A margem e(m) suas metáforas: exlusão e identidade em Dama da noite, de Caio Fernando Abreu

Autores

  • Santiago Bretanha Freitas Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão.

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.157

Palavras-chave:

Dama da Noite, margem, exclusão, identidade, queer.

Resumo

Partindo dos conceitos de identidade e interdição alcunhados por Michel Foucault, objetivamos, no presente trabalho, analisar a obra Dama da noite, do autor gaúcho Caio Fernando Abreu. A dita obra se constitui pela voz da narradora-protagonista Dama da noite, em um monólogo endereçado ao “boy”, em uma boate; a fala da personagem gira ao redor de sua apreciação para com o movimento da roda-gigante, metáfora utilizada para retratar a sua cosmovisão. Por meio de tais afirmações, e delimitando o objetivo da análise, pretendemos, modestamente, analisar a metáfora da roda-gigante presente na obra, transpassando as identidades, a marginalidade e, de certa maneira, a interdição que norteiam o discurso da protagonista, entendendo-a como queer. Cremos haver trazido uma singela contribuição ao entendimento dos mecanismos de exclusão e normalização passíveis de serem desconstruídos na obra, bem como para a compreensão de como se realizam os discursos no palco das relações de poder.

Biografia do Autor

Santiago Bretanha Freitas, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão.

Santiago Bretanha Freitas – é aluno de graduação da Universidade Federal do Pampa/câmpus Jaguarão (RS). Atualmente, é bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) Letras e voluntário do projeto de extensão Experiências de leitura/escrita: a formação de leitores/escritores, vinculados à dita instituição. Seus interesses de pesquisa são o discurso do/sobre o corpo e a sexualidade, bem como o processo de ensino-aprendizagem da leitura e da escritura.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Dama da Noite. In: _____. Os Dragões não conhecem o paraíso. São Paulo: Cia. Das Letras, 1988. P. 83-90.

BIZELLO, Aline. Caio Fernando Abreu sob um viés comparatista. Monografia (Curso de Graduação em Letras) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.

CHEVALIER, J. GHEERBRANT, A. Diccionario de los símbolos. Barcelona: Editorial Herder, 1986.

FOUCAULT, Michel. História da loucura na idade clássica. Tradução José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1978.

_____. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução Salma Tannus Muchail. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

_____. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Lígia M. Ponde Vassalo. 2 ed. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes, 1983.

_____. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 9 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

_____. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1999.

_____. Uma entrevista: sexo, poder e a política de identidade. Verve, 5: 260-277, 2004.

_____. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. 9 ed. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2007a.

_____. História da Sexualidade III: o cuidado de si. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. 9 ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007b.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

REVEL, Judith. Michel Foucault: conceitos essenciais. Tradução Maria do Rosário Gregolin, Nilton Milanez e Carlos Piovesani. São Carlos:

Downloads

Publicado

09/03/2016

Como Citar

Bretanha Freitas, S. (2016). A margem e(m) suas metáforas: exlusão e identidade em Dama da noite, de Caio Fernando Abreu. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(1), 268–275. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.157

Edição

Seção

Dossiê - Literatura, Linguagens e Artes