“Deise Nunes- Daqui para o Brasil e o Mundo”: A representação da mulher negra em concursos de beleza

Autores

  • Beatriz Floôr Quadrado Mestre em História pela UFPel

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.283

Palavras-chave:

Deise Nunes, concursos, gênero, mulata, mulher negra.

Resumo

O presente trabalho é parte de uma pesquisa de dissertação de mestrado sobre um concurso intitulado “Miss Mulata” da cidade de Arroio Grande (RS), neste recorte, pretende-se abordar a trajetória de Deise Nunes. Ela participou deste certame em 1982, e de muitos outros concursos, até chegar ao título de Miss Brasil em 1986. Deise ter sido coroada como representante do Brasil se contrapõe a vários estereótipos de beleza, contrário a um padrão de branquitude, em que brancos são super valorizados. Deise causou surpresas ao representar o Estado Gaúcho e o país da miscigenação que sempre havia enviando para o Miss Universo mulheres brancas, e, preferencialmente, loiras. A principal metodologia utilizada nesta pesquisa foi a história oral, além de pesquisa em acervos de jornais.

Biografia do Autor

Beatriz Floôr Quadrado, Mestre em História pela UFPel

Graduação em Licenciatura Plena em História (UFPel); Especialização em Direitos Humanos e Cidadania (UNIPAMPA); Mestrado em História (UFPel)

Referências

FIGUEIREDO, Ângela. “Cabelo, cabeleira, cabeluda e descabelada”: Identidade, Consumo e manipulação da aparência entre os negros brasileiros. XXVI Reuniaão Anual da Associação Nacional de Pós- Graduação e pesquisa em Ciências Sociais, Caxambu, Outubro de 2002.

GIACOMINI, Sonia Maria. A Alma da Festa: família, etnicidade e projetos num clube social da Zona Norte do Rio de Janeiro. O Renascença Clube. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro, IUPERJ, 2006.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Preconceito Racial: modos, temas e tempos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GOMES, Nilma Nilo. Sem Perder a Raíz: Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. 2ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

HALL, Stuart. The work of representation. In: HALL, Stuart (Org.) Representation: Cultural representation and cultural signifying practices. London/Thousand Oaks/New Delhi: Sage/Open University, 1997. Pág. 15-64

MUNANGA, Kabengele. Negritude: Usos e Sentidos. 3. ed, Belo Horizonte: Auntêntica Editora, 2012.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 3ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NOVAIS, Joana de Vilhena. Beleza e feiura: corpo feminino e regulação social. IN: DELPIORE, Mary Del; AMANTINO, Márcia (org.). História do corpo no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

OLIVEIRA, Carolina dos Santos de. Adolescentes Negras: relações raciais, discurso e mídia impressa feminina na contemporaneidade. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

PACHECO, Ana Cláudia Lemos. Mulher Negra: afetividade e solidão. Salvador: ÉDUFBA, 2013.

SANT’ ANNA, Mara Rúbia. Concurso de Beleza: discursos e sujeitos. III Colóquio Nacional de Moda; 2014; Universidade Federal de Santa Catarina. Florianopolis: UDESC,2014.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese de Doutorado- Programa de Pós- Graduação em Psicologia. Instituto de psicologia de São Paulo. São Paulo, 2012.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

XAVIER, Giovana. Brancas de almas negras?: beleza, racialização e cosmética na imprensa negra pós- emancipação (Estados Unidos, 1890-1930), Campinas. São Paulo: 2012.

Downloads

Publicado

31/12/2016

Como Citar

Quadrado, B. F. (2016). “Deise Nunes- Daqui para o Brasil e o Mundo”: A representação da mulher negra em concursos de beleza. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(4), 349–361. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.283

Edição

Seção

Dossiê - Estudos de Gênero, Feminismo e Sexualidades