Patrimônio imaterial no “Caminhos das Missões”: apropriações memoriais ou narrativas coloniais sobre as Missões jesuítico-guaranis?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.2025

Palavras-chave:

Guarani, Missões, Narrativa, Patrimônio cultural, Povos indígenas.

Resumo

O estudo investiga o patrimônio cultural missioneiro e as modalidades de apropriação e exploração turística realizadas pela operadora “Caminho das Missões”, que ofertava, inicialmente, roteiros de peregrinação pela região da Missões no Rio Grande do Sul, mas que desde 2012 passa a incluir um percurso internacional englobando os territórios argentinos e paraguaios. Nesse sentido, a pesquisa analisa a oferta turística comercializada pelo “Caminho das Missões”, tendo o patrimônio cultural missioneiro como principal atrativo, bem como reflete-se sobre a importância da memória e das narrativas propagadas ao longo do percurso, como elementos centrais na constituição imaterial desse patrimônio e de que maneira são retratados os seus personagens fundamentais, jesuítas e guaranis. Para isso, realiza-se uma pesquisa exploratória apoiada por metodologia bibliográfica e documental, além de entrevistas abertas com representantes da operadora turística, e pesquisa etnometodológica compreendendo pesquisa de campo, registro fotográfico e registro textual em diário de campo, realizadas em 2019. Como principais observações, identificou-se que a memória e os relatos dos povos indígenas são sistematicamente silenciados em parte do roteiro realizado em solo brasileiro, sinalizando a adoção de uma narrativa colonial hegemônica, que destaca e enaltece os jesuítas e retraça o seu percurso e suas práticas, em detrimento do legado guarani.

Biografia do Autor

Ingrid Bomfim Gonçalves, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Mestranda em Comunicação e Indústria Criativa (PPGCIC- UNIPAMPA). Bacharela em Relações Públicas pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Investigadora no Projeto de Pesquisa Memória Pública e Memória cultural: um estudo histórico-comunicacional, integrante do Grupo de Pesquisa t3xto (UNIPAMPA) e do Grupo de Pesquisa GADH (UFRGS).

Larissa Conceição dos Santos, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Doutora em Sciences de l’Information et de la Communication – Université Paris-Sorbonne (CELSA, Paris IV) e Doutora em Ciências da Comunicação – Escola de Comunicações e Artes/ Universidade de São Paulo (ECA/USP). Mestre em Engenharia de Produção - Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Mestre em Sciences de l’Information et de la Communication – Université Paris-Sorbonne (CELSA, Paris IV). Bacharel em Administração e Bacharel em Comunicação Social/Relações Públicas - Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Professora Adjunta na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Pesquisadora vinculada ao Laboratoire GRIPIC (CELSA, Paris-Sorbonne) e ao Grupo de Pesquisa t3xto – (UNIPAMPA).

Referências

ALVES, C. A. S. O Caminho das Missões e seus peregrinos: nova modalidade de produto turístico da região das Missões. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Porto Alegre, 2007. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/4751. Acesso em: Nov. 2020.

BRAZÃO, P. O diário do diário etnográfico electrónico. Assa editores: Porto, 2007.

BRUM, C. K. Missões: reflexões e questionamentos. Editora e Gráfica Caixas. Santa Maria, 2016.

BRUNER, J. S. La culture, l’esprit, les récits. Enfance, 2006, vol. 58, n.2, p. 118-125. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-enfance1-2006-2-page-118.htm Acesso em: 14 dez. 2020.

COULON, A. L’ethnométhodologie. Paris: PUF, 1987.

CUSTÓDIO, L. A. B. Missões: patrimônio e território. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2007.

DEZORDI, E. Aqui plantamos uma semente: o surgimento da Tekoa Pyaú em uma comunidade Mbyá estabelecida no município de Santo Ângelo, Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado – Área de concentração em Antropologia Social e Cultural) - Universidade Federal de Pelotas. Programa de Pós-graduação em Antropologia. Pelotas, 2016. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFPL_2fdd919ff783613b bb83ffd5bd1f99eb.

GODOY, A. S. Introdução à Pesquisa Qualitativa e suas possibilidades. São Paulo: Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, 1995.

GONÇALVES, J. R. S. A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.

_____. As transformações do patrimônio: da retórica da perda à reconstrução permanente. In: TAMASO, I. M.; LIMA FILHO, M. F. (Orgs.). Antropologia e Patrimônio Cultural: trajetórias e conceitos. Brasília: Associação Brasileira de Antropologia, 2012. p. 59-73.

GONÇALVES, I. B.; SANTOS, L. C. Memórias (re)configuradas e disputas de sentidos nas narrativas do “Caminho das Missões”. In: MAIA, M.; PASSOS, M. Y. (Orgs.) Narrativas midiáticas contemporâneas: epistemologias dissidentes. Santa Cruz do Sul: Catarse, 2020. p. 31-46.

IPHAN. A atuação do IPHAN nas Missões. Tava Miri São Miguel Arcanjo, Sagrada Família Aldeia de Pedra: os Mbyá-Guarani nas Missões. Porto Alegre: IPHAN, 2007.

LYOTARD, J.F. La condition postmoderne. Paris: Minuit, 1979.

MARCONI, M.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MELO, K.C. B. S.; LUNA, S.; RIBEIRO, L. B. Patrimônio: uma jornada de coleção e memória In: Anais...Congresso Internacional Interdisciplinar em Ciências e Humanidades - CONINTER 4, 2015. Foz do Iguaçu, UNIOESTE, 8 a 11 de dezembro de 2015.

NOGUEIRA, C. D.; BURKHARD, D. Políticas públicas de turismo para o desenvolvimento local/regional das missões jesuíticas-guarani. Revista eletrônica de turismo cultural, v. 2, n. 2, 2008. Disponível em: http://www.eca.usp.br/TURISMOCULTURAL/Retc04_arquivos/Carmen_Missoes.pdf Acesso em: 14 dez. 2020.

PINTO, M. A construção da Identidade Missioneira no Rio Grande do Sul e as Políticas Culturais no Sul do Brasil. Dissertação (Mestrado – Área de concentração em Planejamento Urbano e Regional) - Universidade de Santa Cruz do Sul. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul, 2011. Disponível em: https://repositorio.unisc.br/jspui/handle/11624/301.

RAUPP, F. M; BEUREN, I. M. (org.). Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências. São Paulo: Atlas, p. 76-97, 2009.

REPETTO, M. O Conceito de Interculturalidade: trajetórias e conflitos desde América Latina. Textos e Debates, v. 2, n. 33, 2019. Disponível em:

https://revista.ufrr.br/textosedebates/article/view/5986 Acesso em: 14 dez. 2020.

SCHERER, L. et al. Descentralização de recursos financeiros públicos federais destinados ao turismo para municípios integrantes da Rota Missões–RS: uma análise sobre desenvolvimento e turismo. Revista Gesto, v. 5, n. 2, p. 19-36, 2017. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/322642076.pdf Acesso em: 13 dez.2020.

SOUZA, M. S. C. A cultura invisível: conhecimento indígena e patrimônio imaterial. Anuário Antropológico, n. I, p. 149-174, 2010. Disponível em: https://journals.openedition.org/aa/813 Acesso em: 14 dez. 2020.

STEFANO, R. D. The integrated preservation of the Jesuit Missions. In: UNESCO; ICOMOS (Orgs). The Jesuit missions of the Guarani. Verona: Commercial Bureau, 1997, p. 186-199.

VALENZUELA, T. S. Jogos e ensino de História: uma proposta de reconhecimento do patrimônio cultural dos 7 povos das missões. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Maria. Programa de Pós- Graduação Profissional em Patrimônio Cultural. Santa Maria, 2013.

VIANNA, L. C.R; TEIXEIRA, J. G. L.C. Patrimônio imaterial, performance e identidade. Revista Concinnitas, v. 1, n. 12, p. 121-129, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/download/22822/16282 Acesso em: 15 dez. 2020.

Downloads

Publicado

02/05/2021

Como Citar

Bomfim Gonçalves, I., & Conceição dos Santos, L. (2021). Patrimônio imaterial no “Caminhos das Missões”: apropriações memoriais ou narrativas coloniais sobre as Missões jesuítico-guaranis?. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(3). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i3.2025

Edição

Seção

Dossiê: - Patrimônio cultural e memória nas fronteiras