A margem e(m) suas metáforas: exlusão e identidade em Dama da noite, de Caio Fernando Abreu

Autores

  • Santiago Bretanha Freitas Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão.

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.157

Palavras-chave:

Dama da Noite, margem, exclusão, identidade, queer.

Resumo

Partindo dos conceitos de identidade e interdição alcunhados por Michel Foucault, objetivamos, no presente trabalho, analisar a obra Dama da noite, do autor gaúcho Caio Fernando Abreu. A dita obra se constitui pela voz da narradora-protagonista Dama da noite, em um monólogo endereçado ao “boy”, em uma boate; a fala da personagem gira ao redor de sua apreciação para com o movimento da roda-gigante, metáfora utilizada para retratar a sua cosmovisão. Por meio de tais afirmações, e delimitando o objetivo da análise, pretendemos, modestamente, analisar a metáfora da roda-gigante presente na obra, transpassando as identidades, a marginalidade e, de certa maneira, a interdição que norteiam o discurso da protagonista, entendendo-a como queer. Cremos haver trazido uma singela contribuição ao entendimento dos mecanismos de exclusão e normalização passíveis de serem desconstruídos na obra, bem como para a compreensão de como se realizam os discursos no palco das relações de poder.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Santiago Bretanha Freitas, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), câmpus Jaguarão.

Santiago Bretanha Freitas – é aluno de graduação da Universidade Federal do Pampa/câmpus Jaguarão (RS). Atualmente, é bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) Letras e voluntário do projeto de extensão Experiências de leitura/escrita: a formação de leitores/escritores, vinculados à dita instituição. Seus interesses de pesquisa são o discurso do/sobre o corpo e a sexualidade, bem como o processo de ensino-aprendizagem da leitura e da escritura.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Dama da Noite. In: _____. Os Dragões não conhecem o paraíso. São Paulo: Cia. Das Letras, 1988. P. 83-90.

BIZELLO, Aline. Caio Fernando Abreu sob um viés comparatista. Monografia (Curso de Graduação em Letras) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.

CHEVALIER, J. GHEERBRANT, A. Diccionario de los símbolos. Barcelona: Editorial Herder, 1986.

FOUCAULT, Michel. História da loucura na idade clássica. Tradução José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1978.

_____. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução Salma Tannus Muchail. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

_____. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Lígia M. Ponde Vassalo. 2 ed. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes, 1983.

_____. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 9 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

_____. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1999.

_____. Uma entrevista: sexo, poder e a política de identidade. Verve, 5: 260-277, 2004.

_____. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. 9 ed. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2007a.

_____. História da Sexualidade III: o cuidado de si. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. 9 ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007b.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

REVEL, Judith. Michel Foucault: conceitos essenciais. Tradução Maria do Rosário Gregolin, Nilton Milanez e Carlos Piovesani. São Carlos:

Downloads

Publicado

09/03/2016

Como Citar

Bretanha Freitas, S. (2016). A margem e(m) suas metáforas: exlusão e identidade em Dama da noite, de Caio Fernando Abreu. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 2(1), 268–275. https://doi.org/10.23899/relacult.v2i1.157

Edição

Seção

Dossiê - Literatura, Linguagens e Artes