A(s) voz(es) de Ellen Oléria: multiplicidade, interseccionalidade e resistência em uma carreira musical

Autores

  • Adelia de Souza Procopio Doutoranda na Universidade Federal de Santa Catarina
  • Mara Coelho de Souza Lago Professora da Universidade Federal de Santa Catarina
  • Vânia Beatriz Müller Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1490

Palavras-chave:

cultura, artes, estudos em cultura, ciências humanas

Resumo

Neste trabalho, discutimos como se dão as dinâmicas identitárias na construção da carreira, no discurso musical e declarações públicas da cantora, compositora, instrumentista, apresentadora e atriz Ellen Oléria. A artista tem sido reconhecida por sua postura afirmativa como mulher, negra, lésbica, gorda, latina e vegana e por seu discurso antidiscriminatório. Procuramos analisar alguns posicionamentos políticos no discurso de Ellen Oléria em seus pronunciamentos públicos, bem como a forma como suas canções abordam questões de gênero, raça, sexualidade e classe. A pesquisa foi informada por epistemologias feministas. Além disso, propusemos uma abordagem interdisciplinar, integrando referenciais teóricos e metodológicos de disciplinas das ciências humanas. Em termos metodológicos, nos utilizamos da Análise do Discurso (AD), de orientação da escola francesa – em especial Michel Pêcheux e na leitura de sua obra feita por Eni Orlandi  – e também de teorizações de Michel Foucault acerca do funcionamento do discurso e de sua abordagem. No texto, inicialmente, apresentamos uma discussão teórica acerca das identidades e abordamos as afirmações sobre múltiplas identidades culturais de Oléria. Em seguida, enfocamos os posicionamentos sobre raça e racismo da cantora, utilizando teorias sobre interseccionalidades para a compreensão de como diversos marcadores sociais, como raça, gênero, classe e sexualidade, se inter-relacionam na vivência e produção de Ellen. Após isso, abordamos a obra de Ellen Oléria como uma forma de afirmação, ou seja, como música identitária e como esta pode atuar como uma “voz” que “representa” grupos subalternizados e, ao mesmo tempo, constrói uma autorrepresentação da cantora. Por fim, discutimos como as intersecções dos múltiplos processos discriminatórios experimentados por Oléria representam também possibilidades de resistência e de transformação da ordem social por meio de sua música.

Biografia do Autor

Adelia de Souza Procopio, Doutoranda na Universidade Federal de Santa Catarina

Socióloga, doutoranda no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC

Mara Coelho de Souza Lago, Professora da Universidade Federal de Santa Catarina

Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e Programa de pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC

Vânia Beatriz Müller, Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina

Professora do Departamento de Música da UDESC

Referências

ALCÂNTARA, Fernanda. Os desafios de Ellen Oléria. Revista Raça. São Paulo: Editora Escala. Ano XVII. Ed. n. 176. Março de 2013.

ANZALDÚA, Gloria. La conciencia de la mestiza /Rumo a uma nova consciência. Estudos feministas, Florianópolis, v. 13, n.3, p. 704-719, set./dez. 2005.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-376, jan./jun. 2006.

BRAIDOTTI, Rosi. El sujeto en el feminismo. Feminismo, diferencia sexual y subjetividade nómade. Barcelona: Editorial Gedisa, 2004, p. 9-31.

CARDOSO, Bia. Ellen Oléria: negra, lésbica e feminista. 21/11/2011. Blogueiras Feministas. Disponível em: https://blogueirasfeministas.com/2011/11/21/ellen-oleria/. Acesso em 28/09/2015.

CARDOSO, Cláudia P. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Estudos feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 965-986, set./dez. 2014.

COSTA, Cláudia de L. e ÁVILA, Eliana. Gloria Anzaldúa, a consciência mestiça e o “feminismo da diferença”. Estudos feministas, Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 691-703.set./dez. 2005.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos feministas, Florianópolis, v.10, n. 01, p. 171-188, 2002.

______. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. VV.AA. Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem, 2004.

Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Disponível em: http://www.dicionariompb.com.br/ellen-oleria/biografia . Acesso em 26/11/2015.

Ellen Oléria. Página oficial no Facebook. Postagens de 2015. Disponível em https://www.facebook.com/ellenoleriaOficial/. Acesso em 12/03/2016.

Ellen Oléria. Página oficial no Twitter. Postagens de 2015. Disponível em https://twitter.com/ellenoleria. Acesso em 26/02/2016.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 12 ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

GARCIA JR, Carlos Alberto Severo; VERDI, Marta Inês Machado. Interdisciplinaridade e complexidade: uma construção em ciências humanas. Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis, Florianópolis, v.12, n.2, p.01-17, Jul./Dez. 2015.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/ 93, p. 69-82, jan./jun. 1988.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: Silva, T. T. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000, p.103-133.

______. A identidade cultural na pós-modernidade. 11 ed. Rio de Janeiro: DP & A, 2011.

LAGO, Mara C. de S. Identidade: a fragmentação do conceito. In: Silva, A.; Lago, M.; Ramos, T.(Orgs.) Falas de gênero. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1999, p. 119-129.

______. De sujeitos e identidades: diálogos entre ciências humanas e psicanálise. In: RIAL, C. E TONELI, M. Juracy (Orgs.) Genealogias do silêncio: feminismo e gênero. Florianópolis: Editora Mulheres, 2004, p. 73-78.

LEON, Diego P. Entrevista com Ellen Oléria: “Sou mulher, negra, lésbica e da periferia”. Portal Uai. 30/12/2015. Disponível em: https://www.uai.com.br/app/noticia/musica/2015/12/30/noticias-musica,175598/entrevista-com-ellen-oleria-sou-mulher-negra-lesbica-e-da-periferi.shtml. Acesso em: 15/01/2016.

LIMA, Irlam R. Poderosa: Ellen Oléria solta a voz no show de lançamento do primeiro CD, em Taguatinga. Correio Braziliense online. 02/07/2009. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2009/07/02/interna_diversao_arte,123177/ellen-oleria-solta-a-voz-no-show-de-lancamento-do-primeiro-cd-em-taguatinga.shtml. Acesso em 21/07/2015.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos feministas, Florianópolis, v. 22, n.3, p. 935-952, set./dez. 2014.

MOHANTY, Chandra T. Bajo los ojos del occidente: academia feminista y discurso colonial. In: NAVAZ, Liliana S. y HERNÁNDEZ, Aída (Eds.) Descolonizando el feminismo: teorias y prácticas desde las márgenes. Madrid: Ed. Cátedra, 2008.

O Globo. 29/06/2013. A revolução pessoal de uma cantora atrevida. Disponível em: https://oglobo.globo.com/. Acesso em 19/10/2015.

OLÉRIA, Ellen. Pra cima deles. Revista TPM, especial racismo, 14/04/2014. Ed. 141. Disponível em: https://revistatrip.uol.com.br/tpm/pra-cima-deles. Acesso em: 21/06/2016.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 12 ed. Campinas: Pontes Editores, 2015.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes Editores, 2015.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e cultura, v.11, n.2, p. 263 a 274, jul/dez. 2008.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos rumos: Instituto Astrojildo Pereira, n. 37, p. 04-25, 2002.

SANCHES, Pedro A. Ellen Oléria, uma multidão de minorias. Revista Fórum, ed. 124. 04/08/2013. Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/digital/124/ellen-oleria-uma-multidao-de-minorias/. Acesso em 21/07/2015.

ROSA, Laila et al. Epistemologias feministas e a produção de conhecimento recente sobre mulheres e música no Brasil: algumas reflexões. In: NOGUEIRA, Isabel P.; FONSECA, Susan C. (orgs) Estudos de gênero, corpo e música: abordagens metodológicas. Goiânia/Porto Alegre: ANPPOM, 2013, p.110-137.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Do pós-moderno para o pós-colonial. E para além de um e outro. In: VIII Congresso luso-afro-brasileiro de ciências sociais. Anais do evento. Coimbra, 2004.

SHOHAT, Ella E STAM, Robert. Crítica da imagem eurocêntrica: multiculturalismo e representação. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

SILVA, Tomaz T. A produção social da identidade e da diferença. In: Silva, T. T. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000, p. 73-102.

Site artístico de Ellen Oléria. Disponível em: https://www.ellenoleria.com.br/. Acesso em: 18/06/2015.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TORRES, Sonia. La conciencia de la mestiza /Towards a New Consciousness – uma conversação interamericana com Gloria Anzaldúa. Estudos feministas, Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 720-737, set./dez. 2005.

Downloads

Publicado

31/05/2019

Como Citar

Procopio, A. de S., Lago, M. C. de S., & Müller, V. B. (2019). A(s) voz(es) de Ellen Oléria: multiplicidade, interseccionalidade e resistência em uma carreira musical. RELACult - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura E Sociedade, 5(5). https://doi.org/10.23899/relacult.v5i5.1490

Edição

Seção

II - Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura