. 2 ed. Campo Grande: IHGMS, 2003.

STEPHAN, Nancy. A Eugenia no Brasil – 1917 a 1940. In: HOCHMAN, Gilberto; ARMUS, Diego (orgs). Cuidar, Controlar, Curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio: Editora Fiocruz, 2004

VELLOSO, Mônica Pimenta. Os intelectuais e a política cultural do Estado Novo. Rio de Janeiro: FGV - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, CPDOC, 1987.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Fiuza, W. H. N., Olinto, B. A., & Bomfim, T. V. P. (2017). Narrativas Guaranis de José de Melo e Silva (1939) na Fronteira Brasil/Paraguai. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.529

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo