Antropologia outras e estudos feministas:

alguns apontamentos iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i1.2164

Palavras-chave:

Feminismo decolonial, Decolonialidade, Gênero, Feminismo ocidental

Resumo

O projeto moderno de ciência se pauta na neutralidade para a produção do conhecimento. O feminismo ocidental enquanto teoria é um dos aportes que passa a contestar essa condição, elaborando um discurso político conjugado com o teórico. Dessa forma, o presente artigo dialoga com esse entendimento, pois além de ser epistemológico a ciência também é posicionamento político. No entanto, o trabalho também se baliza sob o entendimento de que há outras categorias de análises que dão conta de outras realidades dos feminismos e estudos de gênero. Aqui apontamos a decolonialidade como proposta de questionamento, ou superação dos limites dos paradigmas epistemológicos ocidentais em que o próprio feminismo eurocentrado se firmou. Dessa forma, a objetivo central do artigo se ancora na possiblidade de fortalecimento do discurso heterogêneo, periférico, anti-normativo, não-biologizante, não dicotômico e não essencialista sobre o gênero, capaz de confrontar para desconstruir qualificadamente as estruturas normativas imperialistas em que os estudos ocidentais se pautaram. O artigo foi construído a partir da análise de uma parte da bibliografia disponibilizada na disciplina “Antropologias Outras”, cursada no ano de 2018, bem como dos debates estabelecidos com os/as colegas naquele período em sala de aula.

Biografia do Autor

Tadeu Lopes Machado, Universidade Federal do Amapá

Doutorando em Antropologia pelo PPGSA/UFPA; Professor Adjunto I da Universidade Federal do Amapá. E-mail: tlopesm@hotmail.com

Referências

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo: A Experiência Vivida. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira,1980.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1998. Antropologias periféricas versus antropologias centrais. Capítulo 6, In: CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O trabalho do antropólogo. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora UNESP, p.107-133.

CAVIEDES, Mauricio. Antropología apócrifa y movimiento indígena. Algunas dudas sobre el sabor propio de la antropología hecha en Colombia. Revista Colombiana de Antropología. Bogotá: Instituto Colombiano de Antropología e Historia – ICANH, Vol. 43, enero-diciembre de 2007, pp. 33-59.

GOMES, Camilla de Magalhães. Gênero como categoria de análise decolonial. Revista Civitas, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 65-82, jan.-abr. 2018. Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

JARDIM, Gabriel de Sena; CAVAS, Cláudio de São Thiago. Pós-colonialismo e feminismo decolonial: caminhos para uma compreensão anti-essencialista do mundo. Ponto e vírgula, PUC-SP – Nº 22, segundo semestre, 2017. p. 73-91.

JIMENO, Myriam. Naciocentrismo: tensiones y configuración de estilos en la antropología sociocultural colombiana. Revista Colombiana de Antropología. Bogotá: Instituto Colombiano de Antropología e Historia – ICANH, Vol. 43, enero-diciembre de 2007, pp. 9-32.

KROTZ, Esteban. Las antropologías latinoamericanas como segundas: situaciones e retos. II Congresso ecuatoriano de Antropología y Arqueología. Quito- Ecuador, 2006.

LUGONES, María. “Heterosexualism and the Colonial/Modern Gender System”. Hypatia, 22(1):186–209, 2007.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Tabula Rasa. Bogotá – Colômbia, Nº 09, p. 73-101, julio-diciembre, 2008.

LUGONES, María. “Subjetividad esclava, colonialidad de género, marginalidad y opresiones múltiples”. Pensando los feminismos en Bolivia: Serie Foros 2. 1ª ed. La Paz, Conexión Fondo de Emancipación, 2012, pp.129-140.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo decolonial. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 320, setembro-dezembro/2014.

MALINOWSKI, Bronislaw. A vida sexual dos selvagens do noroeste da Melanésia: descrição etnográfica do namoro, do casamento e da vida de família entre os nativos das Ilhas Trobiand (Nova Guiné Britânica). Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: A opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

MILLÁN, Márgara (Org.). Más allá del feminismo: caminos para andar. 1ª ed. México: D.F.: Red de Feminismos Decoloniales, 2014.

ORTNER, Sherry B. Está a mulher para o homem assim como a natureza para a cultura? In: ROSALDO, Michele Zimbalist e LAMPHERE, Louise. (org.). A Mulher, a Cultura e a sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. p. 95-120.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Lander, Edgardo (Org). A colonialidade do saber, Eurocentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO. 2005, pp. 227-278.

RAPPAPORT, Joane. Más allá de la escritura: la epistemología de la etnografía en colaboración. Revista Colombiana de Antropología. Bogotá: Instituto Colombiano de Antropología e Historia – ICANH, Vol. 43, enero-diciembre de 2007, pp.197-229.

RIBEIRO, Gustavo Lins e ESCOBAR, Arturo. Prefacio. Antropologías del Mundo: transformaciones disciplinarias dentro de sistemas de poder. In: Ribeiro, Gustavo Lins y Arturo Escobar, Antropologías del Mundo: transformaciones disciplinarias dentro de sistemas de poder. Popayán: The Wenner Green Fundation, CIESAS, Fundación Envión,2008, pp. 11-40.

STRATHERN, Marilyn. O gênero da dádiva: problema om as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Trad. André Villalobos. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

VASCO, Luis Guillermo. Así es mi método en etnografía. Tabula Rasa. Bogotá – Colombia, No 6 :19 -52, enero-junio de 2007.

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 1968.

Downloads

Publicado

31/07/2021

Como Citar

Machado, T. L. . (2021). Antropologia outras e estudos feministas: : alguns apontamentos iniciais. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i1.2164

Edição

Seção

Dossiê: - Povos e comunidades tradicionais, ancestralidade e decolonialidade