A (de)colonialidade do patrimônio na América Latina: lugares do negro e do indígena no caso brasileiro e argentino

Autores

  • Loudmia Amicia Pierre Louis UNILA - Universidade Federal da Integração Latino-Americana
  • Bárbara Ferreira de Lima UNILA - Universidade Federal da Integração Latino-Americana
  • Félix Ceneviva Eid UNILA - Universidade Federal da Integração Latino-Americana

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1496

Palavras-chave:

América Latina, Argentina, Brasil, (De)colonialidade, Patrimônio.

Resumo

Este trabalho pretende analisar a conformação do campo patrimonial no Brasil e na Argentina, durante os séculos XIX e XX, no conjunto de representações e práticas que o definem na América Latina. Delineia-se o panorama de reivindicações sócio-políticas dos movimentos de luta negros e indígenas que reconfiguram, a partir de uma perspectiva (de)colonial da história, tais políticas patrimoniais no século XXI. A invenção dos Estados-Nação e a conformação do campo patrimonial são correlatos. A patrimonialização é instrumento de criação de narrativas nacionais enunciadas pelo poder público. Dessa forma salienta-se os conceitos civilizatórios, trazidos pela modernidade eurocêntrica, presentes nos estatutos do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), posteriormente sucedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), para o caso brasileiro, e da Comisión Nacional de Museos y Monumentos y Lugares Históricos (CNMMYLH) para o caso argentino. São estes os órgãos estatais responsáveis pela institucionalização do silenciamento de memórias sociais e identidades coletivas, em detrimento da construção de uma única, a branca cristã. Observando, neste sentido, as dinâmicas de (re) apropriação e transformação no tempo das práticas culturais e como organizações em movimentos sociais, estes grupos subalternizados demandam novas concepções de cultura e patrimônio imaterial, mostrando, como resultado, a pluralidade cultural. As massas e as manifestações populares, esses setores historicamente excluídos, são valorizados e passaram a ser simbolicamente representados nestas nações.

Referências

ANNECCHIARICO, Milena. El patrimonio cultural afro-argentino: un análisis del programa “ruta del esclavo” UNESCO en Argentina. Revista del Museo de Antropología. Facultad de Filosofía y Humanidades – Universidad Nacional de Córdoba - Argentina. jun. 2018. Disponível em: <https://revistas.unc.edu.ar/index.php/antropologia/article/view/17543/20211>. Acesso em 15/12/18

ANNECCHIARICO, Milena. “Patrimonio cultural afroargentino: trayectorias, estudios y desafíos”. Actas XII Conferencia internacional antropología. Instituto Cubano de Antropología, La Habana. 2014. Disponível em:<https://www.academia.edu/25131186/Patrimonio_cultural_afroargentino_trayectorias_estudios_y_desaf%C3%ADos._Actas_XII_Conferencia_internacional_antropologi_a_Instituto_Cubano_de_Antropologi_a_La_Habana._2014>. Acesso em 18/12/2018

AMARAL, João P. Pereira do. Da colonialidade do patrimônio ao patrimônio decolonial. Dissertação (Mestrado) – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural, Rio de Janeiro, 2015.

ATLAS da Violência 2018. Rio de Janeiro: Ipea/FBSP. jun. 2018 Disponível em:< http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=33410&Itemid=432>. Acesso em 27/12/2018.

Conselho Indigenista Missionário (CIMI). Violência contra os Povos Indígenas no Brasil: Dados de 2017. Relatório. 2017. Disponível em:< https://cimi.org.br/2018/09/relatorio-cimi-violencia-contra-os-povos-indigenas-no-brasil-tem-aumento-sistemico-e-continuo/>. Acesso em 27/12/18

CONTI, Alfredo. La construcción del concepto de patrimonio en Argentina entre 1910 y 1940. Anales LINTA; vol. 4, no. 2. Argentina 2009. Disponível em:<http://sedici.unlp.edu.ar/handle/10915/29088. Acesso em 15/11/2018

CONTI, Alfredo. El patrimonio como representación del “nosotros”. El caso de Argentina. Conversaciones, n 2, p. 35-44, jul. 2016.

CORRÊA, Alexandre Fernandes. A coleção museu de magia negra do Rio de Janeiro: O primeiro patrimônio etnográfico do Brasil. Mneme - Revista de Humanidades, v. 7, n. 18, out/nov. 2005. Disponível em:<https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/330>. Acesso em: jun 2018.

DUSSEL, Enrique. 1492. El encubrimiento del otro. Hacia El origen Del mito de La modernidad. La Paz: Plural Editores, 1994

DUSSEL, Enrique. Europa Modernidade e Eurocentrismo. CLASCO, Buenos Aires, 2005

DUSSEL, Enrique. La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. CLACSO, Buenos Aires, 2000.

FONSECA, Maria Cecília Londres. “Da Modernização à participação: a política federal de preservação nos anos 70 e 80”. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 24. Brasília: 1996.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio histórico na sociedade contemporânea: discurso de posse. RIHGB. Rio de Janeiro: ano 166, n. 428, p. 165-175, jul./set. 2005.

GALLOIS, Dominique Tilkin. Patrimônio cultural imaterial e povos indígenas: exemplos no Amapá e norte do Pará. Iepé, 2006.

GARCÍA, M. I. Los Márgenes de la Nación: Conformación del Estado nacional y construcción de la otredad en la Argentina. VI Jornadas de Sociología de la UNLP. FaHCE. La Plata, Argentina. dec. 2010. Disponible em:<http://www.memoria.fahce.unlp.edu.ar/trab_eventos/ev.5084/ev.5084.pdf>. Acesso em 18/12/2018.

GOHN, Maria da Glória. 500 anos de lutas sociais no Brasil: Movimento social, ONG terceiro setor. Rev. Mediações. Londrina: v. 5, n. 1, p. 11-40, jan./jun. 2000

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. “Nação e civilização nos trópicos: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma história nacional”, In: Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, No.1, 1988, pp. 5-27.

GROSFOGUEL, Ramón. “Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico”. In: Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel (org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL). Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/indl>. Acesso em: 20 jul 2018.

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Dossiê de tombamento de Candidatura da Serra da Barriga. Parte Mais Alcantilada – Quilombo dos Palmares e Patrimônio Cultural do MERCOSUL Marcelo Brito (coord). São Carlos: Ed. cubo, 2017. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Dossie_serra-da-barriga.pdf>. Acesso em 25/11/2018.

LOANGO, Anny Ocoró. Los afrodescendientes en Argentina: la irrupción de un nuevo actor en la agenda política y educativa del país. Revista Colombiana de Educación, N.º 69. Bogotá, Colombia. 2015.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder soberania estado de exceção política da morte. Arte & Ensaios n. 32. Rio de Janeiro, UFRJ, dezembro 2016. 123-151 p.

Ministerio de Justicia y Derechos Humanos de la Nación. Secretaría de Derechos Humanos, Derechos de los pueblos indígenas en la Argentina, una compilación. Sebastián Demicheli Calcagno; Viviana Canet; Leticia Virosta (Org.) - 1a ed. Buenos Aires: 2015.

MIGNOLO, Walter D. “El pensamiento decolonial: desprendimiento y apertura un manifiesto”. In: Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel (org.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global.Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 25-46.

MIGNOLO, Walter. COLONIALIDADE O lado mais escuro da modernidade. PUC-Rio, Rio de Janeiro – RJ, Brasil, 2017.

PAZ, F. P. Do “só o espaço” ao lugar de memória. Revista Calundu, v. 1, n. 1, 5 jul. 2017.

QUIJANO, Anibal; WALLERSTEIN Immanuel. La americanidad como concepto, o América en el moderno sistema mundial. Revista Internacional de Ciências Sociais. Vol. XLIV, núm. 4, 1992. p. 583-593.

QUIJANO, Anibal. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. CLACSO, Buenos aires, 2005.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel (compiladores). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 93-127.

REPRESENTAÇÃO DA UNESCO NO BRASIL. Cais do Valongo é o novo sítio brasileiro inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO. Jul. 2017. Disponível em:< http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/valongo_wharf_is_the_new_brazilian_site_inscribed_on_unesco/>. Acesso em 17/12/2018

ROMAGUERA, D. C. L.; TEIXEIRA, J. P. A.; BRAGATO, F. F. Por uma crítica descolonial da ideologia humanista dos direitos humanos. Derecho y Cambio Social, v. 38, p. 1-27, 2014.

SERRA, Ordep José Trindade. Monumentos negros: Uma experiência. Afri-Ásia, n. 33, p. 169-205. 2005. Disponível em: <https://www.academia.edu/30961618/MONUMENTOS_NEGROS_UMA_EXPERI%C3%8ANCIA>. Acesso em: 19 jul. 2018

SILVA, M. G. C.; SILVA, M. I. L.; SILVA, V. A. C.. A influência do processo de assimilação e aculturação na formação da identidade dos povos indígenas no Brasil. CONEDU, 2017.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Pierre Louis, L. A., Ferreira de Lima, B., & Ceneviva Eid, F. (2019). A (de)colonialidade do patrimônio na América Latina: lugares do negro e do indígena no caso brasileiro e argentino. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1496

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura