Os (Des) Caminhos do Ensino de Espanhol no Brasil

Autores

  • Luciana Contreira Domingo UNIPAMPA / JAGUARÃO

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v1i02.175

Palavras-chave:

enseñanza reglada, español, documentos nacionales, educación básica, política lingüística

Resumo

Traçar o percurso realizado pela Língua Espanhola no sistema educacional brasileiro é, senão uma tarefa difícil, pelo menos surpreendente. Neste trabalho refletiremos sobre o caminho percorrido pelo idioma espanhol no Brasil. Para tentar compreender a forma como o sistema educativo brasileiro entende o ensino de espanhol em nosso território, analisaremos neste trabalho os movimentos em relação à oferta do idioma na educação básica do país e alguns desdobramentos das principais ações levadas a cabo até o momento. Para mapear o caminho, focaremos quatro momentos compreendidos entre o ano de 1942 até a atualidade. Nossa reflexão aponta que, apesar dos esforços realizados na elaboração de uma proposta de inserção deste idioma no sistema educacional brasileiro, ainda não conseguimos construir uma política linguística sólida que atenda as especificidades do ensino desse idioma em nosso país.

Biografia do Autor

Luciana Contreira Domingo, UNIPAMPA / JAGUARÃO

Possui graduação em Letras - Língua Espanhola e respectivas Literaturas (UFPEL, 2003), especialização em Língua Espanhola (UCPEL, 2005) e em Estudos Linguísticos e Literários (UFBA, 2009), mestrado em Letras (UFBA, 2011) e doutorado em Letras (UCPEL, 2015). Atualmente é Professora Assistente no Curso de Letras da Universidade Federal do Pampa - Campus Jaguarão.

Referências

ALMEIDA FILHO, J.C.P. Linguística Aplicada. Ensino de Línguas e Comunicação. 2. ed. Campinas: Pontes, 2007.

______. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. 3ed. Campinas: Pontes, 2002.

ARNOUX, E. N.; NOTHSTEIN, S. Glotopolítica, integración regional sudamericana y panhispanismo. In: ARNOUX, E. N.; NOTHSTEIN, S. (Org.) Temas de glotopolítica. Integración regional sudamericana y panhispanismo. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Biblos, 2014, p. 9-29.

______. Representaciones sociolingüísticas y construcción de identidades colectivas en el Mercosur. In: CELADA, M. T.; FANJUL, A. P.; NOTHSTEIN, S. Lenguas en un espacio de integración: acontecimientos, acciones, representaciones. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Biblos, 2010, p. 17-38.

______. Desde Iguazú: mirada glotopolítica sobre la integración regional. In: FANJUL, A.P.; CASTELA, G. da S. (Orgs.) Línguas, políticas e ensino na integração regional. Cascavel, Gráfica Assoeste e Editora, 2011, p. 38-64.

BAUMAN, Z. Pensando sociológicamente. Buenos Aires: Nueva Visión, 1994.

BEIN, R. Políticas lingüísticas nacionales y de integración regional en América Latina. In: NARVAJA DE ARNOUX, E.; NOTHSTEIN, S. (Ed.) Temas de glotopolítica: Integración regional sudamericana y panhispanismo. 1ª ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Biblos: 2014, p. 75-91.

BOHN, H. I. Os aspectos “políticos” de uma política de ensino de línguas e literaturas estrangeiras. Linguagem & Ensino, Vol. 3, Nº 1, 2000, p. 117-138.

BRASIL. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Conhecimentos de Espanhol. Secretaria de Educação Básica. Brasília: Ministério de Educação, 2006, p.127-164.

______. Lei 11.161, de 05 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da língua espanhola. Publicada no Diário Oficial da União, nº151, em 08 de agosto de 2005, s. 1, p.1.

______. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 1998.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. MEC/ SEF, 1997.

______. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. LDB/96. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Ministério da Educação e Cultura.

CELADA, M. T. O espanhol para o brasileiro: uma língua singularmente estrangeira. Tese – Doutorado. Departamento de Linguística, Campinas, 2002. Disponível em: <http://www.fflch.usp.br/dlm/espanhol/docente/teresa.html>. Acesso em: 3 maio 2007.

FANJUL, A. P. São Paulo: o pior de todos. Quem ganha e o que se perde com a (não) introdução do espanhol na escola pública paulista. In:

CELADA, M. T.; FANJUL, A. P.; NOTHSTEIN, S. Lenguas en un espacio de integración: acontecimientos, acciones, representaciones. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Biblos, 2010, p. 185-207.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

HALL, S.; MELLINO, M. La cultura y el poder. Conversaciones sobre los cultural studies. Buenos Aires: Amorrortu, 2011.

JORGE, M. L. S. Preconceito contra o ensino de língua estrangeira na escola pública. In: LIMA, Diógenes (Org.). Ensino e aprendizagem de Língua Inglesa: conversa com especialistas. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, p.161-168. (Estratégias de Ensino, 11).

MATOS, F. Apresentação. In: SEDYCIAS, J. (Org.). O ensino de espanhol no Brasil: passado, presente, futuro. São Paulo: Parábola Editorial, 2005, p.9-10. (Estratégias de ensino, 1).

PIZARRO, A. O sul e os trópicos. Ensaios de cultura latino-americana. Trad. Irene Kallina, Liege Rinaldi. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2006.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Educação. Departamento Pedagógico (Org.). Referenciais Curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. 1ª ed. Porto Alegre: SE/ DP, 2009.

RODRIGUES, F. Língua viva, letra morta: obrigatoriedade e ensino de espanhol no arquivo jurídico e legislativo brasileiro. 2010. 342 p. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

Downloads

Publicado

31/12/2015

Como Citar

Domingo, L. C. (2015). Os (Des) Caminhos do Ensino de Espanhol no Brasil. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 1(02), 66–78. https://doi.org/10.23899/relacult.v1i02.175

Edição

Seção

Dossiê - Educação, Política e Sociedade