Justiça social e cidadania ambiental como mecanismos de enfrentamento da crise habitacional

Autores

  • Daiane Acosta Amaral Universidade Federal do Rio Grande
  • David Silva de Souza

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i0.1729

Palavras-chave:

ciências humanas, educação ambiental

Resumo

O rápido crescimento das aglomerações urbanas é resultado de um processo histórico de urbanização que se intensificou a partir de meados do século XX.  A urbanização crescente deverá ser acompanhada do aumento da pobreza e, como já se sabe, os impactos da combinação de tais processos serão de toda ordem, sobretudo ambiental e social.Assim, em que pesem as parcas políticas públicas voltadas para a inclusão social e da inércia estatal em procurar soluções imparciais para os dilemas da precariedade urbana, cabe à coletividade também buscar o equilíbrio socioambiental, de modo que as ações sejam revestidas de obrigação intergeracional, ou seja, com respeito à geração futura.A cobrança de ações efetivas passa pelo reconhecimento da participação social de cada indivíduo e da relação de pertencimento com a sociedade.

Referências

ACELRAD, Henri. Ambientalização das lutas sociais- o caso do movimento por justiça ambiental. In. Estudos Avançados. V. 24, nº 68, 2010.

_______________. Apresentação: conflitos ambientais- a atualidade do objeto. In: Conflitos ambientais no Brasil. Rio de janeiro: RelumeDumatá, 2004.

________________. Apresentação: conflitos ambientais e urbanos: debates, lutas e desafios. MACHADO, Carlos R.S. (org). Porto Alegre: EVANGRAF, 2013.

________________; MELLO, Cecilia Campello do A; BEZERRA, Gustavo das Neves. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: GARAMOND, 2009.

BECK, U. From Industrial Society to Risk Society: questions of survival, social structure and ecological enlightement.Theory, Culture&Society, v. 9. P. 97-123,1992.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. Espaço-tempo na metrópole: a fragmentação da vida cotidiana. São Paulo: Contexto, 2001.

_____________. O lugar no/do mundo. São Paulo: Hucitel, 1996.

FACHIN, Luis Edson. Teoria Critica do Direito Civil. À luz do novo Código Civil Brasileiro. 2 ed. Rio de janeiro: Ed. Renovar, 2003.

FENSTERSEITFER, Tiago. Direitos Fundamentais e proteção do meio ambiente. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008. p. 209.

FERREIRA, Luiz Felipe. Iluminando o lugar: três abordagens (Relph, Buttimer e Harvey) Boletim Goiano de Geografia. Goiânia, v. 22, nº 01, 2002.

FERREIRA, Regina Fátima C.F. Movimentos sociais, autogestão e a construção da política nacional de habitação no Brasil. In: Autogestão habitacional no Brasil: utopias e contradições. Rio de Janeiro: Observatório das Metrópoles, 2012.

GRAU, Eros Roberto. A ordem econômica na Constituição de 1998. São Paulo. Ed. Malheiros, 1997.

HARVEY, David. A justiça social e a cidade. São Paulo: Hucitec, 1980.

HOLZ, Sheila y MONTEIRO, Tatiana Villela de Andrade. Política de habitacão social e o direito a moradia no Brasil. Diezaños de cambiosenel Mundo, enlaGeografía y enlasCienciasSociales, 1999-2008. Actasdel X Coloquio Internacional de Geocrítica, Universidad de Barcelona, 26-30 de mayo de 2008. Disponível em http://www.ub.es/geocrit/-xcol/158.htm

LAYARGUES, Philippe Pomier. Educação ambiental com compromisso social: o desafio da superação das desigualdades. In: LOUREIRO, Carlos Frederico (org). Repensar a Educação Ambiental um olhar crítico. São Paulo: CORTEZ, 2009.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2008.

MARICATO, E. O estatuto da cidade periférica. In: O estatuto da cidade comentado. São Paulo: Ministério das Cidades/Aliança das Cidades, 2010.

______________. Reforma urbana: limites e possibilidades- uma trajetória incompleta. In: Globalização, fragmentação e reforma urbana: o futuro das cidades brasileiras na crise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

______________. As metrópoles brasileiras e a globalização neoliberal.In:Brasil, sociedade em movimento. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

MARQUES, José Roberto. Meio Ambiente Urbano. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005, p.52.

MEDEIROS, Edvaldo da Silva. Direito urbanístico e a dimensão da sustentabilidade: Cidades sustentáveis, uma exigência para um novo paradigma. In: Sustentabilidade: anais de textos selecionados do 5º Seminário sobre sustentabilidade. Curitiba: Juruá, 2011.

MONTEIRO, P. Cultura e democracia no processo de globalização. Revista Novos Estudos. São Paulo: CEBRAP, nº 44, 1996.

SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2005.

______________.Metamorfoses do espaço habitado. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 1994.

______________. O espaço do cidadão. 7 ed. São Paulo: EDUSP, 2012.

SILVA, José Afonso da. Direito Urbanístico Brasileiro. São Paulo: Malheiros Editores, 2008.

STEFANIAK, Luiz João; STEFANIAK, Janeth Nunes. Efetividade do direito á moradia na cidade ilegal. Cadernos de Direito, Piracicaba, V.12, 2012.

Downloads

Publicado

28/05/2020

Como Citar

Amaral, D. A., & de Souza, D. S. (2020). Justiça social e cidadania ambiental como mecanismos de enfrentamento da crise habitacional. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6. https://doi.org/10.23899/relacult.v6i0.1729

Edição

Seção

Dossiê: X Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental (EDEA)