Irunditia: as narrativas de viagem do toánucê Murillo de Campos nas expedições da comissão de Rondon

Autores

  • Tiago Penteado Bomfim UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1504

Palavras-chave:

Tradutor, Ciência, Murillo de Campos, Brasil.

Resumo

Este texto pretende investigar e analisar, a atuação do médico e higienista do exército brasileiro Murillo de Souza Campos, como produtor e um dos divulgadores do conhecimento científico da área da saúde desta instituição, entre os anos de 1910 a 1950. A participação de Murillo de Campos no cenário nacional foi materializada em diversas publicações como jornais, periódicos, entre outros. Para este trabalho daremos ênfase na obra “Interior do Brasil: Notas médicas e etnográficas”, publicado em 1936. Neste livro Murillo de Campos descreve as viagens que realizou ao interior do Brasil no período das expedições científicas da comitiva do Candido Mariano da Silva Rondon, mais conhecido como Marechal Rondon. Nesta obra Murillo de Campos descreve suas atividades na região Nordeste de Mato Grosso, partindo do Rio de Janeiro a Cuiabá, através de Goias. Divido por regiões forjadas por este médico militar, o livro apresenta uma discussão de antropologia física e etnografia. O que nos chama atenção nesta obra e que vou explorar ao longo deste texto são as notas de tradução deste médico. Ao fim de cada capítulo Murillo de Campos apresentou um dicionário sobre os principais termos usados pelos indígenas que encontrou em sua expedição. Desta forma nossa preocupação é contextualizar este médico no campo intelectual do período e utilizando do conceito de tradução, aqui compreendo este conceito tanto no sentido da tradução como parte do processo de compreensão, por parte do receptor, da mensagem emitida por um emissor, quanto no que diz respeito às traduções de uma língua para outra. Assim sendo meu objetivo é perceber Murillo de Campos como sendo um “tradutor do mundo” que vivenciou enquanto passava pelas regiões do Brasil enquanto médico militar no início do século XX.

Referências

ARAÚJO, Carolina Pucu de. A construção visual do imaginário sobre os índios na primeira república: a experiência rondoniana. Rascunhos da História, Rio de Janeiro: PUC, 1998.

BARBIO, Luciana Alves. Comissão Rondon e a representação da identidade Paresí: um

diálogo através de fotografiasRECIIS – R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde. Rio de Janeiro, v5, n.2, p. 27-43, Jun., 2011

COSTA, Romana Maria Ramos. Cultura e Contato: Um estudo da sociedade Paresí no contexto das relações interétnicas. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1985. [Dissertação de Mestrado]

MACHADO, Maria de Fátima Roberto. Índios de Rondon: Rondon e as linhas telegráficas na visão dos sobreviventes Wáimare e Kaxíniti, grupos Paresí. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1994. [Tese de Doutorado]

MACIEL, Laura Antunes. A comissão Rondon e a conquista ordenada dos Sertões: espaço, telegrafo e civilização. Proj. Historia, São Paulo, mai. 1999.

SÁ, Dominichi Miranda de; SÁ, Magali Romero; LIMA, Nísia Trindade. Telégrafos e inventário do território no Brasil: as atividades científicas da Comissão Rondon (1907 – 1915). História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 779-810, jul. – set. 2008.

TODOROV, Tzvetan. “A viagem e seu relato”. In Revista de letras da UNESP. São Paulo: vol. 46, n.1, 2006.

VÓLKOVA AMÉRICO, E. O conceito de tradução na obra de Iúri Lotman: entre intraduzibilidade e liberdade TradTerm, São Paulo, v. 24, Dezembro/2014, pp. 17-33

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Bomfim, T. P. (2019). Irunditia: as narrativas de viagem do toánucê Murillo de Campos nas expedições da comissão de Rondon. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1504

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura