Batuques por negros e brancos

Autores

  • Elisabete de Fátima Farias Silva Instituto de Geociências, Departamento de Geografia, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1576

Palavras-chave:

Batuques, comunidade de tambor, diáspora, relação étnico-racial.

Resumo

Produto da diáspora, os Batuques acontecem entre as comunidades de tambor que têm na ancestralidade sua episteme própria. A partir dos relatos de batuqueiros e das experiências em Batuques no interior paulista, pretendemos pensar a relação étnico-racial entre negros e brancos nos Batuques, desvelando o com-viver pelos tambores (SILVA, 2016) que se realiza nas negociações a nível do corpo, enquanto intersecção existencial, com enfoque na dimensão geográfica (COSTA, 2017; RATTS, 2004) dessa relação.

 

 

Biografia do Autor

Elisabete de Fátima Farias Silva, Instituto de Geociências, Departamento de Geografia, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

Doutoranda pelo Instituto de Geociências, Departamento de Geografia, Unicamp, na linha "Dinâmica territorial: sistemas técnicos atuais e novas práticas sócio-espaciais". Mestre em Geografia pelo Instituto de Geociências e Ciências Exatas da UNESP, Campus de Rio Claro, na linha "Espaço, Cultura e Sociedade". Graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Geografia pela UNESP, Campus de Ourinhos. Pesquisa atualmente nos campos da Geografia Humanista e Fenomenologia. Interesse nas temáticas cultura, linguagens, corpo, América Latina. Experiência em escolas da rede pública estadual e municipal no ensino fundamental II e ensino médio

Referências

BONIFÁCIO, I.S.; DIAS, P. Terreiros do Tambu: histórias sobre os tambores no batuque de umbigada. Rio Claro: Associação Cruzeiro do Sul, 2016.

BUENO, A.P.; TRONCARELLI, M.C.; DIAS, P. (org.). Batuque de Umbigada: Tietê, Piracicaba, Capivari-SP. São Paulo: Associação Cultural Cachuera! 2015.

CASTRO, B.A.C. de. Patrimônio cultural e territorialidade negra em Rio Claro/SP. Espaço & Geografia (online), v. 16, n. 2, p. 557 – 578, 2013. Disponível em: <http://www.lsie.unb.br/espaco egeografia/index.php/espacoegeografia/article/view/269>. Acesso em: 24 nov. 2016.

COSTA, B. P. da. Interculturalidade e geografia: um debate espacial das relações culturais. GEOgraphia, Niterói, Universidade Federal Fluminense (UFF), v.19, n.39, 2017. p. 41 - 53. Disponível em: . Acesso em: 4 jan. 2017.

CRENSHAW, K. W. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: VV.AA. Cruzamento: raça e gênero. Unifem. p. 7 - 16, 2004. Disponível em: <http://www.acaoeducativa.org. br/fdh/wp-content/uploads/2012/09/Kimberle-Crenshaw.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2017.

DEAN, W. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura 1820-1920. POTINHO, W.M. (trad.). Rio de Janeiro, Paz e Terra: 1977.

FARIA, M.M. de. Valorização dos percursos negros no Brasil: perspectivas de educação nos territórios afro-rioclarenses. 2014. Dissertação de Mestrado (Pós-graduação em Educação) - Instituto de Educação, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro/SP, 2014.

GARCÉS, 2009. De la interculturalidad como armónica relación de diversos a una interculturalidad politizada. MORA, D. (org.) Interculturalidad crítica y descolonización: fundamentos para el debate. Bolívia: Instituto Internacional de Integración, 2009. p. 21 – 50.

HALL, S. Quem precisa da identidade? In: SILVA, T.T (Org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais, 12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 103 - 133.

LEITE, M. E. Fotografia e documentação no interior paulista: o 'batuque de umbigada' por Rodolpho Copriva. Discursos Fotográficos. Londrina, v.7, n.11, p. 175 – 195, 2011. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/discursosfotograficos/article/view/9411 >. Acesso em: 2 nov. 2016.

LÓPES, L. C. O corpo colonial e as políticas e poéticas da diáspora para compreender as mobilizações afro-latino-americanas. Horiz. antropol. v.21, n.43, Porto Alegre, p. 301 - 330, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ha/v21n43/0104-7183-ha-21-43-0301.pdf>. Acesso em: 14 mar 2018.

OLIVEIRA, E. D. Filosofia da ancestralidade: corpo de mito na filosofia da educação brasileira. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2007.

PEREIRA, F.A. de S. Organizações e espaços da raça do Oeste Paulista: movimento negro e poder local em Rio Claro (dos anos 1930 aos anos 1960). 2008. Tese (doutorado em Sociologia). UFSCAR. São Carlos/SP.

PORTAL MEMÓRIA VIVA. No Tamoyo. 8ª Conversa Griô. Entrevistas. 1h48'. 06 nov. 2012. Disponível em: <http://www.memoriaviva.sp.gov.br/2014/01/06/8a-conversa-grio/>. Acesso em: 20 ago. 2015.

PRZYBYSZ, J.; SILVA, J. M. Espacialidades e interseccionalidades na vivência de mulheres prostitutas mães na cidade de Ponta Grossa-PR. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 21, n. 2, p. 570-585, 2017. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/geousp/ article/view/117719>. Acesso em 22 maio 2018.

RATTS, A.J. As etnias e os outros: as espacialidades dos encontros/confrontos. Espaço e Cultura, UERJ, Rio de Janeiro, n.17, p. 77 – 89, 2004. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj. br/index.php/espacoecultura/article/view/7855>. Acesso em: 25 out. 2017.

MARANDOLA JR., E. Geografias do porvir: a fenomenologia com abertura para o fazer geográfico. In: SPOSITO, E.S.; et al. (Org.). A diversidade da geografia brasileira: escalas e dimensões da análise e da ação. Rio de Janeiro: Consequência, 2016. p. 451 - 466.

MARTINS, L. M. Afrografias da memória: o reinado do rosário do jatobá. São Paulo: Perspectiva, 1997.

MARTINS, L. M. Performances do tempo e da memória: os congados. In: O Percevejo – Revista de Teatro, Crítica e Estética, Rio de Janeiro, ano 11, n. 12, p. 68 – 83, 2003. Disponível em:

NASCIMENTO, Â.S. Os espaços negros na cidade de Rio Claro/SP. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro/SP, 2005.

SILVA, E.F.F. Entre corpos e lugares: experiências com a Congada e o Tambu em Rio Claro/SP. Mestrado (Dissertação em Geografia). IGCE, UNESP, campus de Rio Claro, 2016.

SODRÉ, M. A verdade seduzida. 3.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

SODRÉ, M. O Terreiro e a Cidade. Petrópolis/RJ: Ed. Vozes, 1988.

TINHORÃO, J.R. Os sons dos negros no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2012.

WALSH, C. Interculturalidade e (des)colonialidade? Gritos, rachaduras e semeaduras de Abya-Yala. 2017. GARCIA DINIZ, A., et. al (orgs.) Poética e política da linguagem em vias de descoloniazação. São Carlos/SP: Pedro & João Editores: 2017. p. 19 - 53.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Silva, E. de F. F. (2019). Batuques por negros e brancos. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1576

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura