O Estado da arte sobre a pesquisa em educação ambiental crítica nas atas do ENPEC e nas edições da REMEA

Autores

Palavras-chave:

Estado da Arte, Educação Ambiental Crítica, Análise Textual Discursiva

Resumo

Este trabalho é um resultado parcial de uma pesquisa que procurou analisar a produção acadêmica sobre Educação Ambiental (EA) Crítica no período compreendido de 2009 a 2017, do VII ao XI ENPEC, e de 2005 a 2017, nas edições da REMEA. Para tanto, caracterizou-se como pesquisa do tipo Estado da Arte para levantamento bibliográfico, e para a interpretação dos dados sobre os referenciais teóricos, utilizou-se a Análise Textual Discursiva. Foram encontrados 148 trabalhos nas atas do ENPEC e 59 artigos nas edições da REMEA analisadas. Ainda revela quais autores foram mais citados sobre EA Crítica para as pesquisas publicadas na REMEA. Percebe-se recente aumento da produção na área, sendo pertinente compreender quais referenciais teóricos, conhecimentos e reflexões permeiam estas pesquisas da área.

Biografia do Autor

Renan de Almeida Barbosa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestre em Educação em Ciências. Doutorando do PPG Educação em Ciências, Química da Vida e Saúde da UFRGS.

José Vicente Lima Robaina, FACED - Faculdade de Educação da UFRGS - Campus Porto Alegre/RS

DEC - Departamento de Ensino e Currículo - FACED -  Faculdade de Educação da UFRGS, Campus Porto Alegre/RS

Referências

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Resolução CNE/CP 2/2012. Diário Oficial da União, Brasília, 18 de junho de 2012 – Seção 1–p.70.Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 21 mai. 2018.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental, Lei 9795. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 abr. 1999. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm Acesso em: 21 mai. 2018.

CARVALHO, I. C. de M. Educação Ambiental Crítica: nomes e endereçamentos da educação. LAYRARGUES, P. P. (coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004a. 156p.

_____________. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004b.

_____________. A invenção do sujeito ecológico: identidade e subjetividade na formação dos educadores ambientais. SATO, M.; CARVALHO, I. C. de M. (orgs.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 51-63.

_____________. O ambiental como valor substantivo: uma reflexão sobre a identidade da educação ambiental. SAUVÉ, L.; ORELLANA, I.; SATO, M. Textos escolhidos em Educação Ambiental: de uma América a outra. Tomo I. Montreal: Publications ERE-UQAM, pp. 85-90, 2002b. (versão em Língua Portuguesa)

_____________. Paisagem, historicidade e ambiente: as várias naturezas da natureza. Confluenze. Vol. 1, N. 1, 2009, p. 136-157.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

_____________. Pedagogia da Autonomia. 20. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

_____________. Conscientização: teoria e prática da libertação. 3. ed. 116 p. São Paulo: Centauro, 2001.

_____________. Educação como prática de liberdade. 30. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

_____________. Extensão ou Comunicação? OLIVEIRA, R. D. de. (trad.) 10. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1983.

_____________. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São

Paulo: Unesp, 2000.

_____________. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’água, 1997.

_____________. A Importância do Ato de Ler – três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados, 1989.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de professor, Ponta Grossa, 14(2): 309-335, 2011. Disponível em http://www.revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor Acesso em: 16 ago. 2018.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental Transformadora. In: LAYRARGUES, P. P. (coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004a. 156p.

_____________. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez editora, 2004b. 150p.

_____________ (org). O Movimento Ambientalista e o Pensamento Crítico: uma abordagem política. Rio de Janeiro: Quartet, 2006.

_____________. Educar, participar e transformar em educação ambiental. Brasília: Rede Brasileira de Educação Ambiental, Revista Brasileira de Educação Ambiental, n. 0. 2004c, p. 13 - 20.

_____________. LAYRARGUES, P. P; CASTRO, R. S. de. Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

_____________; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. de. (orgs.). Sociedade e meio ambiente: a Educação Ambiental em debate. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

_____________; LAYRARGUES, P. P. Educação ambiental crítica e movimento de justiça ambiental: perspectivas de aliança contra- hegemônica na construção de uma alternativa societária. MACHADO, C.R.S.; SANTOS, C. F. dos (orgs.) et al. Conflitos Ambientais e Urbanos: debates, lutas e desafios. Porto Alegre: Evangraf, 2013.

_____________. Teoria crítica. FERRARO JÚNIOR, L. A. (org.) Encontros e caminhos da educação ambiental. v. I. Brasília: MMA, 2005.

_____________. Educação ambiental e “teorias críticas”. In: GUIMARÃES, M. (org.) Caminhos da educação ambiental: da forma à ação. 5 ed. Campinas: Papirus, 2011.

_____________. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2014.

_____________. Materialismo histórico-dialético e a pesquisa em educação ambiental. Revista Pesquisa em Educação Ambiental, São Carlos, vol. 9, n. 1, pp. 53-68, 2014a.

_____________; TREIN, E.; TOZONI-REIS, M. F. de C., NOVICKI, V. Contribuições da teoria marxista para a educação ambiental crítica. Caderno CEDES, Campinas. v. 29, n. 77, jan.-abr. 2012.

_____________. et al. Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

_____________. Educação Ambiental e movimentos sociais na construção da cidadania ecológica e planetária. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. de. (Orgs.) Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. 3ed. São Paulo: Cortez, 2005.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva. 3. ed. rev. amp. Ijuí: Unijuí. 2016.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. Manual de investigação em Ciências sociais. 4. ed. Lisboa: Gradiva. 2005.

REIGOTA, M. O Estado da Arte da Pesquisa em Educação Ambiental no Brasil. Pesquisa em Educação Ambiental. 2. 33. 10.18675/2177-580X.vol2.n1. 2012, p33-66. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/291578290_O_Estado_da_Arte_da_Pesquisa_em_Educacao_Ambiental_no_Brasil Acesso em: 16 ago. 2018.

Downloads

Publicado

08/05/2021

Como Citar

Barbosa, R. de A., & Robaina, J. V. L. (2021). O Estado da arte sobre a pesquisa em educação ambiental crítica nas atas do ENPEC e nas edições da REMEA. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6. Recuperado de https://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/1677

Edição

Seção

Dossiê: X Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental (EDEA)