Relações do trágico em Combate de Negro e de Cães de Bernard-Marie Koltès: da teoria à prática

Autores

  • Lucas Ribeiro Galho Universidade Federal de Pelotas http://orcid.org/0000-0002-4813-3932
  • Fernanda Vieira Fernandes Universidade Federal de Pelotas
  • Maria Amélia Gimmler Neto Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v3i2.407

Palavras-chave:

Cultura, Artes, Literatura

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo analisar e discutir o texto Combate de negro e de cães (1979), de Bernard-Marie Koltès, buscando entendê-lo como um exemplar trágico no fim do século XX. A partir da investigação acerca dos componentes dramáticos que conferem tragicidade à peça, bem como dos elementos propulsores do trágico na atualidade, tentar-se-á estabelecer um diálogo breve e inicial entre o texto (objeto de estudo do autor no trabalho de conclusão do curso de Teatro-Licenciatura da Universidade Federal de Pelotas) e a montagem do espetáculo Combate: corpos mortos, vivos e por vir, realizado pelo “Laboratório de Dramaturgismo e Direção Rotativa de Cenas” da referida instituição, coordenado pelas professoras Dra. Fernanda Vieira Fernandes e Ma. Maria Amélia Gimmler Netto. Apoiada na obra de Koltès e abordando temas pertinentes para a sociedade contemporânea, a encenação institui o racismo e o machismo como seus motores dramáticos, estabelecendo-os como importante pauta de debate.

Downloads

Publicado

10/08/2017

Como Citar

Galho, L. R., Fernandes, F. V., & Neto, M. A. G. (2017). Relações do trágico em Combate de Negro e de Cães de Bernard-Marie Koltès: da teoria à prática. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 3(2), 29–43. https://doi.org/10.23899/relacult.v3i2.407

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo