Mitos fronteiriços como resgate memorialístico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.311

Palavras-chave:

mitos, fronteira, identidade

Resumo

Acredita-se s que pela análise mítica seja possível resgatar a memória e a identidade de determinada região. Na fronteira do sul do Brasil com o Uruguai, nas cidades Jaguarão e Rio Branco, as narrativas de teor mítico parecem permear o imaginário dos habitantes e fazer parte da identidade local. Uma primeira alusão a esses mitos está no nome Jaguarão, oriundo do mito do Jaguar, que pode ser considerado um mito primordial, visto que conta a origem de uma cidade. No contato com a produção musical desenvolvida na referida fronteira percebe-se a influência de narrativas míticas, transmitidas pela oralidade por narradores sociais como pescadores, benzedeiras, peões de estâncias, avós, pais, etc. A partir da análise de algumas músicas pretende-se apresentar alguns mitos regionais mostrando como o estudo de mitos pode contribuir para um resgate memorialístico e da identidade fronteiriça.

Palavras-Chave: mito, fronteira, memória

 

Biografia do Autor

Ariane Borba Clos, Universidade Federal de Pelotas Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Mestra em Letras Teoria da Literatura (PUCRS);Licenciada em Letras Português, Espanhol e respectivas literaturas (PUCRS) 

Atualmente é professora tutora no curso de Letras Espanhol EAD da UFPEL.

Referências

Referências

CAMPBELL, Joseph, O poder do mito, com Bill Moyers; org. por Betty Sue Flowers;

tradução de Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena, 1990

DIAS, Renato. Lugares de fronteira: espaço territorial, simbólico e identitário – um ensaio.In Temporalidades – Revista Discente do Programa do Programa de Pós-graduação em História da UFMG, vol. 3n. 1. , 2011 Disponível em: http://www.fafich.ufmg.br/temporalidades/pdfs/05p275.pdf Acesso em ago de 2016

ELIADE, Mircea. Mito y realidad. Madrid: Guadarrama, 1968.

HALL, Stuart.A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

JUNG, Carl. O homem e seus símbolos. Rio de Janeiro:Nova Fronteira, 2008.

MAZZEI, Enrique. Fronteras que nos unen y límites que nos separan. Melo: Imprenta CBA, 2013.

RAMIREZ, Helio; TIMM, Paulo; CESAR, Martim. Caminhos de si. O tempo. Direção artística: Paulo Timm. Pelotas: Estudio Levi, 2015. 1 CD (70 min). Disponível em:

http://ofiodanavalha.com/playlist/caminhos-de-si-o-tempo/ acesso em set de 2016.

VELLOSO, Monica. História, Literatura e memória: uma discussão sobre universos fronteiriços. Mouseion, n11, jan-abr, 2012, p.4-22, 2012. Disponível em :http://www.revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Mouseion/article/view/364 Acesso em ago de 2016.

ZANOTELLI, Jandir. América Latina: raízes sócio-político-culturais. Pelotas: Educat, 1999.

Downloads

Publicado

31/12/2016

Como Citar

Clos, A. B. (2016). Mitos fronteiriços como resgate memorialístico. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(4), 864–873. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.311

Edição

Seção

Dossiê - História, Memória e Identidades