Alimentos orgânicos na perspectiva da educação ambiental crítica: uma pesquisa do entendimento de futuros professores de ciências e biologia

Autores

  • Débora Anzolin Valginhak
  • Michael Wellington Sene

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v6i0.1674

Palavras-chave:

Educação, Formação inicial de professores, Produção de alimentos.

Resumo

A formação de docentes aptos a abordar temas de influência no cotidiano, como a produção de alimentos, é importante visto o papel da escola de formar cidadãos com consciência crítica da realidade. Sendo assim, realizou-se uma pesquisa com licenciandos em ciências biológicas da UNICENTRO (Guarapuava-Pr) para verificar se esse tema era tratado no curso, o entendimento dos alunos, o interesse em abordá-lo na prática educativa e o conhecimento dos projetos de extensão em agricultura alternativa da universidade. Os dados foram obtidos por meio de questionários e pesquisa documental, tendo que a temática não está presente nas ementas e que os alunos são basicamente jovens do meio urbano, solteiros e sem filhos que reconhecem a importância do tema, mas apresentam conhecimento superficial e não tem noção das atividades realizadas pela universidade.

Biografia do Autor

Débora Anzolin Valginhak

Mestranda em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná, possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Centro-Oeste e especialização em Gestão e Educação Ambiental pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci. Atuou em microbiologia aplicada com foco em utilização de resíduos industriais para produção de cogumelos comenstíveis e/ou medicinais, agroecologia, certificação de produtos orgânicos e Educação Ambiental.

Michael Wellington Sene

Doutorando em Geografia pela Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO. Bolsista CAPES. Mestre em Geografia e graduado em Geografia Licenciatura, pela mesma universidade.Durante o mestrado foi bolsista da CAPES, de março de 2014 a março de 2016. Na graduação em Geografia, participou do Programa de Iniciação Científica e Extensão Universitária, sendo bolsista de Extensão Universitária da Fundação Araucária. Suas pesquisas possuem temáticas voltadas à Formação Inicial e Continuada de Professores, Geografia nos Anos Iniciais, Ensino de Geografia e PIBID. Participa do grupo de Pesquisa e Extensão - Educação Geográfica e Cartografia para escolares (EDUCARTgeo) ligado ao Departamento de Geografia da UNICENTRO.

Referências

ANDRADE, L. M. S.; BERTOLDI, M. C.. Atitudes e motivações em relação ao consumo de alimentos orgânicos em Belo Horizonte – MG. Braz. J. Food Technol., p. 31-40, 2012.

ARCHANJO, L. R.; BRITO, K. F. W.; SAUERBECK, S. Alimentos orgânicos em Curitiba: consumo e significado. Cadernos de Debate, v. 8, p. 1-6, 2001.

BIESDORF, R. K. O papel da educação formal e informal: educação na escola e na sociedade. Itinerarius Reflectionis, v. 1, n. 10, p. 1-13, 2011.

BORGUINI, R. G.; TORRES, E. A. F. S. Alimentos orgânicos: qualidade nutritiva e segurança do alimento. Segurança Alimentar e Nutricional, v. 13, n. 2, p. 64-75, 2006.

BORSATO, A. V. Sistema de produção agrícola de base ecológica. In: NUNES, R. R.; REZENDE, M. O. de O. (Org.). Recurso Solo: Propriedades e Usos. São Carlos: Editora Cubo, 2015.

BRASIL. Instrução normativa conjunta nº 18, de 28 de maio de 2009. Aprova o regulamento técnico para o processamento, armazenamento e transporte de produtos orgânicos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 mai. 2009. Disponível em: < http://planetaorganico.com.br/site/wp-content/uploads/2009/12/in-processamento-280509-versc3o-publicada_0.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2017.

BRASIL. Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, p. 1, 23 dez. 2003. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.831.htm>. Acesso em 4 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 abr. 1999. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/lei9795.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento de Área 2017: Ciências Ambientais. Brasília: MEC/CAPES, 2016. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/images/documentos/Documentos_de_area_2017/49_CAMB_ddocare_2016_publ2.pdf>. Acesso em: 27 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB/DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC, 1998.

CAPORAL, F. R.; AZEVEDO, E. O. Princípios e perspectivas da agroecologia. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2011.

CARNEIRO, F. F.; RIGOTTO, R. M.; AUGUSTO, L. G. S.; FRIEDRICH, K.; BÚRIGO, A. C. (Org.). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

DARNHOFER, I.; LINDENTHAL, T.; BARTEL-KRATOCHVIL, R.; ZOLLITSCH, W. Conventionalisation of organic farming practices: from

structural criteria toward san assessment based on organic principles. Agronomy

for Sustainable Development, v. 30, p. 67-81, 2010.

FEITOSA, E. P. S.; DANTAS, C. A. O.; ANDRADE-WARTHA, E. R. S.; MARCELLINI, P. S.; MENDES-NETTO, R. S.. Hábitos alimentares de estudantes de uma universidade pública no Nordeste, Brasil. Alim. Nutr., v. 21, n. 2, p. 225-230, 2010.

FERNANDES-SANTOS, R. C.; MEDICI, E. P.; TESTA-JOSÉ, C.; CANENA, A. C. Impacto de agrotóxicos e metais pesados na anta brasileira (Tapirus terrestres) no estado do Mato Grosso do Sul, Brasil, e implicações para saúde humana e ambiental. 2018. Disponível em: <http://www.ipe.org.br/images/relatorio-agrotoxico-anta.pdf>. Acesso em: 9 jan. 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 56. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2018.

GERALDO, A. C. H. Didática de ciências naturais na perspectiva histórico-crítica. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2014.

GOMES, M. F. V. B. Cartografias da paisagem: trajetória socioambiental de Guarapuava. Guarapuava: UNICENTRO, 2012.

GREENPEACE. Risques environnementaux des pesticides néonocotinoïdes: synthèse des études scientifiques publiées depuis 2013. 2017. Disponível em: <https://cdn.greenpeace.fr/site/uploads/2017/02/risques_environnements_pesticides.pdf?_ga=2.149042805.2117101331.1547074366-566774568.1547074366>. Acesso em: 9 jan. 2019.

IBGE. Censo demográfico 2010. 2011. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/0000000402.pdf>. Acesso em: 4 jan. 2019.

IBGE. Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil: uma primeira aproximação. 2017. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100643.pdf >. Acesso em: 5 jan. 2019.

KHATOUNIAN, C. A. A reconstrução ecológica da agricultura. Botucatu: Agroecológica, 2001.

LIMA, P. F. C.; LIMA, A. M. M.; CASTRO, S. M. V.; GOMES, M. V. C. N. O consumo de alimentos orgânicos na cidade de Manaus (AM): o comércio de produtos e a sustentabilidade do setor. Revista Verde, v. 10, n. 1, p. 120-127, 2015.

MACHADO, L. C. P.; MACHADO FILHO, L. C. P.. A dialética da agroecologia: Contribuição para um mundo com alimentos sem veneno. São Paulo: Expressão Popular, 2014.

MATOS, N. C. S.; ANDREAZZI, M. A.; GASPAROTTO, F.; LIZAMA, M. A. P.; QUEIRÓZ, F. M.; CAVALIERI, F. L. B. Produção sustentável de alimentos e educação: uma relação essencial. Educação Ambiental em Ação, ano 17, n. 65, 2018. Disponível em: < http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3350>. Acesso em: 4 jan. 2019.

MAZOYER, M.; ROUDART, L. História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. Tradução de Cláudia Felícia Falluh Balduino Ferreira. São Paulo: Editora UNESP; Brasília: NEAD, 2010.

MOLON, S. I. Constituição do sujeito na formação de professores: significação nas práticas cotidianas. Educação, v. 41, n. 3, p. 567-578, 2016.

MOTTA, M. B.; TEIXEIRA, F. M. Educação alimentar: práticas educativas assumidas no discurso de professoras de ciências. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8, 2011, Campinas. Anais eletrônicos. Campinas: UNICAMP, 2011. Disponível em: <http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0081-1.pdf>. Acesso em: 9 jan. 2019.

OLIVEIRA, C. S. P.; LIMA, A. F.; SILVA, E. C.; ANDRE, W. P. P.; ANDRE, T. P. P. Produção orgânica: predileção de consumo e potencialidade do seguimento em Fortaleza – CE. Revista Verde, v. 10, n. 3, p. 32-36, 2015.

OLIVEIRA, V. R.; MALTA, M. C. M.; LIMA FILHO, D. O. Conceito de alimento natural e alimento industrializado: uma abordagem sócio-comportamental. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 27, 2007, Foz do Iguaçu. Anais eletrônicos. Foz do Iguaçu: ABEPRO, 2007. Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2007_tr610460_9791.pdf>. Acesso em: 9 jan. 2019.

ONU. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. 2015. Disponível em: <https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/Brasil_Amigo_Pesso_Idosa/Agenda2030.ppd>. Acesso em: 4 jan. 2019.

PALMA, D. C. A. Agrotóxicos em leite humano de mães residentes em Lucas do Rio Verde, MT. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2011.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 1995.

SAMBUICHI, R. H. R.; MOURA, I. F.; MATTOS, L. M.; ÁVILA, M. L.; SPÍNOLA, P. A. C.; SILVA, A. P. M. A política nacional de agroecologia e produção orgânica no Brasil: uma trajetória de luta pelo desenvolvimento rural sustentável. Brasília: IPEA, 2017.

SPERB, P. ‘Epidemia de câncer’? Alto índice de agricultores gaúchos doentes põe agrotóxicos em xeque. BBC Brasil, Porto Alegre, ago. 2016. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/brasil-37041324>. Acesso em: 10 abr. 2017.

TEIXEIRA, C. O conhecimento sobre o meio ambiente na formação de professores: uma perspectiva socioambiental. In: DINIS, N. F.; BERTUCCI, L. M. (Orgs.). Múltiplas faces do educar: processos de aprendizagem, educação e saúde, formação docente. Curitiba: Editora UFPR, 2007.

TRJABER, R.; MENDONÇA, P. R. O que fazem as escolas que dizem que fazem Educação Ambiental? Brasília: SECAD/UNESCO, 2007.

UNICENTRO. Ementário das disciplinas do curso de Ciências Biológicas - licenciatura (currículo iniciado em 2011). 2011. Disponível em: <http://www2.unicentro.br/proen/files/2016/12/CI%C3%8ANCIAS-BIOL%C3%93GICAS-2011.pdf?x34126>. Acesso em: 07 mar. 2017.

VIEGAS, P. L.; NEIMAN, Z. A prática de educação ambiental no âmbito do ensino formal: estudos publicados em revistas acadêmicas brasileiras. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 10, n. 2, p. 45-62, 2015.

Downloads

Publicado

28/05/2020

Como Citar

Valginhak, D. A., & Sene, M. W. (2020). Alimentos orgânicos na perspectiva da educação ambiental crítica: uma pesquisa do entendimento de futuros professores de ciências e biologia. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 6. https://doi.org/10.23899/relacult.v6i0.1674

Edição

Seção

Dossiê: X Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental (EDEA)