Ensino de ciências da natureza e diversidade: epistemologias emergentes em periódicos latino-americanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i2.2180

Palavras-chave:

Diversidade cultural, Ensino de ciências da natureza, Epistemologias do Sul, Epistemologias emergentes, Multiculturalismo

Resumo

Este artigo aborda a inserção do ensino de ciências da natureza em discussões transversais contemporâneas a partir da realização de um estado da arte em periódicos latino-americanos, envolvendo o tema da diversidade cultural no contexto da produção de conhecimentos. Os estudos decoloniais e as noções de epistemologias emergentes e epistemologias do Sul foram utilizados como aportes teóricos na investigação. O estudo sobre as publicações utilizou como referencial a análise de conteúdo e entre os resultados principais do levantamento, destacamos: o pequeno número de publicações relacionadas mais diretamente às ciências da natureza; a potencialidade da astronomia para tratar da construção do conhecimento em uma perspectiva plural no campo das ciências naturais; a maior recorrência de trabalhos voltados à matemática, tendo em vista o desenvolvimento de áreas como a etnomatemática; a utilização de perspectivas decoloniais como referencial teórico em discussões sobre outras epistemologias na América Latina.

Biografia do Autor

Marta de Souza Rodrigues, Universidade de São Paulo (USP)

Mestra e doutoranda em Ensino de Ciências pela Universidade de São Paulo (USP); Licenciada em Física pela USP; Bacharela e Licenciada em História pela USP. Professora de Física na educação básica. E-mail:
martasouza@usp.br

Cristina Leite, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP); Mestra em Ensino de Ciências pela USP;
Licenciada em Física pela USP. Professora do Instituto de Física da USP; orientadora do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências (USP). E-mail: crismilk@usp.br

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora 70, 2006.

BECK, U. Capítulo 7: Ciência para além da verdade e do esclarecimento? Reflexividade e crítica do desenvolvimento científico-tecnológico. In: BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2011. p. 235-274.

BERISSO, D. C. ¿Decolonialidad bancária? Desafíos performativos de una renovada pedagogia liberadora. IXTLI - Revista Latinoamericana de Filosofía de la Educación, v. 4, n.7, p. 33-48, 2017. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6195263. Acesso em: 19 mai. 2021.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. (1994). Fundamentos teóricos. In: R BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. (Org.). Investigação Qualitativa em Educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, 1994. p. 52-74.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 21 dez. 2020.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília, DF: Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental, 1998.

CANTORAL, R.; FARFÁN, R.; LEZAMA, J.; MARTÍNEZ-SIERRA, G. (2006). Socioepistemología y representación: algunos ejemplos. Relime - Revista Latinoamericana de Investigación en Matemática Educativa, v. 9, número especial, p. 83-102, 2006. Disponível em: http://funes.uniandes.edu.co/9702/1/Cantoral2006Socioepistemologia.pdf. Acesso em: 19 mai. 2021.

CARVALHO, J. J. Encontro de Saberes e descolonização: para uma refundação étnica, racial e epistêmica das universidades brasileiras. In: BERNARDINO-COSTA, J.; MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte, Minas Gerais: Autêntica Editora, 2019. p. 79–106.

CEPAL. População e povos indígenas na América Latina: quantos são? quantos sobrevivem? In: CEPAL (Org.). Os povos indígenas na América Latina: avanços na última década e desafios pendentes para a garantia de seus direitos. Santiago, Chile: Nações Unidas, 2015. p. 40-43.

CHALMERS, A. F. (1993). Introdução. In: CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? São Paulo, SP: Brasiliense, 1993. p. 17-22.

CHATES, T. J. Descolonização da escola e a questão indígena: porque e para quem? RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 3, número especial, p. 1-8, 2017. Disponível em: https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/623/336. Acesso em: 19 mai. 2021.

CUNHA, M. C. Índios na Constituição. Novos Estudos CEBRAP, v. 37, n. 3, p. 429–443, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002018000300429&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 19 mai. 2021.

D’AMBRÓSIO, U. O Programa Etnomatemática: uma síntese. Acta Scientiae - Revista de Ensino de Ciências e Matemática, v. 10, n. 1, p. 7-16, 2008. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/view/74. Acesso em: 19 mai. 2021.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, v. 23, n. 79, p. 257-272, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf. Acesso em: 19 mai. 2021.

FERREIRA NETO, A.; MATTOS, J. R. L. Artesanatos Paiter Suruí: etnomatemática na aldeia. Acta Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 31, n. 1, p. 166-174, 2018. Disponível em: http://funes.uniandes.edu.co/13473/1/Ferreira2018Artesanatos.pdf. Acesso em: 19 mai. 2021.

GARCIA, C. S.; COSTA, S.; PASCOALI, S.; CAMPOS, M. Z. “As coisas do céu”: etnoastronomia de uma comunidade como subsídio para a proposta de um material paradidático. RELEA - Revista Latino-Americana de Educação em Astronomia, v. 21, p. 7-30, 2016. Disponível em: https://www.relea.ufscar.br/index.php/relea/article/view/231/321. Acesso em: 19 mai. 2021.

GAVARRETE, M. E. V.; OLIVEIRAS, M. L. C.; AGUDO, N. N. (2012). Reflexiones sobre un proceso de investigación en etnomatemáticas y formación de professores. Acta Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 25, n. 1, p. 1123-1132, 2012. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/20482823.pdf. Acesso em: 19 mai. 2021.

GOMÉZ, C. P. Dos asterismos en el cielo de los tobas del oeste formoseño. Cambios y permanencias. Revista Latinidade, v. 8, n. 1, p. 145-167, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/latinidade/article/view/34708/24505. Acesso em: 19 mai. 2021.

GRUPIONI, L. D. B. As sociedades indígenas no Brasil através de uma exposição integrada. In: GRUPIONI, L. D. B (Org,). Índios no Brasil. São Paulo: Global, 2000. p. 13-28.

IBGE. Censo 2010: população indígena é de 896,9 mil, tem 305 etnias e fala 274 idiomas. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?busca=1&id=3&idnoticia=2194&t=censo-2010-poblacao-indigena-896-9-mil-tem-305-etnias-fala-274&view=noticia. Acesso em: 26 mai. 2019.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Quantos são? Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/Quantos_s%C3%A3o%3F#:~:text=Segundo%20o%20Censo%20IBGE%202010,da%20popula%C3%A7%C3%A3o%20total%20do%20pa%C3%ADs. Acesso em: 17 dez. 2020.

JAFELICE, L. C. Astronomia cultural nos ensinos fundamental e médio. RELEA – Revista Latino-americana de Educação em Astronomia, v. 19, p. 57-92, 2015. Disponível em: https://www.relea.ufscar.br/index.php/relea/article/view/209/290. Acesso em: 19 mai. 2021.

KAUARK, G. Decolonizar a diversidade cultural: Outras interpretações possíveis sobre a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais. RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 03, número especial, p.1-14, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.23899/relacult.v3i3.573. Acesso em: 19 mai. 2021.

KROETZ, K.; LARA, I. C. M. Etnociências e etnomatemática: narrativas de um colono alemão em Santa Maria do Herval. Acta - Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 28, n. 1, p. 876-881, 2015. Disponível em: http://funes.uniandes.edu.co/10873/. Acesso em: 19 mai. 2021. -

Lei n. 10.639, de 09 de janeiro de 2003 (2003). Altera a Lei n. 9.394 e estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira” e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008 (2008). Altera a Lei n. 9.394, modificada pela Lei n. 10.639, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira e Indígena” e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

LEMOS, M. R. A crítica da racionalidade científica: aproximações entre Ulrich Beck e Boaventura de Sousa Santos. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 2, ed. especial, p. 452-465, 2016. Disponível em: https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/241/140. Acesso em: 05 mai. 2021.

LIMA, F. Notas sobre fronteiras, pós-colonialismo e pensamento fronteiriço. RELACult - Revista Latino-americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 2, número especial, p. 533-546, 2016. Disponível em: https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/248/158. Acesso em: 19 mai. 2021.

MALDONADO-TORRES, N. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, J; N. MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte, Minas Gerais: Autêntica Editora, p. 27-54, 2019.

MENDES, R. V. A. O.; MENDES, V. A. Leopoldo Zea: Eurocentrismo, colonialidade e a teoria crítica latino-americana. RELACult - Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 03, número especial, p. 1-11, 2017. Disponível em: https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/476/285. Acesso em: 19 mai. 2021.

MENESES, M. P. (2019). Os desafios do Sul: traduções interculturais e interpolíticas entre saberes multi-locais para amplificar a descolonização na educação. In: MONTEIRO, B.; DUTRA, D. S. A.; CASSIANI, S.; SANCHÉZ, C.; OLIVEIRA, R. D. V. L. (Orgs.), Decolonialidades na educação em ciências (pp. 19-44). São Paulo, SP: Editora Livraria da Física, 2019. p. 19-44.

MIGNOLO, W. Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, v. 1, n. 1, p. 12-32, 2017.

MOURA, B. A. O que é natureza da Ciência e qual sua relação com a História e Filosofia da Ciência? Revista Brasileira de História da Ciência, v. 7, n. 1, p. 32-46, 2014. Disponível em: https://www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=1932. Acesso em: 19 mai. 2021.

NIEVES, E. M. (2011). Epistemología de la derivada como fundamento del cálculo diferencial. Voces y Silencios: Revista Latinoamericano de Educación, v. 2, número especial, p. 3-21, 2011. Disponível em: https://revistas.uniandes.edu.co/doi/pdf/10.18175/vys2.especial.2011.01. Acesso em: 19 mai. 2021.

NIMUENDAJÚ, C. Mapa etno-histórico do Brasil e regiões adjacentes. 2. ed. Brasília: IPHAN, IBGE, 2017.

OCHOA-ACOSTA, E. M.; QUINTERO-MEJÍA, M. Aproximación de la niñez indígena de Colombia – Saberes y prácticas en salud. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, v. 16, n. 1, p. 43-53, 2018. Disponível em: http://revistaumanizales.cinde.org.co/rlcsnj/index.php/Revista-Latinoamericana/article/view/2925/893. Acesso em: 19 mai. 2021.

PEÑA-RINCÓN, P.; TAMOYO-OSÓRIO, C.; PARRA, A. Una visión latinoamericana de la etnomatemática: tensiones y desafíos. Relime - Revista Latinoamericana de Investigación en Matemática Educativa, v. 18, n. 2, p.137-150, 2015. Disponível em: http://relime.org/articulos/1802/201500b/index.html. Acesso em: 19 mai. 2021.

PIZA, S. O.; PANSARELLI, D. Sobre a descolonização do conhecimento - a invenção de outras epistemologias. Estudos de Religião, v. 26, n. 43, p. 25-35, 2012. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ER/article/view/3366/3255. Acesso em: 19 mai. 2021.

RAMIREZ, L. E.; URIZA, R. C. Una caracterización de los contextos de significación desde la socioepistemología. Acta - Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 24, n. 1, p. 889-896, 2011. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/33251663.pdf. Acesso em: 19 mai. 2021.

REYS-GASPERINI, D.; URIZA-CANTORAL, R. El empoderamiento docente desde la teoría socioepistemológica: caminos alternativos para un cambio educativo. Comite Latinoamericana de Matemática Educativa A. C., v. 26, n. 1, p. 1783-1792, 2013. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/20482886.pdf. Acesso em: 19 mai. 2021.

ROSA, M. El programa Etnomatemática y sus enfoques innovadores. Acta - Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 31, n. 2, p. 1440-1445, 2018. Disponível em: http://funes.uniandes.edu.co/13743/. Acesso em: 19 mai. 2021.

RUÍZ CASTILLO, S. Didáctica de las ciencias desde la diversidad cultural y ambiental: aportes para un currículo contextualizado. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, v. 13, n. 2, p. 291-305, 2018. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6750771. Acesso em: 19 mai. 2021.

SALDANHA, M. A.; LARA, I. C. M. Etnociência: um olhar sobre os saberes tradicionais da pesca artesanal. Acta - Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 28, n. 1, p. 899-906, 2015. Disponível em: http://funes.uniandes.edu.co/10876/. Acesso em: 19 mai. 2021.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 12. ed. Porto, Portugal: Edições Afrontamento, 2001.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. G. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 31-83.

SANTOS, B. S. Por que as epistemologias do Sul? Caminhos artesanais para futuros artesanais. In: SANTOS, B. S. (Org.). O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte, Minas Gerais: Autêntica Editora, 2019. p. 17-38.

SANTOS, B. S.; ARAÚJO, S.; BAUMGARTEN, M. As epistemologias do Sul num mundo fora do mapa. Sociologias, v. 18, n. 43, p. 14-23, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-45222016000300014&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 19 mai. 2021.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P.; NUNES, J. A. (2004). Para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica no mundo. In: SANTOS, B. S. (Org.). Semear outras soluções. Os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Porto, Portugal: Edições Afrontamento, 2004. p.1-123.

SANTOS, V. M. Notas desobedientes: decolonialidade e a contribuição para a crítica feminista à ciência. Psicologia & Sociedade, v. 30, p. 1-11, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822018000100242. Acesso em: 19 mai. 2021.

SILVA, F. P.; BALTAR, P.; LOURENÇO, B. Colonialidade do Saber, Dependência Epistêmica e os Limites do Conceito de Democracia na América Latina. Revista de Estudos e Pesquisas sobre Américas, v. 12, n. 1, p. 68–87, 2018. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/repam/article/view/15980. Acesso em: 19 mai. 2021.

TONIAL, F. A. L.; MAHEIRIE, K.; GARCIA JR., C. A. S. A resistência à colonialidade: definições e fronteiras. Revista de Psicologia da UNESP, v. 16, n.1, p. 18-26, 2017.

VILLAVERDE, M. E. G.; RAPOSO, L. M. C. La cosmovisión indígena y sus perspectivas didácticas: visión etnomatemática de dos grupos étnicos. Acta - Latinoamericana de Matemática Educativa, v. 27, n. 1, p. 1423-1430, 2014. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/33252344.pdf. Acesso em: 19 mai. 2021.

Downloads

Publicado

09/10/2021

Como Citar

Rodrigues, M. . de S., & Leite, C. (2021). Ensino de ciências da natureza e diversidade: epistemologias emergentes em periódicos latino-americanos. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i2.2180

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo