NOS INTRAMUROS DO LICEU: violência escolar em Belo Horizonte.

Autores

  • Paulo Tiego Gomes de Oliveira Polícia Militar de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.277

Palavras-chave:

Ambiente escolar. Cútis. Preconceito.Sexo Biológico.

Resumo

O artigo apresenta dados sobre fenômenos violentos resultantes de questões étnico-raciais no ambiente escolar de Belo Horizonte em 2014 e 2015. Identifica qual grupo étnico-racial figura como vítima mais recorrente de crimes e contravenções em escolas públicas do ensino médio na capital mineira. Observando a dinâmica que se constrói no cenário escolar diante das implicações étnico-raciais resultantes de preconceito e racismo, tem como referencial teórico Charlot, Gomes, Munanga, Soares e Teixeira. Utiliza leis em vigor, dentro dos temas de educação, racismo, preconceito e violência racial. A hipótese é que são os indivíduos de etnia negra (pardos e pretos) os mais vitimizados. Utiliza a metodologia quantitativa, através da coleta de boletins de ocorrência policial buscando discutir e refletir sobre a possível naturalização da violência contra grupos étnico-raciais negros dentro do ambiente escolar.

Biografia do Autor

Paulo Tiego Gomes de Oliveira, Polícia Militar de Minas Gerais

Mestre em Ciências Sociais e bacharelado na mesma ciência (2014 e 2011, respectivamente) pela Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais. Sou analista criminal do Estado de Minas Gerais, realizando estudos sobre crime, criminalidade, seguranca publica e violencia. Tenho experiencia na area de Ciencias Sociais, principalmente a Sociologia, atuando nos seguintes temas: seguranca publica, direitos humanos, violencia domestica, violencia de generoe politicas publicas direcionados as questoes da sociedade contemporanea.

Referências

ANISTIA INTERNACIONAL. Jovem negro vivo. Disponível em: https://anistia.org.br/campanhas/jovemnegrovivo/ Acesso em: 28 dez 2015.

BRASIL. Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010: Institui o Estatuto da Igualdade Racial, 2010.

CHARLOT, B. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, n.8, p. 432-443, 2002.

CORRÊA, Silvia Saldanha; CARNEIRO, Maria Da Conceição Araújo. Violência no Meio Escolar: Desafio da Educação para a Cidadania. Montevideu, 2008.

COSTA, Eloísa Helena de Campos. A trama da violência na escola. Rio de Janeiro. 253p. Dissertação (mestrado). Fundação Getúlio Vargas, 1993.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. In: Educação e sociedade. Campinas, vol.28, n.100- Especial, p. 1.105-1.128, out. 2007.

EXAME, Revista. Liceu de Aristóteles: novo parque arqueológico em Atenas. 2014. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/noticias/liceu-de-aristoteles-novo-parque-arqueologico-em-atenas. Acesso em: 22 jan 2016.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e Cabelo como ícones de construção de beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP. 2002.

_________________. Educação e relações raciais: Refletindo sobre algumas estratégias de atuação. In: Revista USP, São Paulo, nº 68, p.46-57, dezembro/fevereiro 2005.

_________________. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. 2012. Disponível em: <http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/Alguns-termos-e-conceitos-presentes-no-debate-sobre-Rela%C3%A7%C3%B5es-Raciais-no-Brasil-uma-breve-discuss%C3%A3o.pdf. > Acesso 23 abr 2016.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Raça, cor, cor de pele e etnia. Revista Cadernos de campo. São Paulo, v.20, p. 1-360, Jan-Dez./2011. Revistas dos alunos de pós-graduação em Antropologia Social da USP.

MUNANGA, Kabengele. Identidade, cidadania e democracia: algumas reflexões sobre os discursos antirracistas no Brasil. In: SPINK, Mary Jane Paris (Org.) A cidadania

em construção: uma reflexão transdisciplinar. São Paulo: Cortez, p.

-187, 1994.

NOLETO, Marlova. In: PELLEGRINI, Luiz. Violência nas escolas: ela reproduz as loucuras da nossa sociedade. 2014. Disponível em: http://www.brasil247.com/pt/247/revista_oasis/140608/Viol%C3%AAncia-nas-escolas-ela-reproduz-as-loucuras-da-nossa-sociedade.htm. Acesso em 10 out 2016.

PERRENOUD, Philippe. Pedagogia diferenciada: das intenções à ação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SANTOS, Sales Augusto dos. Ação Afirmativa ou a Utopia Possível: o perfil dos professores e dos pós-graduandos e a opinião destes sobre ações afirmativas para os negros ingressarem nos cursos de graduação da UnB. Relatório Final de Pesquisa. Brasília: ANPEd/ 2° Concurso Negro e Educação, mimeo, 2002.

SOARES, Leôncio. Diretrizes Curriculares Nacionais. Educação de jovens e adultos. Rios de Janeiro, DP&A, 2002.

Downloads

Publicado

31/12/2016

Como Citar

Oliveira, P. T. G. de. (2016). NOS INTRAMUROS DO LICEU: violência escolar em Belo Horizonte. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(4), 495–506. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i4.277

Edição

Seção

Dossiê - Alteridades, Interseccionalidades e Educação