Corporeidades Identitárias no Xirê

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.506

Palavras-chave:

Corporeidade, Educação, Estudos Decoloniais, Etnocenologia, Identidade.

Resumo

Este trabalho relata experiências de um professor de Arte da educação básica da rede pública do Distrito Federal. Apresenta noções de corporeidades sob a perspectiva iorubana presente no Brasil, dialogando com a Etnocenologia e com os Estudos Decoloniais. Objetiva refletir sobre as práticas e comportamentos humanos espetaculares organizados produzidos para ressignificar identidades nas relações de poder da colonialidade. O diálogo proposto aponta o xirê como prática ritualística candomblecista onde acontecem aprendizagens estéticas que redimensionam conceitos de corporeidades negras e potencializam vivências educativas decoloniais. Este texto consiste, sobretudo, em um exercício de tradução a partir do ponto de vista da ecologia de saberes. A metodologia focada na auto-etnografia e na trajetividade busca estabelecer conexões intersubjetivas em que os saberes produzidos prezam pelo reconhecimento do saber sensível presente na expressividade corporal como experiência geradora de conhecimento.

Biografia do Autor

Alberto Roberto Costa, Universidade de Brasília

Mestre em Artes pelo Programa de Pós-graduação do Instituto de Artes da Universidade de Brasília. Professor efetivo da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal desde 1997.  Licenciado em Arte com habilitação em Artes Cênicas pela Faculdade de Artes Dulcina de Moraes - FADM. Atuou sete anos como alfabetizador e tem trabalhado desde 2004 como arte-educador na rede pública. Coordenou o curso de graduação em licenciatura em Artes Cênicas na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes nos anos de 2015 e 2016. Exerceu o cargo de coordenador intermediário de Ensino Fundamental na Coordenação Regional do Gama em 2013 e coordenador intermediário de Educação em Direitos Humanos e Diversidade da Coordenação Regional do Plano Piloto e Cruzeiro em 2016.

Referências

ARAÚJO, Ubiratan Castro de. A Chegada dos Sem Nome: Uma Reportagem Histórica. In: Revista Palmares em Ação, vol. 1, n. 1, pp. 46-53, 2002.

BALLESTRIN, Luciana. A América Latina e o giro decolonial. IN: Revista Brasileira de Ciência Política. n. 11, Brasília, maio-agosto de 2013, pp. 89-117.

BIÃO, Armindo Jorge de Carvalho. Etnocenologia e a Cena Baiana: Textos Reunidos. – Salvador: P&A Gráfica e Editora, 2009.

——————. A Comunicação nas Encruzilhadas da Esfinge, de Hermes, Mercúrio, Exu e Maria Padilha: Ditos e Não-ditos, Interditos e Mal-entendidos. In: Revista Famecos, Porto Alegre, n. 40, dezembro de 2009a.

BIKO, Steve Bantu. Escrevo O Que Eu Quero. – São Paulo, SP: Editora Ática, 1990.

CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos Terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de candomblé. – 1ª ed. – Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

DOMENICI, Eloisa. A Pesquisa das Danças Populares Brasileiras: Questões Epistemológicas para as Artes Cênicas. IN: Cadernos do GIPE-CIT: Grupo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Contemporaneidade, Imaginário e Teatralidade. Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – Salvador: UFBA, n. 23, pp. 7-18, out. 2009.

FANON, Franz. Os Condenados da Terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

FORTIN, Silvie. Contribuições Possíveis da Etnografia e da Auto-etnografia para a Pesquisa na Prática Artística. In: Revista Cena, Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas do Instituto de Artes da Universidade do Rio Grande do Sul, n. 7, pp. 77-88, 2009.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso: aula inaugural no Collège de France pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 21. ed. São Paulo: Loyola, 2011.

——————. Arqueologia do Saber. – 3ª ed. – Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

——————. Microfísica do Poder. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

——————. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 39. ed. Petrópolis, RJ : Vozes, 2011.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e Cabelo como Símbolos da Identidade Negra. [On-line], 2012. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/Corpo-ecabelo-como-s%C3%ADmbolos-da-identidade-negra.pdf. Acessado dia 30/10/2015.

——————. Sem Perder a Raiz: Corpo e Cabelo como Símbolos da Identidade Negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

LIGIÉRO, Zeca. Corpo a Corpo: Estudo das Performances Brasileiras – Rio de Janeiro: Garamond, 2011.

LUZ, Marco Aurélio de Oliveira. Agadá: Dinâmica da Civilização Afro-brasileira. – Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA: Sociedade de Estudos da Cultura Negra no Brasil, 1995.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. – Lisboa: Antígona Editores Refractários, 2014.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: Usos e Sentidos. São Paulo: Editora Ática, 2ª ed., 1988.

——————. Rediscutindo a Mestiçagem no Brasil: Identidade Nacional Versus Identidade Negra. 2 ed. – Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

NASCIMENTO, Abdias. Quilombismo. – 2ª ed. – Brasília/Rio de Janeiro: Fundação Cultural Palmares/OR Editor Produtor Editor, 2002.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Filosofia da Ancestralidade como Filosofia Africana: Educação e Cultura Afro-brasileira. In: Revista Sul-americana de Filosofia e Educação, Brasília, n. 18, pp. 28-47, maio-out/2012

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder: eurocentrismo e América Latina. IN: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. pp.227-278.

PRADIER, Jean-Marie. Etnocenologia. IN: BIÃO, Armindo Jorge de Carvalho; GREINER, Christine (orgs.). Etnocenologia: textos selecionados. - São Paulo: Annablume, 1999.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. – São Paulo: Cia das Letras, 2001.

SÀLÁMI, Síkírù & RIBEIRO, Ronilda Iyakemi. Exu e a Ordem do Universo. São Paulo: Editora Oduduwa, 2011.

SANTOS, Boaventura de Souza & MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Su. – Coimbra: Edições Almedina, 2009.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nàgó e a Morte: Pàde, Asèsè e o Culto Égun na Bahia.12. ed. – Petrópolis: Vozes, 2007.

SILVA, Nelson Fernando Inocêncio da. Museu afro-Brasil no Contexto da Diáspora: Dimensões Contrahegemônicas das Artes e das Culturas Negras. Tese de doutorado em Artes pela Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

——————. Representação Visual do Corpo afro-descendente. In: PANTOJA, Selma (org.) et alii. Entre Áfricas e Brasil. – Brasília: Paralelo 15 – São Paulo, Marco Zero, 2001.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y Colonialidad del Poder. Um pensamento y posicionamento “otro” desde la diferencia colonial. IN: CASTRO-GOMEZ, Santiago & GROSFOGUEL, Ramón. El Giro Decolonial: reflexiones para uma diversidade epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

——————. Interculturalid y (de)colonialidade: Perspectivas críticas y políticas. Visão Global, Joaçaba, v. 12, n. 1-2, p.61-74, jan./dez. 2012.

——————. Interculturalidade e Educação Intercultural. IN: Seminário “Interculturalida y Educación Intercultural”. 2009. Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, La Paz, 9-11 de marzo de 2009.

——————. Pedagogías Decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir,(re)existir y (re)vivir. Tomo I – Quito-Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.

Downloads

Publicado

31/12/2017

Como Citar

Costa, A. R. (2017). Corporeidades Identitárias no Xirê. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.506

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo