Cultura afetiva: a construção do ser brincante no contexto urbano externo

Autores

  • Nadja Maria Mourão Universidade do Estado de Minas Gerais http://orcid.org/0000-0003-3990-0201
  • Ana Célia Carneiro Oliveira Universidade do Estado de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1789

Palavras-chave:

Cultura afetiva, brincadeiras coletivas, criança, espaço público urbano, Cidade Belo Horizonte.

Resumo

A transformação dos espaços em lugares de afeto é uma possibilidade que advêm das relações em divertimento e brincadeiras. Essa relação pode proporcionar uma reflexão sobre o comportamento humano e gerar novos caminhos para a participação social. São utilizados os estudos que buscam apreciar as crianças a partir da sua realidade social, da cultura afetiva que estão inseridas e que, também, são capazes de construir. Busca-se analisar a realidade afetiva vivenciada por crianças, no ambiente sociocultural. Como objeto de estudo foi utilizado os registros em eventos de brincadeiras infantis em parques e ambientes públicos, na capital mineira. O Programa “Escola Livre de Artes Arena da Cultura em Belo Horizonte” executa o projeto “Brinquedos e Brincadeiras”. Este projeto está contribuindo no fortalecimento de relações sociais com o ambiente em diversos espaços públicos, na cidade de Belo Horizonte. De forma gradual, o Programa “BH é da Gente” executa atividades de recreação infantil para a comunidade, valorizando a cultura local. A diversidade geográfica e cultural são instrumentos para a experimentação de novas formas do brincar. Em considerações, pode-se dizer que, a brincadeira é sempre um produto coletivo e inovador. Pois, aquele que brinca é um agente ativo deste processo, contribuindo para a produção de culturas particulares entre os brincantes, em cada ambiente.

Biografia do Autor

Nadja Maria Mourão, Universidade do Estado de Minas Gerais

Doutora em Design pelo PPGD/UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais, Tese: “Tecnologias Sociais: Diretrizes para Empreendimentos Criativos” (2019). Possui mestrado em Design, Inovação e Sustentabilidade pelo PPGD/UEMG (2011). Pós-Graduação em Arte Educação pela FAE/UEMG (1999). Graduação em Design de Ambientes pela FUMA - Fundação Mineira de Arte Aleijadinho (1994). Atualmente realiza pesquisa de Pós-Doutorado em Design de Produto “Sustentabilidade na produção artesanal com resíduos vegetais da Amazônia Maranhense”, Projeto Procad do Programa Nacional de Cooperação Acadêmica na Amazônia, pelo PPGDg/UFMA – Universidade Federal do Maranhão. Coordenadora de Pesquisa Adjunta e também pesquisadora associada do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura. Professora Titular da Escola de Design/UEMG. Líder dos Grupos de Pesquisa do CNPq: Estudos em Design, Comunidades, Tecnologias Sociais e Iniciativas Sustentáveis (DECTESIS) e do grupo: Design, Identidade e Território. Consultora e gestora de projetos solidários, socioculturais e ambientais, em Arranjos Produtivos Locais e empreendimentos criativos. Atuante em projetos comerciais de Design de Ambientes. É membro de criação e execução da Tecnologia Social “Librário:Libras para todos” do CEDTec - Centro de Estudos em Design e Tecnologia. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Design, Sustentabilidade e Inclusão, atuando principalmente nos seguintes temas: Design, Tecnologias Sociais, Empreendedorismo Social e Cultural, Territórios e Comunidades, Identidade e Cultura imaterial.

Ana Célia Carneiro Oliveira, Universidade do Estado de Minas Gerais

Mestre em Design, PPGD/UEMG, área de concentração: Design, Inovação e Sustentabilidade, projeto: "Design para a Felicidade: objetos de memória em espaços de vivências" - Possui Pós-Graduação em Arte-Educação pela UEMG - Faculdade de Educação (1990); Bacharel em Decoração (Design de Ambientes) pela Fundação Mineira de Arte Aleijadinho - Escola de Artes Plásticas (1993). Atuante como Designer de Ambientes até 2020. Atualmente membro de projetos do CEDA - Centro de Estudos em Design de Ambientes / Linha de Pesquisa: Design para Ambiências e do CEDTec - Centro de Estudos de Design & Tecnologia / Linha de Pesquisa: Design, Inovação & Tecnologia da Escola de Design - UEMG / Professor titular da UEMG - Escola de Design / Disciplinas em: Expressão Gráfica, Práticas Projetuais, Projeto de Graduação, Teoria do Design, Representação Técnica e Técnicas de Apresentação de Projeto. Orientadora de projetos e monografias do curso de Design de Ambientes / ED - UEMG. Membro Titular do Conselho Departamental e do Colegiado do curso de Design de Ambientes / UEMG. Professor titular do Centro de Ensino Superior (INAP) / Disciplinas em: Projeto Residencial, Projeto Social, Projeto Comercial e Projeto Executivo. Consultora de Projetos Sebraetec - EE FADECIT / UEMG. Professor titular do Instituto Educacional Saramenha (IESA) / Disciplina em: Arte. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ciências Sociais Aplicadas, Design de Ambientes, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação, Design, Design de Ambientes, Arte, Cultura, Memória Cultural, Patrimônio Cultural, Design para a Felicidade, Lugar e Sustentabilidade.

Referências

BENJAMIM, W. Reflexões: A Criança o Brinquedo e a Educação. São Paulo, Summus Editorial, 1984.

BH PELA INFÂNCIA. O que queremos? Disponível em: https://bhpelainfancia.com.br/o-que-queremos/. Acesso em: 22 nov. 2019.

BUSSAB, V. S. R. Afetividade e interação social em crianças: perspectiva psicoetológica. 2003. Tese (Livre-docência em Psicologia) Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

BUZAN, T. Mapas Mentais. Rio de Janeiro: Sextante, 2009.

CARVALHO, A. M. A. O que é “social” para a psicologia? Revista Temas em Psicologia, v. 3, 1994.

CASTRO, L. R. Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro: Nau, 2001.

COELHO, G. N. Brincadeiras na favela: a constituição da infância nas interações com o ambiente. In: VASCONCELLOS, V. M. R; SARMENTO , M. J. (Orgs.). Infância (in)visível. Araraquara: Junqueira & Marin, 2007.

COLONNA, E.; BRÁS, E. J. Crianças e espaço urbano em Maputo. In: MÜLLER, V. R. (Ed.). Crianças dos países de língua portuguesa: Histórias, cultura e direitos. Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá, 2011.

CORSARO, W. Friendship end peer in the early years. Norwood: Ablex, 1985.

COTRIM, G. S. et al. Espaços urbanos para (e das) brincadeiras: um estudo exploratório na cidade de Salvador (BA). Psicologia: teoria e prática, São Paulo, v. 11, 2009.

______; BICHARA, I. D. O brincar no ambiente urbano: limites e possibilidades em ruas e parquinhos de uma metrópole . Revista Psicologia, Reflexão e Critica [online]. vol.26, n.2, 2013, p. 388-395. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722013000200019.

DA MATTA, R. A casa e a rua. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DUARTE, C. R. et al. Favela, um bairro. São Paulo: Proeditores, 1996.

ELLIS, J. Researching children’s place and space. Journal of Currículum Theorizing, nº 20, vol.1, 2004.

GARCIA, A.; PEREIRA, P. Amizade na infância: um estudo empírico. Psic. Revista de Psicologia. Vetor Editora, nº. 9, vol. 1, 2008.

GIACOMONI, C. H.; SOUZA, L. K.; HUTZ, C. S. A visão das crianças sobre a felicidade. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP. Volume 18, Número 1, Janeiro/Abril de 2014, p.143-150, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v18n1/v18n1a15.pdf. Acesso em: 20. nov. 2019.

HUEBNER, E. S; GILMAN, R. An introduction to the multidimensional student's life satisfaction scale. Social Indicators Research, nº 60, 2002.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira, 2016. Rio de Janeiro: IBGE - Coordenação de População e Indicadores Sociais, 2016.

KARSTEN, L. Children’s use of public space: The gendered world of the playground. Childhood (London), nº10, vol.4, 2003.

______; VLIET, W. Children in the city: Reclaiming the street. Children, Youth and Environments, nº16, vol.1, 2006.

LOPES, J. J. M. Geografia da Infância: contribuições aos estudos das crianças e suas infâncias. In: Revista Educação Pública. Cuiabá v. 22 n. 49/1, 2013.

LOUV, R. A Última Criança na Natureza. São Paulo: Aquariana, 2005.

LYNCH, K. The Image of the City. Cambridge: M. I. T. Press, 1960.

MATTHEWS, H. The street as a liminal space: The barbed spaces of childhood. In P. Christensen & M. O’Brien (Eds.), Children in the city: Home, neighborhood and community. New York: Routledge, 2003.

MENDONÇA, P. A Natureza que ensina. Disponível em: http://conexaoplaneta.com.br/blog/a-natureza-que-ensina/. Acesso em: 24 nov.2019.

MORAES, M. S.; OTTA, E. Entre a serra e o mar. In: CARVALHO, A. M. A.; MAGALHÃES, C. M. C.; PONTES, F. A. R.; BICHARA; I. D (Org.). Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

NORMAN, A. D. Design emocional. Por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de janeiro: Rocco, 2008.

PEREZ, B. C.; JARDIM, M. D. Os lugares da infância na favela: da brincadeira à participação. Revista Psicologia Social [online]. Vol. 27, n.3, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102015v27n3p494.

PERLMAN, J. E. O mito da marginalidade: favelas e políticas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

PIAGET, J. ; INHELDER, B. A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/. Acesso em: 20 nov. 2019.

PROGRAMA BH É DA GENTE. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/noticias/bh-e-da-gente-cumpre-funcao-de-protecao-social-na-pedreira-prado-lopes. Acesso em: 20 nov. 2019.

PROGRAMA ESCOLA LIVRE DE ARTES ARENA DA CULTURA EM BELO HORIZONTE. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/index.php/noticias/pbh-prepara-programacao-especial-de-ferias-nos-centros-culturais-e-bibliocas. Acesso em: 20 nov. 2019.

RASMUSSEN, K. Places for children – Children’s places. Childhood, nº11, vol.2, 2004.

SELIGMAN, E. P. M. Authentic Happiness: Using Positive Psychology to Realization Permanent. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar - a perspectiva da experiência.. Rio Claro: Difel, 1983.

______. Geografia Humanística. In: CHRISTOFOLETTI, A. Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel, 1982.

______. Topofilia. Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

Downloads

Publicado

30/04/2021 — Atualizado em 30/04/2021

Como Citar

Mourão, N. M., & Oliveira, A. C. C. (2021). Cultura afetiva: a construção do ser brincante no contexto urbano externo. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(6). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i6.1789

Edição

Seção

I - Congresso Internacional Online de Estudos sobre Culturas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)