Pedagogia queer em tempos de “ideologia de gênero” e “kit gay”

Autores

  • Melissa Salinas Ruiz

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2035

Palavras-chave:

Pedagogia queer, Gênero, Escola, Sociedade

Resumo

Na sociedade brasileira contemporânea atuam grupos sociais contrários à expansão dos direitos sexuais e do debate sobre gênero e sexualidade.  Tais grupos denominam essas discussões pejorativamente de “ideologia de gênero”. Esse fenómeno também alcança o sistema educativo, gerando críticas a professores e a instituições escolares que discutam aspectos de diversidade. Exemplo disso é o furor gerado pela crença no “kit gay”, o qual permite notar quão problemático é dialogar sobre o queer nas escolas brasileiras. Ao se pretender uma instituição onde impera a neutralidade de gênero, a escola acaba reproduzindo as rígidas normativas sexuais e de gênero. Torna-se necessário que esta se posicione de maneira contrária à cisnormatividade, uma vez que o ambiente escolar acaba segregando os corpos e sexualidades considerados dissidentes. Apesar das dificuldades, considera-se que a pedagogia queer é uma maneira relevante de tornar o sistema educativo mais capaz de receber a população LGBTQI. Portanto, o objetivo deste trabalho é apresentar algumas possibilidades para implementar uma pedagogia queer nas escolas brasileiras. Desse modo, explica o conceito de pedagogia queer, discute o fenómeno do “kit gay”, relacionando-o à crença na ‘ideologia de gênero” e apresenta estratégias para levar a cabo uma proposta pedagógica queer. Assim, espera-se minimizar o potencial problemático de discutir sobre gênero e sexualidade nas instituições escolares.

Palavras-Chave: Pedagogia queer; Gênero; Escola; Sociedade;

Biografia do Autor

Melissa Salinas Ruiz

Mestra em Sociedade, Cultura e Fronteiras; Centro de Educação, Letras e Saúde da UNIOESTE; Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil; E-mail: m__salinas@hotmail.com

Referências

BALDWIN, J. Giovanni. São Paulo: Novo Século, 2008.

BUTLER, J. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós Ibérica, 2002.

BONASSI, B. Cisnorma: acordos societários sobre o sexo binário e cisgênero. 2017. 123 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017. Disponible en: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/182706/349130.pdf?sequence=1. Acceso en 25 jul. 2020.

CÉSAR, M.R.d.A. A diferença no currículo ou intervenções para uma pedagogia queer. ETD-Educação Temática Digital, Campinas, v. 14, n.1, p.351-362, jan./jun. 2012. ISSN 1676-2592. Disponible en: https://nbn-resolving.org/urn:nbn:de:0168-ssoar-313134. Acceso en 29 jul. 2020.

DONOSO, J. O lugar sem limites. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

FOUCAULT, M. Historia de la sexualidad I: la voluntad de saber. Madrid: Siglo XXI, 1978.

HERZER, A. A queda para o alto. Petrópolis: Vozes, 2007.

LANZ, L. Por que tenho medo de lhe dizer quem sou? In: RIBEIRO, P.R.C. [et al.]. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: resistência e ocup(ações) nos espaços de educação. Rio Grande do Sul: Ed. Da FURG, 2018. Disponible en: http://repositorio.furg.br/handle/1/7746. Acceso en 20 jul. 2020.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MARANHÃO FILHO, E.M.A; COELHO, F.M.F; DIAS, T.B. “Fake news acima de tudo, fake news acima de todos: Bolsonaro e o “kit gay”, “ideologia de gênero” e fim da “família tradicional”. Revista Eletrônica Correlatio, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 65-90, dez. 2018. ISSN 1677-2644. Disponible en: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/COR/article/view/9299. Acceso en: 23 jul. 2020.

MISKOLCI, R; CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e estado, Brasília, v. 32, n. 3, p. 725-748, dez. 2017. ISSN 0102-6992. Disponible en: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922017000300725&lng=en&nrm=iso. Acceso en: 24 jul. 2020.

MISKOLI, R. Exorcizando um fantasma: os interesses por trás do combate à “ideologia de gênero”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 53, p. 1-14, jun. 2018. ISSN 1809-4449. Disponible en: https://www.scielo.br/pdf/cpa/n53/1809-4449-cpa-18094449201800530002.pdf. Acceso en: 23 de jul. de 2020.

PERRONE-MOISÉS, L. A criação do texto literário. In:________(Org.). Flores na escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

PORTO, A. V. Sergio Y. vai à América. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

REA, C. A; AMANCIO, I. M. S. Descolonizar a sexualidade: Teoria Queer of Colour e trânsitos para o Sul. Cadernos Pagu, Campinas, n. 53, p.01-38, out. 2018. ISSN 1809-4449. Disponible en: https://www.scielo.br/pdf/cpa/n53/1809-4449-cpa-18094449201800530015.pdf. Acceso en: 24 set. 2020.

ROMANCINI, R. From “gay kit” to “indoctrination monitor”: the conservative reaction in Brazil. Contracampo, Rio de Janeiro, v. 37, n. 2, ago./dez. 2018. ISSN 2238-2577. Disponible en: https://periodicos.uff.br/contracampo/article/view/17628/1102. Acceso en 20 jul. 2020.

TRUJILLO, G. Pensar desde otro lugar, pensar lo impensable: hacia una pedagogía queer. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n.spe, p.1527-1540, dez. 2015. ISSN 1678-4634. Disponible en: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022015001001527&script=sci_arttext&tlng=es. Acesso en: 22 jul. 2020.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

Ruiz, M. S. (2021). Pedagogia queer em tempos de “ideologia de gênero” e “kit gay”. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 7(4). https://doi.org/10.23899/relacult.v7i4.2035

Edição

Seção

Latinidades – Fórum Latino-Americano de Estudos Fronteiriços