Cultura afetiva: a construção do ser brincante no contexto urbano externo

Autores

  • Nadja Maria Mourão Universidade do Estado de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0003-3990-0201
  • Ana Célia Carneiro Oliveira Universidade do Estado de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1789

Palavras-chave:

Cultura afetiva, brincadeiras coletivas, criança, espaço público urbano, Cidade Belo Horizonte.

Resumo

A transformação dos espaços em lugares de afeto é uma possibilidade que advêm das relações em divertimento e brincadeiras. Essa relação pode proporcionar uma reflexão sobre o comportamento humano e gerar novos caminhos para a participação social. São utilizados os estudos que buscam apreciar as crianças a partir da sua realidade social, da cultura afetiva que estão inseridas e que, também, são capazes de construir. Busca-se analisar a realidade afetiva vivenciada por crianças, no ambiente sociocultural. Como objeto de estudo foi utilizado os registros em eventos de brincadeiras infantis em parques e ambientes públicos, na capital mineira. O Programa “Escola Livre de Artes Arena da Cultura em Belo Horizonte” executa o projeto “Brinquedos e Brincadeiras”. Este projeto está contribuindo no fortalecimento de relações sociais com o ambiente em diversos espaços públicos, na cidade de Belo Horizonte. De forma gradual, o Programa “BH é da Gente” executa atividades de recreação infantil para a comunidade, valorizando a cultura local. A diversidade geográfica e cultural são instrumentos para a experimentação de novas formas do brincar. Em considerações, pode-se dizer que, a brincadeira é sempre um produto coletivo e inovador. Pois, aquele que brinca é um agente ativo deste processo, contribuindo para a produção de culturas particulares entre os brincantes, em cada ambiente.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nadja Maria Mourão, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutora em Design pelo PPGD/UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais, Tese: “Tecnologias Sociais: Diretrizes para Empreendimentos Criativos” (2019). Possui mestrado em Design, Inovação e Sustentabilidade pelo PPGD/UEMG (2011). Pós-Graduação em Arte Educação pela FAE/UEMG (1999). Graduação em Design de Ambientes pela FUMA - Fundação Mineira de Arte Aleijadinho (1994). Atualmente realiza pesquisa de Pós-Doutorado em Design de Produto “Sustentabilidade na produção artesanal com resíduos vegetais da Amazônia Maranhense”, Projeto Procad do Programa Nacional de Cooperação Acadêmica na Amazônia, pelo PPGDg/UFMA – Universidade Federal do Maranhão. Coordenadora de Pesquisa Adjunta e também pesquisadora associada do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura. Professora Titular da Escola de Design/UEMG. Líder dos Grupos de Pesquisa do CNPq: Estudos em Design, Comunidades, Tecnologias Sociais e Iniciativas Sustentáveis (DECTESIS) e do grupo: Design, Identidade e Território. Consultora e gestora de projetos solidários, socioculturais e ambientais, em Arranjos Produtivos Locais e empreendimentos criativos. Atuante em projetos comerciais de Design de Ambientes. É membro de criação e execução da Tecnologia Social “Librário:Libras para todos” do CEDTec - Centro de Estudos em Design e Tecnologia. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Design, Sustentabilidade e Inclusão, atuando principalmente nos seguintes temas: Design, Tecnologias Sociais, Empreendedorismo Social e Cultural, Territórios e Comunidades, Identidade e Cultura imaterial.

Ana Célia Carneiro Oliveira, Universidade do Estado de Minas Gerais

Mestre em Design, PPGD/UEMG, área de concentração: Design, Inovação e Sustentabilidade, projeto: "Design para a Felicidade: objetos de memória em espaços de vivências" - Possui Pós-Graduação em Arte-Educação pela UEMG - Faculdade de Educação (1990); Bacharel em Decoração (Design de Ambientes) pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho - Escola de Artes Plásticas (1993). Atuante como Designer de Ambientes até 2020. Atualmente membro de projetos do CEDA - Centro de Estudos em Design de Ambientes / Linha de Pesquisa: Design para Ambiências e do CEDTec - Centro de Estudos de Design & Tecnologia / Linha de Pesquisa: Design, Inovação & Tecnologia da Escola de Design - UEMG / Professor titular da UEMG - Escola de Design / Disciplinas em: Expressão Gráfica, Práticas Projetuais, Projeto de Graduação, Teoria do Design, Representação Técnica e Técnicas de Apresentação de Projeto. Orientadora de projetos e monografias do curso de Design de Ambientes / ED - UEMG. Membro Titular do Conselho Departamental e do Colegiado do curso de Design de Ambientes / UEMG. Professor titular do Centro de Ensino Superior (INAP) / Disciplinas em: Projeto Residencial, Projeto Social, Projeto Comercial e Projeto Executivo. Consultora de Projetos Sebraetec - EE FADECIT / UEMG. Professor titular do Instituto Educacional Saramenha (IESA) / Disciplina em: Arte. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ciências Sociais Aplicadas, Design de Ambientes, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação, Design, Design de Ambientes, Arte, Cultura, Memória Cultural, Patrimônio Cultural, Design para a Felicidade, Lugar e Sustentabilidade.

Referências

BENJAMIM, W. Reflexões: A Criança o Brinquedo e a Educação. São Paulo, Summus Editorial, 1984.

BH PELA INFÂNCIA. O que queremos? Disponível em: https://bhpelainfancia.com.br/o-que-queremos/. Acesso em: 22 nov. 2019.

BUSSAB, V. S. R. Afetividade e interação social em crianças: perspectiva psicoetológica. 2003. Tese (Livre-docência em Psicologia) Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

BUZAN, T. Mapas Mentais. Rio de Janeiro: Sextante, 2009.

CARVALHO, A. M. A. O que é “social” para a psicologia? Revista Temas em Psicologia, v. 3, 1994.

CASTRO, L. R. Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro: Nau, 2001.

COELHO, G. N. Brincadeiras na favela: a constituição da infância nas interações com o ambiente. In: VASCONCELLOS, V. M. R; SARMENTO , M. J. (Orgs.). Infância (in)visível. Araraquara: Junqueira & Marin, 2007.

COLONNA, E.; BRÁS, E. J. Crianças e espaço urbano em Maputo. In: MÜLLER, V. R. (Ed.). Crianças dos países de língua portuguesa: Histórias, cultura e direitos. Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá, 2011.

CORSARO, W. Friendship end peer in the early years. Norwood: Ablex, 1985.

COTRIM, G. S. et al. Espaços urbanos para (e das) brincadeiras: um estudo exploratório na cidade de Salvador (BA). Psicologia: teoria e prática, São Paulo, v. 11, 2009.

______; BICHARA, I. D. O brincar no ambiente urbano: limites e possibilidades em ruas e parquinhos de uma metrópole . Revista Psicologia, Reflexão e Critica [online]. vol.26, n.2, 2013, p. 388-395. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000200019.

DA MATTA, R. A casa e a rua. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DUARTE, C. R. et al. Favela, um bairro. São Paulo: Proeditores, 1996.

ELLIS, J. Researching children’s place and space. Journal of Currículum Theorizing, nº 20, vol.1, 2004.

GARCIA, A.; PEREIRA, P. Amizade na infância: um estudo empírico. Psic. Revista de Psicologia. Vetor Editora, nº. 9, vol. 1, 2008.

GIACOMONI, C. H.; SOUZA, L. K.; HUTZ, C. S. A visão das crianças sobre a felicidade. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP. Volume 18, Número 1, Janeiro/Abril de 2014, p.143-150, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v18n1/v18n1a15.pdf. Acesso em: 20. nov. 2019.

HUEBNER, E. S; GILMAN, R. An introduction to the multidimensional student's life satisfaction scale. Social Indicators Research, nº 60, 2002.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira, 2016. Rio de Janeiro: IBGE - Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2016.

KARSTEN, L. Children’s use of public space: The gendered world of the playground. Childhood (London), nº10, vol.4, 2003.

______; VLIET, W. Children in the city: Reclaiming the street. Children, Youth and Environments, nº16, vol.1, 2006.

LOPES, J. J. M. Geografia da Infância: contribuições aos estudos das crianças e suas infâncias. In: Revista Educação Pública. Cuiabá v. 22 n. 49/1, 2013.

LOUV, R. A Última Criança na Natureza. São Paulo: Aquariana, 2005.

LYNCH, K. The Image of the City. Cambridge: M. I. T. Press, 1960.

MATTHEWS, H. The street as a liminal space: The barbed spaces of childhood. In P. Christensen & M. O’Brien (Eds.), Children in the city: Home, neighborhood and community. New York: Routledge, 2003.

MENDONÇA, P. A Natureza que ensina. Disponível em: http://conexaoplaneta.com.br/blog/a-natureza-que-ensina/. Acesso em: 24 nov.2019.

MORAES, M. S.; OTTA, E. Entre a serra e o mar. In: CARVALHO, A. M. A.; MAGALHÃES, C. M. C.; PONTES, F. A. R.; BICHARA; I. D (Org.). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

NORMAN, A. D. Design emocional. Por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de janeiro: Rocco, 2008.

PEREZ, B. C.; JARDIM, M. D. Os lugares da infância na favela: da brincadeira à participação. Revista Psicologia Social [online]. Vol. 27, n.3, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102015v27n3p494.

PERLMAN, J. E. O mito da marginalidade: favelas e políticas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

PIAGET, J. ; INHELDER, B. A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/. Acesso em: 20 nov. 2019.

PROGRAMA BH É DA GENTE. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/noticias/bh-e-da-gente-cumpre-funcao-de-protecao-social-na-pedreira-prado-lopes. Acesso em: 20 nov. 2019.

PROGRAMA ESCOLA LIVRE DE ARTES ARENA DA CULTURA EM BELO HORIZONTE. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/index.php/noticias/pbh-prepara-programacao-especial-de-ferias-nos-centros-culturais-e-bibliocas. Acesso em: 20 nov. 2019.

RASMUSSEN, K. Places for children – Children’s places. Childhood, nº11, vol.2, 2004.

SELIGMAN, E. P. M. Authentic Happiness: Using Positive Psychology to Realization Permanent. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar - a perspectiva da experiência.. Rio Claro: Difel, 1983.

______. Geografia Humanística. In: CHRISTOFOLETTI, A. Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel, 1982.

______. Topofilia. Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

Downloads

Publicado

30/04/2021 — Atualizado em 30/04/2021

Como Citar

Mourão, N. M., & Oliveira, A. C. C. (2021). Cultura afetiva: a construção do ser brincante no contexto urbano externo. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(6). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1789

Edição

Seção

I - Congresso Internacional Online de Estudos sobre Culturas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)