A Marginalidade em Detrimento da Interculturalidade em Regiões de Fronteira Geográfica Enunciativa

Autores

  • Simone Beatriz Cordeiro Ribeiro Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.510

Palavras-chave:

Fronteira Geográfica Enunciativa, Interculturalidade, Língua Espanhola, Linguística Aplicada, Marginalidade.

Resumo

Este estudo advém de uma pesquisa de doutorado desenvolvida no município de Guaíra, Paraná, a respeito do ensino e da aprendizagem da Língua Espanhola enquanto Língua de Fronteira. Como Guaíra faz fronteira com o Paraguai e recebe muitos alunos estrangeiros que não falam a Língua Portuguesa, situação que tem dificultado o processo de ensino e de aprendizagem no Ensino Fundamental I, realizou-se uma entrevista nas instituições de ensino da cidade buscando traçar como a escola recebe esses alunos e como trabalham com a língua e com a cultura que os discentes trazem consigo, uma vez que a situação evidenciada atualmente pelas fronteiras e seus habitantes tem demonstrado que estas vão além de limites cartográficos e de poder, pois são também espaços de interação linguística, cultural, social, étnica e política, o que as caracteriza como fronteiras geográficas enunciativas (RIBEIRO, 2015). Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa de campo a partir da perspectiva da Linguística Aplicada e da Sociolinguística, quando tratam de direitos linguísticos, das Políticas e Planificações Linguísticas e do Ensino de Línguas sob a perspectiva de Língua(s) de Fronteira (STURZA 2006; RIBEIRO 2015, 2017).

Biografia do Autor

Simone Beatriz Cordeiro Ribeiro, Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)

Doutora em Letras. Docente de Português Língua Adiconal na Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Ciclo Comum de Estudos.

Referências

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 4. ed. Tradução por Paulo Bezerra. São Paulo: Martins fontes, 2003.

CALVET, L. J. Sociolinguística: uma introdução crítica. Tradução de Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2002.

_____. As políticas lingüísticas. Tradução de Isabel de Oliveira Duarte, Jonas Tenfen e Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2007.

CAMPIGOTO, José A. Hermenêutica da fronteira: a fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Florianópolis, 2000. Tese de Doutorado em História. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Florianópolis, 2000.

_____. Narradores de fronteira: malhas da pré-compreensão. Anais do Simpósio Nacional em Ciências Humanas – Universidade e Sociedade. Unioeste, Marechal Cândido Rondon, PR: EDUNIOESTE, junho/2006, p. 153-157.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: BOOKMAn, 2004.

HAMEL, Rainer E. Direitos linguísticos como direitos humanos: debates e perspectives. In OLIVEIRA, Gilvan M de (Orgs.). Declaração universal dos direitos lingüísticos. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003, p. 47- 80.

KULIKOWSKI, María Z. M. La lengua española en Brasil: un futuro promisor. In SEDYCIAS, João (Org.). O ensino do espanhol no Brasil: passado, presente, futuro. São Paulo: Parábola Editorial, 2005, p. 45-52.

KUMARAVADIVELU, B. A linguística aplicada na era da globalização. In MOITA LOPES, Luiz P. da. (Org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 129-148.

LAGARES, Xoán C. Ensino do espanhol no Brasil: uma (complexa) questão de política linguística. In NICOLAIDES, Christine et al. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes, 2013, p. 181-198.

LEFFA, Vilson J. Aspectos políticos da formação do professor de línguas estrangeiras. In LEFFA, Vilson J. (Org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. Pelotas, 2001, v. 1, p. 335-355.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

OLIVEIRA, Gilvan M. de. Políticas linguísticas como políticas públicas. 2013. Disponível em http://e-ipol.org/wp-ontent/uploads/2013/06/Politicas_linguisticas_e_Politicas_publicas. pdf Acesso em set. 2013.

_____. Política Linguística na e para além da Educação Formal. Estudos linguísticos XXXIV, p. 87-94, 2005. Disponível em <<http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/journal%3Aestudos/oliveira_2005_politica.pdf>> Acesso em set. 2013.

PEREIRA, Maria Ceres. O português e as línguas nas fronteiras: desafios para a escola. Revista Siple. Ed. 2. Ano 2, n. 1. Brasília: 2011. Disponível em <http://www.siple.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=172:3-o-portugues-e-as-linguas-nas-fronteiras--desafios-para-a-escola&catid=57:edicao-2&Itemid=92> Acesso em nov. De 2014.

¬_____; COSTA, Rinaldo V. Políticas lingüística: o caso dos cenários bi(multi)língues. In VON BORSTEL, Clarice N. e COSTA-HÜBES, T. da C. (Orgs.). Linguagem, Cultura e Ensino. Cascavel: EDUNIOESTE, 2011, p. 49- 66.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Língua Estrangeira e autoestima. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola, 2003, p. 65-70.

_____. Política linguística: do que é que se trata, afinal? In NICOLAIDES, Christine et al. (Orgs). Política e políticas lingüísticas. Campinas, SP: Pontes, 2013, p, 19-42.

RIBEIRO, Simone B. C. Língua(s) de fronteira: o ensino da Língua Espanhola em Guaíra, Paraná. 2015. 259 páginas. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Cascavel, 2015.

_____; Políticas linguísticas e ensino de língua(s) de fronteira na escola. In Revista Organon. v. 32, n. 62, junho de 2017, p. 1-17, 2017 Disponível em <<http://seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/72274>> Acesso em jul. 2017

RODRIGUES, Bruno C. Ensino de português como língua adicional para hispanofalantes: uma proposta de material didático para o ensino de leitura e escrita em níveis iniciais. Porto Alegre, 2013. Monografia de conclusão de curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. 2013.

SANDÍN ESTEBAN, Maria Paz. Pesquisa qualitativa: fundamentos e tradições. Trad. Miguel Cabrera. São Paulo: Artmed, 2010.

SEDYCIAS, João. Por que os brasileiros devem aprender espanhol? In SEDYCIAS, João (Org.). O ensino do espanhol no Brasil: passado, presente, futuro. São Paulo: Parábola Editorial, 2005, p. 35-44.

STURZA, Eliana R. Línguas de Fronteira e Políticas de línguas: uma história das idéias linguísticas. Campinas, 2006. Tese de Doutorado. Campinas. UNICAMP, 2006.

_____. A Interface Português/Espanhol: a Constituição de um Espaço de Enunciação Fronteiriço. IV Congresso Brasileiro de Hispanistas, 2008, Belo Horizonte: UFMG, v. 1. p. 2537-2545, 2008. Disponível em <<http://www.letras.ufmg.br/espanhol/Anais/anais_paginas%20_2502-3078/Interface%20portugu%EAS.pdf>> Acesso em setembro de 2013.

_____. No tempo e no espaço: mapeando as línguas de fronteira. In I CIPLOM, de 19 a 22 de outubro de 2010. Foz do Iguaçu, 2010, p. 1-7. Disponível em <<http://www.apeesp.com.br/ciplom/Arquivos/artigos/pdf/elianasturza.pdf>> Acesso em setembro de 2013.

VON BORSTEL, Clarice N. Políticas linguísticas e educacionais em situações de línguas em/de contato. LLJournal, v. 8, n. 1, p.1-10. 2013. Disponível em http://ojs.gc.cuny.edu/index.php/lljournal/article/view/1365/1452 Acesso em jun. 2014.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Cordeiro Ribeiro, S. B. (2017). A Marginalidade em Detrimento da Interculturalidade em Regiões de Fronteira Geográfica Enunciativa. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.510

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo