Descolonizando territórios na América Latina: esforços ontológicos e epistemológicos dos povos indígenas

Autores

  • Marcos Mondardo UFGD/Faculdade de Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i2.1777

Palavras-chave:

América Latina, colonialidade, descolonização, poder, territórios.

Resumo

O debate sobre a descolonização de territórios na América Latina diz respeito aos esforços ontológicos (das lutas) e epistemológicos (teóricos) dos povos originários/indígenas, comunidades quilombolas, populações tradicionais e grupos subalternizados em busca de reconhecimento de seus direitos como a terra, o território, a saúde e a educação. Para isso o procedimento metodológico adotado foi a pesquisa bibliográfica. A América Latina/Abya Yala/Quilombola é uma construção histórica e apresenta uma ideia de um lugar do mundo como um produto colonial. Estamos imersos na “colonialidade do poder e do saber”. Este texto problematiza, assim, a geografia cultural da América Latina por meio da descolonização do poder. É fundamental adotar a perspectiva decolonial na análise cultural latino-americana para imaginar horizontes emancipatórios e construir práticas de luta e resistência. A América Latina é construída pelas histórias vividas e quanto maior e mais diversos forem os números de narrativas, melhor poderemos verificar e potencializar a diversidade desse espaço, seus conflitos e lutas.

 

Biografia do Autor

Marcos Mondardo, UFGD/Faculdade de Ciências Humanas

Doutor em Geografia pela UFF.

Referências

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4 ed. São Paulo: EdUSP, 2003.

CASTRO-GÓMES, S. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, pp. 80-87.

CHAUÍ, M. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 12 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

DARDOT, P.; LAVAL, C. Commun: essai sur la révolution au XXIe siècle. Paris: La Découverte, 2014.

DUSSEL, E. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, pp. 8-23.

ELIAS, N. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2005.

FOUCAULT, M. Ditos e Escritos VI: Repensar a política. Rio de Janeiro: Florense Universitária, 2010.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso do Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GALEANO, Eduardo. De Las venas abiertas de América Latina a Memoria del fuego. Montevideo: Universidad de la República, 1987.

GONZÁLEZ CASANOVA, P. Colonialismo interno (una redefinición). In: BORON, A. AMADEO, J. GONZÁLEZ, S. (Orgs.). La teoría marxista hoy. CLACSO, Buenos Aires, 2006, p. 431-458.

GROSFOGUEL, R. La descolonización de la economía política y los estudios postcoloniales: transmodernidad, pensamiento fronterizo y colonialidad global. Tabula Rasa. Bogotá - Colômbia, n. 4, Janeiro-junho de 2006, p. 17-48.

GROSFOGUEL, Ramon. Hacia un pluri-versalismo transmoderno decolonial. Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, n. 9, julho-dezembro de 2008, p. 199-215.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MIGNOLO, W. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

MORSE, M. R. O espelho de próspero: cultura e ideias nas Américas. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

PORTO-GONÇALVEZ, C. W. A invenção de novas geografias: a natureza e o homem em novos paradigmas. In: Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

QUENTAL, P. de A. Entre o fato e o artefato: notas sobre a invenção do conceito de América Latina. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2010.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, pp. 107-130.

REIS, L. Conversas ao Sul: ensaios sobre literatura e cultura latino-americana. Niterói: EdUFF, 2009.

SAÏD, E. W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: EDUSP, 2004.

SOUSA SANTOS, B. de. Para uma Sociologia das Ausências e uma Sociologia das Emergências. In: SOUSA SANTOS, B. de (Org.). Conhecimento prudente para uma nova vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

TODOROV, T. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

WALLERSTEIN, I. The Politics of the World-Economy: The States, the Movements and the Civilizations. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

Downloads

Publicado

30/09/2020

Como Citar

Mondardo, M. (2020). Descolonizando territórios na América Latina: esforços ontológicos e epistemológicos dos povos indígenas. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6(2). https://doi.org/10.23899/relacult.v6i2.1777

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo