Controle das práticas periféricas: entre normas legais e pluralidades

Autores

  • Danielle Ferreira Medeiro da Silva de Araújo UFSB
  • Walkyria Chagas da Silva Santos UFSB/UnB

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2080

Palavras-chave:

Projetos de mediação comunitária, normas sociais, normas legais, controle de práticas periféricas

Resumo

O objetivo geral do artigo é refletir a estrutura social desigual brasileira, que ao mesmo tempo em que abarca uma pluralidade de modos de vida, na esfera das normas legais se impõe a partir de uma visão legítima de mundo sobre estilos de vida distintos, a imposição de normais legais nesses espaços, dentro de uma perspectiva racionalista e tecnicista, sustentada pelos princípios de generalidade e impessoalidade, muitas vezes desrespeitam o saber local da comunidade e são aplicados mediante verdadeira violência simbólica e pilhagem, mesmo que o discurso seja de garantia de direitos. Pretende-se relatar a partir de casos concretos, atuação das autoras em projetos de mediação comunitária de conflitos no estado do Rio de Janeiro e no estado Bahia. A metodologia do trabalho baseia-se na teoria fundamentada e o método utilizado foi a pesquisa bibliográfica realizada a partir dos registros disponíveis em fontes impressas e digitais sobre o Projeto Balcão de Direitos do ISER, do Programa Justiça Comunitária, ambos do estado do Rio de Janeiro, e do Balcão de Justiça e Cidadania, do estado da Bahia. Nas discussões as autoras analisam que os projetos de mediação comunitária de conflitos, são exemplos de tentativa de criação de uma ponte entre Estado e periferia para fomentar/construir um espaço participativo, e que inicialmente visam democratizar o acesso à justiça às populações de regiões periféricas, mas a prática pode resultar em violação de direitos.

Biografia do Autor

Danielle Ferreira Medeiro da Silva de Araújo, UFSB

 

 

Referências

ARAÚJO, Danielle Ferreira Medeiro da Silva de. Espaços participativos e o uso de metodologias integrativas para a efetividade de direitos. Revista NAU Social, v.09, n.16, p. 67 – 80, 2018.

____. Mediação Comunitária: um relato de experiência sobre a tensão entre normas legais e normas sociais em favelas do Rio de Janeiro. In: MARCHIORI NETO, Daniel Lena; RABBANI, Roberto Muhájir Rahnemay; MEDEIROS, Orione Dantas de. (Orgs.). Estudos contemporâneos sobre Direito, Estado e Sociedade. Série Direito, Estado e Sociedade, v. 2, Rio Grande: Ed. da Furg, 2020.

ARAÚJO, Danielle Ferreira Medeiro da Silva de; CHAGAS, Walkyria Santos. Raça como elemento central da política de morte no Brasil: visitando os ensinamentos de Roberto Esposito e Achille Mbembe. Rev. Direito Práx., Rio de Janeiro, v.10, n.4, p. 3024-3055, 2019a.

_____. Constituição de 1988 e juventude negra: para a desconstrução de um dispositivo tanatológico. In: FILPO, Klever; MIRANDA, Maria Geralda; SILVA, Rogerio Borba da; PEREIRA, Thiago Rodrigues (Org.). Direitos humanos e fundamentais em perspectiva. Rio de Janeiro: Ágora21, 2019b.

ARAÚJO, Danielle Ferreira M.S; SANTOS, Walkyria Chagas S; FERNANDES, Alexandre O; CAMPOS, Leonardo L. História, memória e ressentimento: revisitando a trajetória de exclusão da população negra no Brasil. Revista Latinoamericana de Estudios en Cultura y Sociedad –RELACULT, v. 06, ed. especial, mar., 2020.

ARENDT, HANNAH. Crises da República. São Paulo: Perspectiva. 2013.

BICHIERI. Cristina. Norms, conventions and the power of expectations. To appear in Philosophy of Social Science, N.Cartwright and E. Montuschi, eds., Oxford University Press, 2013.

BITTAR, Eduardo C. B. O direito na Pós-modernidade. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2014.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Trad. de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução: Fernando Tomaz. 12 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

CAPELLA, Juan Ramón. Os cidadãos servos. Porto Alegre: Fabris, 1998.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos Direitos Humanos. Editora Saraiva. 2008.

CLASTRES, Pierre. A Sociedade Contra o Estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora S.A. 1978.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

_____. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Editora NAU, 2013.

GEERTZ, Clifford. “O saber local: fatos e leis em uma perspectiva comparada”. In.: GEERTZ, Clifford. O saber local: fatos e leis em uma perspectiva comparada. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, (1999[1997]).

GIANNELLA, Valéria. Espaço aberto para trocas: uma oficina sobre os paradoxos da mobilização social em contextos de exclusão extrema. Coleção Roteiros Gestão Social, v.1. Salvador: CIAGS/UFBA, 2009.

HARAWAY, Donna. Um manifesto para os ciborgs: ciência, tecnologia e feminismo socialista na década de 80. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Orgs.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LASSALE, Ferdinand. O que é uma Constituição? Trad. Walter Stonner. Edições e Publicações Brasil: São Paulo, 2002.

LYRA FILHO, Roberto. O que é o direito. 11. Ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

MATTOS, Wilson Roberto de. Negros contra a ordem: astúcias, resistências e liberdades possíveis (Salvador, 1850-1888). Salvador: EDUNEB, EDUFBA, 2008.

MORIN, Edgar. A religação de saberes. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2013.

NADER, Laura. “A pilhagem e o estado de Direito”. In: MATTEI, Ugo e NADER, Laura. Pilhagem. Quando o estado de direito é ilegal. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

____. Harmonia coerciva: a economia política dos modelos jurídicos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 9, n. 26, p. 18-29, 1994.

OLAVE, Rosa María et al. Guía de Mediación Comunitaria. Programa de las Naciones Unidas para los Asentamientos Humanos (ONU-HABITAT) en copublicación con Universidad Alberto Hurtado de Chile e Instituto de Estudios de la Religión ISER, 2013.

PINHEIRO, Paulo Sérgio. Democracia, violência e injustiça: o Não – Estado de Direito na América Latina. Org. Juan E. Méndez, Guilhermo O’Donnell, Paulo Sérgio Pinheiro, trad. Ana Luiza Pinheiro, Octacilio Nunes, São Paulo: paz e terra, 2000.

REALE, Miguel. Experiência e cultura. Campinas: Bookseller. 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. Revista Novos Estudos, n. 79, novembro, 2007.

STRAUSS, Anselm; CORBIN, Juliet. Bases de la investigación cualitativa: técnicas e procedimentos para desarrollarlateoría fundamentada. Trad: Eva Zimmerman. Colombia: Editorial Universidad de Antioquia, deciembre, 2002.

WOLKMER, Antônio Carlos. Pluralismo Jurídico: Fundamentos de uma nova cultura no Direito. São Paulo: Editora Alfa Ômega. 2001.

WOLKMER, Antônio Carlos; BRAVO, Efendy Emiliano Maldonado; FAGUNDES, Lucas Machado. Historicidade Crítica do Constitucionalismo Latino- Americano e Caribenho. Rev. Direito e Práx., Rio de Janeiro, v. 08, n.4, p. 2843-2881, 2017.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

Ferreira Medeiro da Silva de Araújo, D., & Chagas da Silva Santos, W. . (2021). Controle das práticas periféricas: entre normas legais e pluralidades . RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2080

Edição

Seção

II - Congresso Internacional Online de Estudos sobre Culturas