Apropriação cultural, colonialidade e mobilidades no Antropoceno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v8i1.2236

Palavras-chave:

Antropoceno, apropriação cultural, colonialidade, emergência climática, mobilidades

Resumo

Desde a expansão humana sobre a Terra, as trocas e interferências de diversos povos se constituíram como base para infinitos aspectos da cultura. O conceito de apropriação cultural pressupõe disputas simbólicas, identitárias, comparações e também formas de dominação assentadas na modernidade e nos seus efeitos nos dias de hoje, a colonialidade. O artigo pretende tensionar o conceito de apropriação cultural como uma desestabilização de modos de vida, utilizando como argumento as mobilidades, em especial a automotiva, em diálogo com o Antropoceno e a emergência climática. Em rápido percurso sobre fatos que dizem respeito a essa discussão, o texto se concentra, posteriormente, na mudança dos modais de transporte de Salvador ao longo dos séculos. Tal mudança visava, em últimas instância, a inserção de aspectos culturais eurocentrados em detrimento de outras práticas sociais ligadas aos modos de se mover que constituíram esse território antes da chegada do colonizador.

Biografia do Autor

Marcelo de Trói, NuCuS/UFBA

Doutor e Mestre em Cultura e Sociedade pelo Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos da Universidade Federal da Bahia. É membro do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Culturas, Gêneros e Sexualidades - NUCUS (Cult/IHAC), onde coordena a linha de investigação Corpos, Cidades e Territorialidades Dissidentes. E-mail: troimarcelo@gmail.com

Referências

ANSHELM, J.; HUTLMAN, M. A green fat Climate change as a threat to the masculinity of industrial modernity. Norma: International Journal for Masculinity Studies, vol 9, n. 2, p. 84-86, 19 Mai. 2014.

ARAÚJO, U. A Baía de Todos os Santos: um sistema geo-histórico resistente. In: CAROSO, C.; TAVARES, F.; PEREIRA, C. (Org.). Baía de Todos os Santos: aspectos humanos. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 49-67.

ASEGA, S.; BHABHA, H. K.; BORDOWITZ, G.; KEE, J.; KUO, M.; KURIAN, A.; SATTERWHITE, J. Apropriação cultural: uma mesa redonda. Porto Arte: Revista de Artes Visuais. Porto Alegre: PPGAV-UFRGS, v. 22, n. 37, p.1-24, jul.-dez. 2017.

BHABHA, H.K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

CASTRO GÓMEZ, S. Decolonizar la universidad: la hybris del punto cero y el diálogo de saberes. In: CASTRO GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Instituto Pensar, 2007, p. 79-91.

CHAKRABARTY, D. O clima da história: quatro teses. Revista Sopro, n.91, [S.l.], p. 02-22, julho 2013.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2010.

DESCOLA, P. Outras naturezas, outras culturas. São Paulo: Editora 34, 2016.

FRANZ, F.. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

GORZ, A. A ideologia social do automóvel. In: LUDD, N. (Org). Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2005, p. 73-82.

HALL, S.. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

LATOUR, B.. Down to Earth: politics in the new climatic regime. Polity press: Cambridge, 2018.

MIGNOLO, W. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 32, n. 94, p. 01-18, 2017.

MOORE, J. W. Anthropocene or Capitalocene? Nature, history, and the crisis of capitalism. Okland: PM Press, 2016.

PERES, F. R. Memória da Sé. Salvador: Editora Corrupio, 2009.

REIS, J. J. Ganhadores: a greve negra de 1857 na Bahia. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SHELLER, M.; URRY, J. The new mobilities paradigm. Evironment and Planning A, vol. 38, p. 207-226, 2006.

TROI, M. Carrocracia: fluxo, desejo e diferenciação na cidade. Revista Periódicus, Salvador, vol. 1, n.8, p. 270-298, nov. 2017.

TROI, M. Salvador, cidade movente: corpos dissidentes, mobilidades e direito à cidade. 387 p. Tese (Doutorado Multidisciplinar em Cultura e Sociedade) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2021.

TROI, M.; CARVALHO, P. R. J. Mobilities, climate change and rights of city. International Journal of Advanced Engineering Research and Science, v. 7, n. 11, 27 nov. 2020.

URRY, J. The “system” of automobility. Theory, Culture & Society, Vol. 21, n. 4-5, p. 25-39, 2004.

VERGUEIRO, V. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. 244 p. Dissertação (Mestrado Multidisciplinar em Cultura e Sociedade) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

Downloads

Publicado

15/04/2022

Como Citar

Trói, M. de. (2022). Apropriação cultural, colonialidade e mobilidades no Antropoceno. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 8(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v8i1.2236

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo