Decolonialidade na formação de professores/as e interlocuções no ensino de ciências e matemática

um olhar sobre teses e dissertações

Autores

  • Débora Santos de Andrade Dutra Instituto Federal do Espírito Santo https://orcid.org/0000-0003-3592-4521
  • Bruno Andrade Pinto Monteiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v8i2.2250

Palavras-chave:

Decolonialidade, Ensino de ciências e Matemática, Formação de professores, revisão sistemática

Resumo

Neste trabalho apresenta-se um panorama sobre pesquisas que trazem interlocuções entre a decolonialidade e a formação de professores/as a partir de teses e dissertações, a fim de obter um cenário dessas produções, investigar o que tem sido desenvolvido e verificar que questões estão sendo discutidas nesse contexto. Por tratar-se de um trabalho de revisão, para atingir os objetivos da pesquisa foram definidas as etapas do processo para percurso metodológico. Foram analisadas 24 teses e dissertações das quais oito apresentaram aproximações com as áreas de ensino de ciências e matemática. Percebeu-se que há um crescente interesse pelo tema, mas ainda há pouco enfoque nos professores/as e na formação, em especial no âmbito do ensino de ciências e matemática. Os estudos em perspectiva decolonial mostraram-se importantes visto que a estrutura escolar está historicamente balizada pela experiência do processo colonial que subvaloriza e desconsidera diversas experiências e aspectos das subjetividades dos estudantes. As pesquisas demonstram que as discussões que permeiam o pensamento decolonial precisam ser articuladas na formação de professores/as, desde a educação básica até a educação superior, tanto na formação inicial quanto continuada. Pensar a escola e os processos formativos de professores/as numa perspectiva da decolonial é um desafio que traz uma amplitude de possibilidades de pesquisas a serem desenvolvidas, a fim de contribuir para uma educação emancipatória e, portanto, uma sociedade com equidade, respeito à democracia e inttercultural em sua plenitude.

Biografia do Autor

Débora Santos de Andrade Dutra, Instituto Federal do Espírito Santo

Doutora em Educação em Ciências e Saúde (PPGECS/UFRJ); Instituto Federal do Espírito Santo, Campus Vila Velha; ES, Brasil. debsad1@yahoo.com.br.

Bruno Andrade Pinto Monteiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Educação em Ciências e Saúde (PPGECS/UFRJ). Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Saúde /Nutes. Universidade Federal do Rio de Janeiro; Macaé, RJ, Brasil. bpmonteiro@gmail.com

Referências

ARAÚJO, M. D. “Demarcando Território”: Tensionamentos nas Pesquisas de Autoria Indígena no Contexto da Formação Intercultural para Educadores Indígenas (FIEI). 2019. 165 f. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais.

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 11, p. 89–117, ago. 2013.

BRASIL. Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9. 394, de 20 de dezembro de 1996.Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

BRASIL. Lei 11.645/08 de 10 de março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

CASTRO, D. J. F. de A.; MONTEIRO, B. A. P. A decolonialidade no ensino de ciências através da análise dos trabalhos publicados no ENPEC. In.: XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (XII ENPEC). P. 1-6. Natal – RN. 2019.

CALDERONI, V. A. M. de O. Professores indígenas e educação superior: traduções e negociações na Escola Indígena Ñandejara da Aldeia Te’ýikue, Caarapó/MS. 2015. 292 f. Tese (doutorado em educação) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2015.

CARDOSO, S. M. B. Indícios de uma perspectiva (de)colonial no discurso de professores (as) de química: desafios e contribuições para a educação das relações étnico-raciais. 2019. 105 f. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

CUNHA, F. S. R. A pesquisa na formação inicial de professores de Ciências no Timor-Leste: Contribuições do Grupo de Estudos sobre Ensino de Ciências e Tecnologia (GEECITE). Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

DUTRA, D. S.de A.; CASTRO, D. J. F. A.; MONTEIRO, B. A. P. Educação em ciências e decolonialidade: em busca de caminhos outros. In: MONTEIRO, B. A. P.; DUTRA, D. S. de A.; CASSIANI, S.; SANCHEZ, C.; OLIVEIRA, R. D. V. L. (Org.). Decolonialidades na Educação em Ciências (Coleção culturas, direitos humanos e diversidades na educação em ciências). 1ed.São Paulo: Livraria da Física, 2019, v. 1, p. 1-17.

DUTRA, D. S. A; MONTEIRO, B. A. P. Interlocuções entre a decolonialidade e a formação de professores: um cenário em perspectiva. Revista Eletrônica Debates Em Educação Científica E Tecnológica, v. 10, p. 94-128, 2021.

DUTRA, D. S. A. MONTEIRO, B. A. P. Decolonialidade e formação de professores: reflexões a partir de uma proposta de formação docente. Anais do XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Campina Grande: Realize Editora, 2021.

FERREIRA, M. G. Sentidos da educação das relações étnico-raciais nas práticas curriculares de professores (a)s de escolas localizadas no meio rural. 2013. 179 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, 2013

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 46. ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2005.

GONDIM, M. S. da C. A história de um bordado: saberes populares como temas geradores de uma educação CTS na formação de professores de química. 2019. 278 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília. 2019.

GIRALDO, V. FERNANDES, F. S. Caravelas à Vista: Giros Decoloniais e Caminhos de Resistência na Formação de Professoras e Professores que Ensinam Matemática. Perspectivas da Educação Matemática – INMA/UFMS – v. 12, n. 30 – Ano 2019.

JESUS, Y. L. de. Potencialidades e desafios ao ensino de ciências em uma escola indígena kurâ-bakairi a partir da pesca com o timbó: perspectivas interculturais e decolonial. 2019. 106 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão. 2019.

MATOS, D. Experiências com matemática(s) na escola e na formação inicial de professores: desvelando tensões em relações de colonialidade. 2019. 171 f. Tese (Doutorado em Ensino de Matemática) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, nº 34, p. 287-324, 2008.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: retórica da modernidade, lógica da colonialidade e gramática da descolonialidade. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

MONTEIRO, B. A. P.; DUTRA, D. S. de A.; CASSIANI, S.; SANCHEZ, C.; OLIVEIRA, R. D. V. L. (Org.). Decolonialidades na Educação em Ciências (Coleção culturas, direitos humanos e diversidades na educação em ciências). 1ed.São Paulo: Livraria da Física, 2019. 395p.

NASCIMENTO, H. A. S. ; MONTEIRO, B. A. P. Questões onto-epistêmicas e educação em ciências: reflexões a partir de Judith Butler e Aníbal Quijano. Revista Eletrônica Debates Em Educação Científica E Tecnológica, v. 10, p. 290-290, 2021.

OLIVEIRA, M. R. de. Angústia e colonialidade do ser: percepção sobre LGBTfobia em estudantes de licenciatura em pedagogia e em física do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco. 2018. 229f. Dissertação (Mestrado em Educação Contemporânea) – Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru. 2018.

POSO, F. F.; MONTEIRO, B. A perspectiva decolonial nos cursos de formação de professores: uma revisão de literatura. Revista Pedagógica, v. 23, p. 1-18, 2021.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In.: SANTOS, B. de S. MENESES, M. P. (Orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo. Cortez, 2010.

RAMOS, A. FARIA, P. M. FARIA, Á. Revisão sistemática de literatura: contributo para a inovação na investigação em Ciências da Educação. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 41, p. 17-36, jan./abr. 2014.

RAMOS, G. C. Sistema de numeração e pinturas corporais Javaé: a etnomatemática por uma relação dialógica entre cultura e educação escolar. 2016. 155f. (Dissertação de Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia. 2016.

SANTOS, B. de S. Do Pós-Moderno ao Pós-Colonial e para além de um e outro. In.: Conferência de Abertura do VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais. 16 a 18 de setembro. Coimbra. 2004.

WALSH, C. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In. CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-43

WALSH, C. Notas pedagógicas desde las grietas decoloniales. Clivajes. Revista de Ciencias Sociales. Año II, Núm. 4, julio-diciembre 2015.

WALSH, C. Pedagogías Decoloniales. Práticas Insurgentes de resistir, (re)existir e (re)vivir. Serie Pensamiento Decolonial. Editora Abya-Yala. Equador, 2017.

Downloads

Publicado

14/09/2022

Como Citar

Dutra, D. S. de A., & Monteiro, B. A. P. (2022). Decolonialidade na formação de professores/as e interlocuções no ensino de ciências e matemática: um olhar sobre teses e dissertações. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 8(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v8i2.2250

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo