Lygia Fagundes Telles, “A Maior Escritora Brasileira Viva”, e a Perspectiva da Velhice

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i1.1852

Palavras-chave:

Escritoras Brasileiras, Literatura Brasileira, Lygia Fagundes Telles, Personagens Idosas, Velhice.

Resumo

Nesse artigo tratamos da “Dama da Literatura Brasileira”, da “Maior Escritora Brasileira Viva”, da quase centenária Lygia Fagundes Telles, analisando sua perspectiva da velhice por meio da análise de três de suas personagens velhas mais emblemáticas, protagonistas de dois contos e de um romance de sucesso da autora. Para tanto, nessa revisão de literatura, ancoramos nossas considerações em investigadores basilares da área como Beserra (2011a; 2011b), Prazeres (2015) e Sperandio (2009). Concluímos que Lygia Fagundes Telles, por seu lastro e legado premiados nacional e internacionalmente, merece figurar nesse número da Revista Relacult, dedicado a essas mulheres-autoras latino-americanas que são videntes e são sensíveis na arte e na cultura dos que falamos as línguas ibéricas no continente americano.

Biografia do Autor

Yls Rabelo Câmara, FECLESC / UECE

Pós-Doutora em Educação, Doutora e Mestra em Filologia Inglesa, Licenciada em Letras Português/Inglês. Professora de Inglês na FECLESC/UECE.

Referências

BARTHES, Roland. Linguística e Literatura. São Paulo: Editora 70, 1977.

BESERRA, Luciane. Mosaico do Eu: a construção da identidade nas Horas Nuas de Lygia Fagundes Telles. Dissertação. Orientador: Prof. Dr. Romair Alves de Oliveira. Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Linguagens, Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem, 96 f., Cuiabá – Mato Grosso, 2011a.

______. Resistência e Submissão da Rosa: uma análise do envelhecimento feminino nas Horas Nuas. Revista de Letras Norte@mentos, Estudos Literários, Sinop, v. 4, n. 7, p. 97-108, jan. / jun., 2011b.

CÂMARA, Yls Rabelo; CÂMARA, Yzy Maria Rabelo. Lygia Fagundes Telles e a arte de envelhecer: descrevendo a alma feminina em dois de seus contos. Contexto, n. 34, p. 232-258, Vitória, 2018.

FANINI, Michele Asmar. “Como Ficou Chato Ser Moderna, Serei Eterna”: Lygia Fagundes Telles, o Feminismo e a Academia Brasileira de Letras. Polêm!ca, v. 9, n. 3, p. 143-160, jul. / set., 2010.

FERREIRA, Josye Gonçalves (2014). Velhice desejante: sexualidade e envelhecimento na ficção de Lygia Fagundes Telles. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros/MG.

GOMES, Carlos Magno. As Faces da Escritora no Romance de Lygia Fagundes Telles. Errâncias do Imaginário, Porto, p. 55-72, 2015.

LEAL, Joísa Maria de Lima. A Representação da Mulher em Contos de Lygia Fagundes Telles. Monografia de Graduação. Orientadora: Profa. Dra. Virgínia Maria Vasconcelos Leal. Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Teorias Literárias e Literatura, Licenciatura em Letras/Português, 39 f., 2012.

LIMA, Susana Moreira de. O corpo feminino reconfigurado: velhice e sexualidade no espaço narrativo. Revista de Letras, v. 2, n. 32, p. 1-11, 2013.

LUCENA, Suênio Campos de. Esquecimento e Lembrança em Lygia Fagundes Telles. Tese. Orientadora: Profa. Dra. Cleusa Rios Pinheiro Passos. Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada, Programa de Pós-graduação em Teoria Literária. 183 f., São Paulo, 2007.

MARTINS, Maria Sárvia da Silva. Mulher e Sociedade: de corpo dominado a corpo dominante em contos de Lygia Fagundes Telles. Dissertação. Orientadora: Profa. Dra. Edilene Ribeiro Batista. Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Departamento de Literatura, Programa de Pós-Graduação em Letras, 108 f., Fortaleza, 2015.

PEDRA, Mabel Knust. Sombra silenciosa. Impotência e solidão em dois contos de Lygia Fagundes Telles. Darantina, v. 1, n. 1, p. 1-15, 2010.

PRAZERES, Lílian Lima Gonçalves dos. Femininos, Identidades e Trânsitos em Narrativas de Clarice Lispector. Dissertação. Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Programa de Pós-Graduação em Letras, Vitória, Espírito Santo, 132 p., 2015.

SILVA, Antonia Marly Moura da; MARINHO, Monica Valéria Moraes; SANTOS, Rosaly Ferreira da Costa. A face insólita da morte no conto “Boa noite, Maria”, de Lygia Fagundes Telles. Revista Colineares, v. 1, n. 1, p. 87-102, 2014.

SOUZA, Elis Regina Guedes de.; SILVA, Marcelo Medeiros da. A Mulher-Artista em Horas Nuas: o último ato ou a encenação do fracasso da atriz, 10 f., 2013. Acessível em: < http://www.itaporanga.net/genero/4/gt02/08.pdf>. Último Acesso em 30-04-2020.

SOUZA, Nathalia Sobral de. O Envelhecer Feminino: representações literárias sobre a mulher velha. Anais do Fazendo Gênero 9: diásporas, diversidades e deslocamentos, p. 1-8, 2010.

SPERANDIO, Roberta Fresneda Villibor. Leituras da Morte e da Solidão em Maria Judite de Carvalho e Lygia Fagundes Telles. Dissertação. Orientadora: Profa. Dra. Clarice Zamonaro Cortez. Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Letras, 114 f., 2009.

TELLES, Lygia Fagundes. Seminário dos Ratos – Contos. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

______. A Noite Escura e Mais Eu. Companhia das Letras. 1995

______. As Horas Nuas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

VIANA, Maria José Amaral. Os (Des) Enredos do Amor: a narrativa do fracasso amoroso em contos de Lygia Fagundes Telles. Dissertação. Orientadora: Profa. Dra. Marlí Tereza Furtado. Universidade Federal do Pará, Instituto de Letras e Comunicação, Curso de Mestrado em Letras, Estudos Literários, 103 f., 2010.

Downloads

Publicado

28/05/2020

Como Citar

Câmara, Y. R. (2020). Lygia Fagundes Telles, “A Maior Escritora Brasileira Viva”, e a Perspectiva da Velhice. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(1). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i1.1852

Edição

Seção

Dossiê: - Ser vidente e ser visível: mulheres-autoras, arte e cultura na América Latina