Atitudes Linguísticas no Falar dos Costarriquenses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2120

Palavras-chave:

Atitudes Linguísticas. Costarriquenses. Os Falares.

Resumo

Este estudo propõe discutir sobre as atitudes linguísticas presentes na fala dos nativos do município de Costa Rica- MS, sendo este o lócus desta pesquisa por pertencer à Tríplice Fronteira entre os estados de MS, MT e GO. Nesse sentido, alguns objetivos específicos permearam o tema em questão, a fim de compreender como os costarriquenses percebem a própria língua; analisar como os falantes nativos desta cidade veem a fala e as influências dos imigrantes; identificar, a partir da perspectiva da Sociolinguística, o sotaque dos costarriquenses. Portanto, a proposta deste trabalho pauta-se na abordagem quali-quantitativa, a partir da aplicação de um questionário semiestruturado com 13 perguntas dirigidas a 20 costarriquenses entrevistados por meio do aplicativo WhatsApp em virtude da pandemia mundial causada pelo Covid 19. A pesquisa constatou-se que os costarriquenses entendem a língua que falam como a de prestígio, contudo, ressalta-se que existem diferentes falares na região, sobretudo entre os próprios nativos. Não obstante, os dados da pesquisa também revelaram que a fala que consideram como a mais correta não é a deles, pois classificam-na como caipira, tendo o r e s puxados, que, segundo eles, isto se deve às suas raízes e às influências dos imigrantes, principalmente dos goianos e mineiros.

Biografia do Autor

Wanessa Rodovalho Melo Oliveira, UNEMAT

Possui graduação em Letras - com habilitação em Língua Portuguesa, Língua Espanhola e suas respectivas Literaturas, pela Universidade Católica Dom Bosco - UCDB (2007). Concluiu em 2010 o curso de Pós-graduação (Lato Sensu), Especialização em Didática e Metodologia da Educação Básica e superior – Área de Concentração: Educação, Formação Docente e Ensino Aprendizagem pela FECRA - Faculdade de Educação de Costa Rica. Mestra em Letras da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) 2020, linha de pesquisa Sociolinguística. Doutoranda em Linguística pela UNEMAT, linha de pesquisa Estudo de Processos de Variação e Mudança e de Descrição. Pesquisa crenças e atitudes linguísticas.

Antonio Carlos Santana de Souza, UEMS

Pós Doutor em Linguística pela UFMT/PNPD-CAPES (2018/2019). Pós Doutor em Linguística pela UNEMAT (2016). Doutor em Letras pela UFGRS (2015). Mestrado em Semiótica e Linguística Geral pela Universidade de São Paulo (2000). Possui graduação - Bacharelado e Licenciatura em Letras (Português/Hebraico e Respectivas Literaturas) pela FFLCH da Universidade de São Paulo (1998). Docente Efetivo Nível 5 e Coordenador do Curso de Bacharelado em Letras da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Docente Permanente do Programa de Pós-graduação (Mestrado) em Letras da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Docente Permanente do Programa de Pós-graduação (Mestrado/Doutorado) em Linguística da UNEMAT/Cáceres. Atualmente é pesquisador do GELA do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP Líder do Núcleo de Pesquisa e Estudos Sociolinguístico e Dialetológicos do CNPq (NUPESD-UEMS) e do Laboratório Sociolinguístico de Línguas Não-Indo-europeias e Multilinguismo do CNPq (LALIMU). Avaliador de Cursos do INEP/MEC. É o Editor-chefe da Web-Revista SOCIODIALETO (ISSN 2178-1486, http://sociodialeto.com.br, Qualis B2) desde 2010. Membro da Comissão Editorial da Revista transdisciplinar de Letras, Educação e Cultura da UNIGRAN - InterLetras (QUALIS). Experiência na área de Linguística, com ênfase em Sociolinguística e Dialetologia, atuando principalmente nos seguintes temas: português falado; contatos linguísticos; fonética e fonologia; morfossintaxe; linguística geral e diversidade sócio-cultural.

Referências

ALVES, M. I. P. M. Atitudes linguísticas de nordestinos em São Paulo: uma abordagem prévia. 1979. 226f. Dissertação (Mestrado em Linguística), Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1979.

BISINOTO, L. S. J. Atitudes sociolingüisticas em Cáceres-MT: efeitos do processo migratório. Campinas, SP: [s.n.], 2000.

BRASIL. Secretaria de educação fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa-ensino de 1ª a 4ª série. Brasília: MEC / SEF, 1997.

CALVET, L-J. Sociolinguística: uma introdução crítica. Tradução Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2002.

COELHO et al. Sociolinguística. Florianópolis: LLV/CCE/UFSC, 2010. Disponível em: http://ppglin.posgrad.ufsc.br/files/2013/04/Sociolingu%C3%ADstica_UFSC.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

CORBARI, C. C. Atitudes Linguísticas: um estudo nas localidades paraenses de Irati e Santo Antônio do Sudoeste. Tese (Doutorado em Letras), Universidade Federal da Bahia, Instituto de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Salvador, 2013.

DALLEASTE, A. P. Crenças e atitudes linguísticas: um estudo da língua e cultura italianas em Matelândia/PR. Cascavel, 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

GIMENES, G.S.; NUNES-MENDES, A.N. B. As expressões “égua” e “mana” na linguagem

do amapaense. In: DALLA PRIA et. al.(orgs). Linguagem e línguas: invariância e variação. Campinas-SP: Pontes, 2014.

LAMBERT, W. W.; LAMBERT, W. E. Psicologia social. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

LAMBERT, W. W. Psicologia Social. Trad. Dante Moreira Leite. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

LIMA NETO, N. V. Brasília, sua gente, seus sotaques: difusão candanga e focalização brasiliense na capital federal. 2018. 259 f., il. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

MANZINI, E. J. Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi-estruturada. In: MARQUEZINE: M. C.; ALMEIDA, M. A.; OMOTE; S. (Orgs.) Colóquios sobre pesquisa em Educação Especial. Londrina: Eduel, 2003. p.11-25.

MONTEIRO, J. L. Para compreender Labov. 3 ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2008.

OLIVEIRA, W. R. M. Atitudes linguísticas na fala dos costarriquenses. Traços de Linguagem, v. 4, n. 1, p. 38-49, 2020.

PASTORELLI, D. S. Crenças e atitudes linguísticas na cidade de Capanema: um estudo da relação do português com línguas em contato. 2010. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

SILVA, E. G. Contatos Bilíngues: atitudes linguísticas da interação do falar boliviano com o falar cacerense. Cáceres, 2016.

SILVA-PORELI, G. A. Crenças e atitudes linguísticas na cidade de Pranchita-PR: um estudo das relações do português com línguas em contato. Londrina, PR: UEL, 2010.

SILVA, R. E. A aldeia Lagoinha e suas atitudes linguísticas frente ao bilinguismo entre as línguas Terena e portuguesa numa perspectiva sociolinguística. Campo Grande, MS: UEMS, 2019.

TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 1985.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

Oliveira, W. R. M. ., & Souza, A. C. S. de. (2021). Atitudes Linguísticas no Falar dos Costarriquenses. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2120

Edição

Seção

Latinidades – Fórum Latino-Americano de Estudos Fronteiriços