Um outro olhar: as experiências oleiras das comunidades das margens do rio Itacuruçá, em Abaetetuba-PA

Autores

  • Maria Luiza Ávila Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1522

Palavras-chave:

comunidades oleiras, descolonialidade, trabalho infantil, indivisibilidades, universalidades.

Resumo

Nesse artigo levanta-se a premissa de que a produção jurídica estabelecida no plano internacional sobre dignidade da pessoa humana, direitos humanos, proteção integral da criança e a concepção de trabalho infantil é fruto de uma racionalidade hegemônica geradora de universalidades e indivisibilidades, iniciada com o descobrimento das Américas, que invisibiliza saberes e tradições locais como as vivenciadas na região amazônica pelas comunidades oleiras das margens do Rio Itacuruçá em Abaetetuba-Pa. Como estratégia de superação dessa invisibilidade se adota a opção decolonial como outro olhar, e nesse viés  se buscará o diálogo teórico fomentado pela crítica pós-colonial, tendo por base o repertório de pesquisas inaugurado na América Latina pelo Grupo Modernidade/Colonialidade/Descolonialidade (M/C/D), mormente os difundidos por Walter Mignolo uma das principais figuras do Pensamento Decolonial, visando evidenciar a resistência cultural dos povos ribeirinhos insertos no cenário amazônico.

Biografia do Autor

Maria Luiza Ávila, Universidade Federal do Pará

Graduada em Direito pela Universidade da Amazônia – UNAMA-PA, mestranda do Programa Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal do Pará - UFPA, Área de concentração Antropologia Social, onde desenvolve o Projeto de Pesquisa “Entre a Lei e a Tradição: narrativas e experiências de aprendizagem nas Olarias de Abaetetuba-Pa, Orientador Agenor Sarraf Pacheco

Referências

BALLESTRIN, L. América latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, n.11, p. 89-117, maio-agosto/2013.

BRASIL, Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador, Brasília, Ministério do trabalho e Emprego, Secretaria de Inspeção do Trabalho, 2004, 82p.

CARDOSO, M.B.C. e HAGE, S.M. No remanso do contexto ribeirinho e quilombola da Amazônia. Revista Margens Interdisciplinar. v. 8, n.10, p.109-125. Disponível em: http://periodicos.ufpa..br/index.php/revistamargens/issue/view/149.

CARVALHO, J.J. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Horizontes Antropológicos, ano 7, n.15, p.107-147, julho/2001.

HALL, S. Identidade Cultural e diáspora. Comunicação e Cultura, n.1, 2006, p. 21-35.

MARCUS, G. Identidades passadas, presentes e emergentes: requisitos para etnografias sobre a modernidade no final do século XX ao nível mundial. Revista de Antropologia, n.34, 1991. p. 197-221.

MARIN, J.O.B e MARIN, E.F.B. A internacionalização dos direitos das crianças e suas repercussões na regulação jurídica e combate ao trabalho infantil no Brasil. Revista Latinoamericana de estudios del Trabajo, Sª Época, n.20, 2º Semestre, 2008, p. 129-154.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Tradução de Ângela Lopes Norte. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: literatura língua e identidade, n.34, 2008. p. 287-324.

¬____. Colonialidade. O lado mais escuro da modernidade. Tradução de Marcos Oliveira. RBCS v.32, n.94, p.1-18, junho/2017.

PARÁ, Plano Paraense de Erradicação ao Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador, Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda, 2016, 28p.

PORTELLI, A. História oral como arte da escuta. Tradução Ricardo Santhiago. São Paulo: Letra e Voz, 2016, 196p.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina, Perspectivas latino-americanas. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. Buenos Aires, 2005. p.117/142.

SANTOS, B.S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, n.78, p.3-46, outubro/2007.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Ávila, M. L. (2019). Um outro olhar: as experiências oleiras das comunidades das margens do rio Itacuruçá, em Abaetetuba-PA. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1522

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura